A Psicanálise por Freud

Mapa - A Psicanálise por Sigmund Freud

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
A Psicanálise por Freud por Mind Map: A Psicanálise por Freud

1. Mecanismos de Defesa

1.1. Exemplos:

1.2. Repressão - Impede que pensamentos dolorosos cheguem à consciência, afastando a lembrança de determinados fatos, apesar de continuar armazenados no inconsciente.

1.3. Projeção - Projetamos ao mundo externo aquilo que não podemos ver em nós, que nos é doloroso, desagradável. Criticamos atos dos outros praticados, também, por nós, atribuímos defeitos aos outros que são nossos e não suportamos. Pode aparecer também no amor ou ódio que temos por um artista, que gostaríamos de ser igual. Nessa linha de pensamento,é uma maneira de dar sentido à nossa vida, mesmo que provisória;

1.4. Formação Reativa - Hábito psicológico oposto ao desejo recalcado. É a inversão do verdadeiro desejo. Às vezes um problema nascido na infância ou na adolescência é contrariado a vida toda, mas o valor continua importante. Aquilo que causa sofrimento acaba recebendo uma reação contrária em nossos atos;

1.5. Fixação e Regressão - Volta aos níveis anteriores, diante de frustração, o recuo do ego, fugindo de situações conflitivas atuais, para o estágio anterior. Um exemplo é quando um adulto volta a um modelo infantil, no qual se sentia mais feliz. Outro exemplo é quando nasce um irmão e a criança regride usando chupeta ou urinando na cama, como defesa.

2. Aparelho Psíquico

2.1. Teoria Estrutural

2.1.1. Id - Fonte de energia psíquica e o aspecto da personalidade relacionado aos instintos. É formado pelas pulsões, instintos, impulsos orgânicos e desejos inconscientes. O id é impulsivo, busca uma solução imediata para as tensões, não aceita frustrações e não conhece inibição. Além disso, esse aspecto desconhece juízo, a lógica, os valores e a moral. De acordo com Freud o id é " a verdadeira realidade psíquica".

2.1.2. Ego - Aspecto racional da personalidade responsável pelo controle dos instintos.r Ele representa a razão, ao contrário da paixão insistente e irracional do id. O ego obedece ao princípio da realidade, refreando as demandas em busca do prazer até encontrar o objeto apropriado para satisfazer a necessidade e reduzir a tensão. A principal função do ego é buscar uma harmonização entre os desejos do id e a supervisão do superego.

2.1.3. Superego - Forma-se após o ego, enquanto a criança assimila os valores recebidos dos pais e da sociedade. Ele pode funcionar de uma maneira bastante primitiva, punindo o indivíduo não apenas por ações praticadas, mas também por pensamentos inaceitáveis. O superego tem o pensamento dualista (tudo ou nada, certo ou errado, sem meio-termo) e está sempre em conflito com o id. Para a psicanálise, os distúrbios psicológicos e os conflitos surgem a partir da interação disfuncional entre as três estruturas.

3. Energia Psíquica

3.1. Pulsões

3.1.1. Eros - Pulsão de Vida - Sexuais e de Autoconservação

3.1.2. Tânatos - Pulsão de Morte - Auto ou Heterodestrutiva, Agressiva

4. Conflito constante que gera energia.

5. Teoria do Desenvolvimento Psicossexual

5.1. Fase Oral (Nascimento - 18 meses) A região do corpo que proporciona maior prazer a criança é a boca. É pela boca que a criança entra em contato com o mundo, e por essa razão ela tende a levar tudo p que pega a boca. O principal objeto de desejo nesta fase é o seio da mãe, que além de a alimentar proporciona satisfação ao bebê.

5.2. Fase Anal (19 meses - 3 anos) Neste período a criança descobre que pode controlar as fezes que sai de seu interior, oferecendo-o a mãe como um presente, ou como algo agressivo. É nesta etapa que a criança começa a ter noção de higiene.

5.3. Fase Fálica (3 anos- 5 anos) A sensibilidade agora na fase fálica se concentra nos órgãos genitais. A criança toma consciência das diferenças anatômicas sexuais, que desencadeiam o conflito entre atração erótica, ressentimento, rivalidade, ciúme e medo. Esse conflito é resolvido através do processo de identificação, no qual a criança adota as características dos pais do mesmo sexo.

5.4. Período de Latência (6 anos - 11 anos) Neste período tem por característica principal um deslocamento da libido da sexualidade para atividades socialmente aceitas, ou seja, a criança passa a gastar sua energia em atividades sociais e escolares. Fase de desinteresse pelo sexo oposto.

5.5. Fase Genital (11 anos em diante) Fase que tem início com a adolescência, há uma retomada dos impulsos sexuais, o adolescente passa a buscar, em pessoas fora de seu grupo familiar, um objeto de amor. A adolescência é um período de mudanças no qual o jovem tem que elaborar a perda da identidade infantil e dos pais da infância para que pouco a pouco possa assumir uma identidade adulta.