FLUXO DE INFORMAÇÕES

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
FLUXO DE INFORMAÇÕES por Mind Map: FLUXO DE INFORMAÇÕES

1. O que são?

1.1. COMO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

1.1.1. Leitão (1985)

1.1.1.1. Processo de comunicação que possui três elementos principais: um emissor, uma mensagem (a informação) e um receptor, e que sejam estudadas as barreiras que interferem no fluxo informacional como condição básica para que se possa agir no sentido de melhorar.

1.1.2. Moresi (2000)

1.1.2.1. Um processo de agregação de valor, e o sistema de informação pode ser considerado como uma cadeia de valor, por ser o suporte para a produção e transferência da informação

1.1.3. Castels (2005)

1.1.3.1. Sequências intencionais, repetitivas e programáveis de intercâmbio e interação entre posições fisicamente desarticuladas, mantidas por atores sociais nas estruturas econômica, política e simbólica da sociedade.

1.1.4. Moreira (2006)

1.1.4.1. Dados, informações e conhecimentos que trafegam de tal maneira que, a partir do acesso, apropriação e uso, é possível gerar conhecimento individual e compartilhá-lo.

1.1.5. Delgado (2007)

1.1.5.1. É o trânsito da informação, desde as entradas, passando por cada um dos processos, até as saídas. Na passagem da informação desde as entradas e as saídas, intervém processos ordenados que estão intimamente relacionados através dos fluxos e permite ao usuário obter uma nova informação com valor agregado.

1.1.6. Ferreira (2008)

1.1.6.1. São os caminhos trafegados pela informação ao longo de canais de comunicação para chegar ao seu usuário ou receptor final.

1.1.7. Araújo (2009)

1.1.7.1. Um transporte físico – que, para o aumento da produtividade, precisa ser otimizado, liberado de ruídos e redundâncias.

1.1.8. Garcia e Fadel (2010)

1.1.8.1. Um canal - tangível ou intangível; formal ou informal -, permanente ou esporádico, constante ou intermitente – constituído pela circulação de informações que fluem de uma determinada origem, geralmente um suporte/indivíduo, em sentido a um destino de armazenamento/processamento, podendo ocorrer a reversão desse fluxo até que os objetivos inicialmente estabelecidos sejam atingidos.

1.1.9. Passos (2012)

1.1.9.1. Um processo de comunicação que necessita de um emissor e um canal para que a mensagem seja transmitida. O receptor também necessita compreender

1.2. COMO GERAÇÃO DE INFORMAÇÃO

1.2.1. Barreto (1999)

1.2.1.1. Estruturas simbolicamente significantes com a competência de gerar conhecimento no indivíduo, em seu grupo, ou na sociedade.

1.2.2. Valentim (2010)

1.2.2.1. São reflexos naturais dos ambientes ao qual pertence, tanto em relação ao conteúdo quanto em relação à forma.

1.2.3. Valentim (2013)

1.2.3.1. São informações produzidos naturalmente pelas próprias pessoas e setores que nela atuam, a partir das atividades, tarefas e decisões que vão sendo realizadas.

1.2.3.1.1. Formais

1.2.3.1.2. Informais

2. e sua relação com a Gestão da Informação - GI

2.1. Choo (2006)

2.1.1. Consiste na administração de uma rede de processos que adquirem, criam, organizam, distribuem e usam a informação

2.2. Davenport (1998)

2.2.1. Conjunto estruturado de atividades que incluem o modo como as empresas obtêm, distribuem e usam a informação e o conhecimento.

2.3. Sugahara, Jannuzzi e Falsarella (2015)

2.3.1. Processo do modo como os indivíduos tratam e compartilham a informação no seu ambiente.

2.4. Chini e Blattmann

2.4.1. O mapeamento do fluxo mostra o movimento que a informação percorre dentro da organização e aponta as barreiras existentes.

2.4.2. Antes de abordar o fluxo é preciso tratar a tipologia da informação a ser comunicada, bem como suas formas de comunicação,

2.4.3. É um dos papéis da gestão de informação colocar à disposição do usuário a informação necessária ao desenvolvimento de suas questões de pesquisa ou de trabalho.

2.4.4. A gestão da informação é o alicerce para o fluxo da informação técnica científica que permite a geração de novos conhecimentos capazes de contribuir na evolução das questões de pesquisa.

2.5. Valentin e Souza (2013)

2.5.1. Há certa dificuldade das organizações mapearem esses processos (fluxos formais e informais), uma vez que envolvem o conhecimento tácito (gestão do conhecimento) e o conhecimento explícito (gestão da informação).

2.5.2. A gestão da informação é constituída de várias fases/etapas, e se inicia com a identificação das necessidades de informação dos sujeitos organizacionais, envolve também o mapeamento dos fluxos formais e informais, dos produtores e usuários de informação, bem como das características da informação gerada tanto internamente, quanto externamente à organização;

2.6. Beal (2009)

2.6.1. Uma atividade de identificação de necessidades e requisitos de informação age como elemento acionador do processo, que pode estabelecer um ciclo contínuo de coleta, tratamento, distribuição/armazenamento e uso para alimentar os processos decisórios e /ou operacionais da organização, e leva também à oferta de informação para o ambiente externo.

3. Relação com os processos organizacionais

3.1. Para Valetim, 2010, o ambiente organizacional é constituído por dados, informação e conhecimento.

3.2. Para Valentim e Souza (2013), a finalidade do fluxo da informação é a de percorrer todo o ambiente organizacional.

3.3. De suporte: o fluxo informacional da suporte aos processos organizacionais, já que, é através do fluxo informacional que os colaboradores tem acesso a todo o conteúdo necessário para executar tarefas de modo otimizado.

4. Abordagens e técnicas para representar

4.1. Abordagens

4.1.1. Matemática-probabilística

4.1.2. Cognitiva

4.1.3. Informação como coisa, processo e conhecimento

4.1.4. Ubinformacional

4.1.5. Liquidez

4.1.6. Complexidade

4.1.7. Agregação de valor

4.1.8. Redes

4.1.9. Estratégica

4.2. Técnicas

4.2.1. Matematicamente

4.2.1.1. Modelo de avaliação de fluxo

4.2.1.2. Modelo de rede de controle - árvore de informações

4.2.1.3. Modelo de cadeia de suprimentos

4.2.1.4. Estrutura baseada em parâmetros

4.2.1.5. Modelo de rede da organização

4.2.2. Diagramaticamente

4.2.2.1. Representações pictóricas

4.2.2.2. Representações gráficas

4.2.2.3. Representações matriciais