Gestão Educacional

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Gestão Educacional por Mind Map: Gestão Educacional

1. ESCOLA CONTEMPORÂNEA

1.1. Conseguimos ver que a tecnologia foi algo que mudou varias ares inclusive a educação, onde a tecnologia veio inovando com novas formas de ministra aula e planos da gestão.

1.2. a sociedade, de forma geral, vivenciou algumas mudanças oriundas da presença das tecnologias da informação e comunicação. Dessa forma, a sociedade do conhecimento, internet, rede de recursos e serviços educativos disponíveis contribuem para desconstruir o pensamento tradicional de escola.

1.3. O uso das tecnologias nas escolas, atualmente, permite um aprendizado duplo. Além de possibilitar o acesso a conceitos de temas pesquisados, necessita do conhecimento das ferramentas que fazem parte do recurso utilizado.

2. A ESCOLA

2.1. FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA

2.1.1. A escola, enquanto instituição construída socialmente para realizar a formação humana nas diferentes temporalidades de vida.

2.1.2. À escola cabe selecionar e identificar, dentre esses elementos, os necessários E indispensáveis a serem desenvolvidos nas práticas educativas. A descoberta das formas adequadas a esse trabalho, a organização dos meios, conteúdos, espaço, tempo e procedimentos são de responsabilidade do currículo escolar que deve estar contido no projeto pedagógico elaborado com base na realidade.

2.1.2.1. O ato educativo deve ser um processo dialógico visando a transformação social, combatendo assim a reprodução de um sistema excludente, baseado na simples reprodução de saberes. Neste sentido, Luckesi (1994, p. 30).

2.2. DIREÇÃO

2.2.1. A gestão escolar precisa ter planejamento forte e bem definido , nesse certo envolve liderança, motivação, comunicação e a capacidade de articulação dos esforços de cada um dos atores envolvidos nesses processos. Dirigir e coordenar implica o exercício da autoridade – e não do autoritarismo – da responsabilidade, do poder de decisão, da disciplina e da iniciativa.

2.2.1.1. “O diretor é, por identidade, um educador que, no papel de diretor, confere dimensão mais ampla ao seu desempenho como educador de educadores e, simultaneamente, que julgo inadequado e até um absurdo que alguém possa ser diretor sem ter sido professor” (GOMES, 2003, p. 40).

3. EQUIPE PEDAGÓGICA

3.1. COORDENADOR PEDAGÓGICO

3.1.1. Auxilia os professores na elaboração e diversificação de suas aulas. Busca alternativas junto aos professores para trabalhar os conteúdos propostos de forma mais efetiva, clara e que possa atingir os alunos, melhorando e facilitando o processo de ensino-aprendizagem.

3.2. PROFESSORES

3.2.1. Agente de educação integral, cujas habilidades, conhecimentos e atitudes em relação ao aluno, são o centro de eficácia do processo educativo.

3.3. ORIENTADOR EDUCACIONAL

3.3.1. Auxiliar o educando quanto a seu auto-conhecimento, a sua vida intelectual e a sua vida emocional.

3.3.2. Procurar trazer a família para cooperar de maneira mais eficiente e positiva na vida do educando.

3.3.3. Realizar trabalho de aproximação da escola com a comunidade.

3.3.4. Trabalhar para estabelecer na escola um ambiente de alegria e confiança.

4. EDUCAÇÃO E PRÁTICA EDUCACIONAL

4.1. No início, a gestão educacional era denominada por outro termo, como administração escolar, com escritos que datam da década de 1930 no Brasil.A partir da década de 1930 a administração educacional se desenvolve sob influências dos ideais progressistas de educação,

4.2. O Diretor Escolar era um educador com conhecimento da política educacional e dos saberes técnico-administrativos. Estava subordinado ao Diretor da Educação e agia de forma a reproduzir a sua visão administrativa educacional. Nesse sentido, o Diretor da Educação atua de forma mais específica voltada à administração, enquanto que o Diretor de Escola se ocupa também dos assuntos pedagógicos.

5. gestão pedagógica

5.1. consiste no trabalho desenvolvido entre o gestor escolar e todos os envolvidos no processo educacional. A organização do trabalho pedagógico no estabelecimento de ensino deve ser pautada nos princípios de uma gestão democrática, na autonomia da escola, com a participação da comunidade escolar, visando um trabalho de gestão pedagógica eficiente.

6. GESTOR ESCOLAR E O DESENVOLVIMENTO DA AÇÃO PEDAGÓGICA

6.1. O trabalho de gestão necessita ser orientado por princípios que priorizem as expectativas de aprendizagem, monitoramento e avaliação, constituindo um desafio ao diretor escolar. Lembrando que tais circunstâncias fazem parte da estrutura organizacional imposta e representada nos índices das avaliações nacionais. O gestor escolar deve contribuir para uma cultura organizacional orientada para o rigor acadêmico e expectativas de aprendizagem no cumprimento do programa curricular escolar.

7. GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO

7.1. A Constituição Federal (BRASIL, 1988) destaca a gestão democrática como princípio norteador do processo de ensino, necessária para questões que necessitem da participação dos profissionais da educação, na elaboração do projeto pedagógico da escola, com a participação da comunidade em geral em conselhos escolares, para se efetivar a gestão democrática na escola. Nesse sentido, a Gestão do Sistema Educacional no enfoque democrático significa um ordenamento normativo, vinculado à participação de todos os envolvidos nos processos de ensino.

7.1.1. a escola continua a seguir os padrões tradicionais, mantendo a cultura dos dominantes sobre os dominados. A realidade não se modifica por leis, decretos, regimentos ou portarias. A mudança ocorre de forma sistemática, integrando as normas e rotinas ao cotidiano escolar. Para tanto, a comunidade como um todo necessita buscar formas por meio de discussões.

7.1.2. A educação, de modo geral, e a escola, de modo específico, possuem três funções básicas: formar o indivíduo, formar o cidadão e formar o profissional.

7.1.2.1. Portanto, na formação da pessoa para o convívio social ou na educação do cidadão, se faz necessário o desenvolvimento de um relacionamento democrático entre os estudantes, professores, funcionários e pais para que exercitem seus direitos e deveres. A escola deve ser uma experiência criativa de conviver socialmente, formadora do cidadão para além do que se ensina na sala de aula, ou seja, no exercício dos direitos e dos deveres no dia a dia.

8. LIDERANÇA NA GESTÃO EDUCACIONAL

8.1. A liderança na Gestão Educacional, para Lück (2011), consiste numa característica importante e fundamental para a gestão escolar. Por meio dessa competência, o gestor consegue orientar, mobilizar e coordenar o trabalho da comunidade escolar no sentido amplo, visando uma melhoria contínua dos processos de ensino e aprendizagem. A gestão escolar consiste no processo que necessita ser compartilhado, como uma competência com base na liderança, “constituindo-se em um dos fatores de maior impacto sobre a qualidade dos processos educacionais [...] não é possível haver gestão sem liderança” (LÜCK, 2011, p. 25).

8.1.1. Para o gestor conseguir organizar os profissionais da escola como uma equipe, há necessidade da adesão de todos, de forma consciente, na disposição de construir uma equipe, de tomar medidas de forma coletiva, de colocar em prática as decisões, bem como no cumprimento das partes atribuídas a cada profissional. O trabalho realizado de forma coletiva conquista aspectos de práticas escolares, como: na adequada estrutura organizacional, procedimentos de gestão definidos e eficientes, práticas participativas, projeto pedagógico, avaliação da escola e da aprendizagem e de formação continuada (LIBÂNEO, 2008).