BRANQUEAMENTO E BRANQUITUDE NO BRASIL

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
BRANQUEAMENTO E BRANQUITUDE NO BRASIL por Mind Map: BRANQUEAMENTO E BRANQUITUDE NO BRASIL

1. O QUE (QUASE) NINGUÉM FALA

1.1. - Há algo semelhante ao modo como explicam as desigualdades raciais: o foco da discussão é o negro e há um silêncio sobre o branco, pois só o negro é estudado, dissecado e problematizado.

1.2. - Os brancos reconhecem as desigualdades raciais, só que não associam essas desigualdades raciais à discriminação e isto é um dos primeiros sintomas da branquitude.

1.3. - Evitar focalizar o branco é evitar discutir as diferentes dimensões do privilégio.

1.4. - Mesmo em situação de pobreza, o branco tem o privilégio simbólico da brancura.

2. DISCRIMINAÇÃO RACIAL E DEFESA DE INTERESSES

2.1. - A noção de privilégio é essencial. A discriminação racial tem como motor a manutenção e a conquista de privilégios de um grupo sobre outro, independentemente do fato de ser intencional ou apoiada em preconceito.

2.2. - Há distinção entre discriminação provocada por preconceito e discriminação provocada por interesse.

2.3. Denise Jodelet (1989) destaca: O que é que faz com que pessoas que cultuam valores democráticos e igualitários aceitem a injustiça que incide sobre aqueles que não são seus pares ou não são como eles? A resposta que se chega é: Pertencimento social, haja vista que assim protegemos o "nosso grupo" e excluímos aqueles que não pertencem a ele.

2.3.1. Dessa forma, exclusão passa a ser entendida como descompromisso político com o sofrimento de outro. a ausência de compromisso moral e o distanciamento psicológico em relação aos excluídos.

2.3.1.1. A exclusão moral pode assumir formas severas, como o genocídio; ou mais brandas, como a discriminação.

2.4. Em geral, expressamos sentimentos de obrigações morais na família, com amigos, mas nem sempre com estranhos e, menos ainda, com inimigos e membros de grupos negativamente estereotipados. Pelos processos psicossociais de exclusão moral, os que estão fora do nosso universo moral são julgados com mais dureza e suas falhas justificam o utilitarismo, a exploração, o descaso, a desumanidade com que são tratados.

2.4.1. Quando precisam mostrar uma família, um jovem ou uma criança, todos os meios de comunicação social brasileiros usam quase que exclusivamente o modelo branco.

2.4.2. Assim, a aversão e a antipatia surgem.

3. DO MEDO DO OUTRO

3.1. Célia Marinho de Azevedo em sua obra Onda negra, medo branco (1987), evidencia como o ideal do branqueamento nasce do medo, constituindo-se na forma encontrada pela elite branca brasileira do final do século passado para resolver o problema de um país ameaçador, majoritariamente não-branco.

3.2. As explosões periódicas de medo acompanham a história europeia do final do século XIII ao começo da era industrial. Uma coletividade, em geral incitada pela sua elite, posiciona-se como vítima e justifica antecipadamente os atos de injustiça que não deixará de executar.

3.2.1. Imputando aos acusados toda espécie de crimes e de vícios, ela se purifica de suas próprias intenções turvas e transfere para outrem o que não quer reconhecer em si própria.

3.3. O medo e a projeção podem estar na gênese de processos de estigmatização de grupos que visam legitimar a perpetuação das desigualdades, a elaboração de políticas institucionais de exclusão e até de genocídio.

3.3.1. Adorno e Horkheimer (1985) destacam que os mais poderosos impérios sempre consideraram o vizinho mais fraco como uma ameaça insuportável, antes de cair sobre eles. Afirmam que o desejo obstinado de matar engendra a vítima; dessa forma ela se torna o perseguidor que força a legítima defesa.

3.4. Lilia Moritz Schwarcz (1993) afirma que nossos cientistas sociais históricos tinham um problema: como contar a história de um país majoritariamente negro e mestiço, nascido e prosperado sob a égide da escravidão negra já que não se mantinha próximo aos moldes europeus de civilização?

3.4.1. Schwarcz evidencia que, por meio de diferentes maneiras, o país era descrito como uma nação composta por raças miscigenadas, porém em transição. Essas raças passariam por um processo acelerado de cruzamento e seriam depuradas mediante uma seleção natural (ou talvez milagrosa), levando a supor que o Brasil seria algum dia branco. Ou seja, os negros seriam assimilados pelos brancos.

4. PROJETAR E ASSIMILAR

4.1. A ideia de assimilação, planejada e levada a efeito pela nossa elite branca do final do século XIX, parece associar-se à dimensão coletiva daquilo que Freud chamou de o amor canibal, que pressupõe incorporar ou devorar o outro. . Pode-se pensar também no ódio narcísico. O ódio narcísico, em relação as minorias, é explicado por Adorno e Horkheimer (1985) pela paranóia, também pautada nas defesas primitivas em que se expulsa tudo o que possa representar uma ameaça à autopreservação egóica.

4.1.1. Chamam de "falsa projeção" o mecanismo por meio do qual o sujeito procura livrar-se dos impulsos que ele não admite como seus, depositando-os no outro. Aquilo, portanto, que lhe é familiar passa a ser visto como algo hostil e é projetado para fora de si, ou seja, na "vítima em potencial".

4.2. Frequentemente quem está no poder e tem medo de perder seus privilégios projeta seu medo e se transforma em caçador de cabeças. No Brasil há estudos que revelam que, na comunicação visual, o negro aparece estigmatizado, depreciado, desumanizado, adjetivado pejorativamente, ligado a figuras demoníacas.

4.3. Para Fanon, o negro representa o perigo biológico. O judeu, o perigo intelectual. Ele afirma que nas representações ligadas à sexualidade, o negro é senhor. É o especialista da questão: quem diz estupro diz negro.

5. NARCISMO E BRANCURA

5.1. O objeto do nosso amor narcísico é "nosso semelhante", depositário do nosso lado bom. A escolha de objeto narcísica se faz a partir do modelo de si mesmo, ou melhor, de seu ego: ama-se o que se é, ou o que se foi, ou o que se gostaria de ser, ou mesmo a pessoa que foi parte de si. Por outro lado, o alvo de nosso ódio narcísico é o outro, o "diferente", depositário do que consideramos nosso lado ruim.

5.2. Edith Piza (1998) é uma das raras estudiosas brancas brasileiras que se dedicou ao estudo dos brancos, ela destaca alguns pontos sobre a branquitude: - Algo consciente apenas para as pessoas negras; - Há um silêncio em torno da raça, não é um assunto a ser tratado; - A raça é vista não apenas como diferença, mas como hierarquia; - As fronteiras entre negros e brancos são sempre elaboradas e contraditórias;- Há, em qualquer classe, um contexto de ideologia e de prática da supremacia branca; - A integração entre negros e brancos é narrada sempre como parcial, apesar da experiência de convívio; - A discriminação não é notada e os brancos se sentem desconfortáveis quando têm de abordar assuntos raciais; - A capacidade de apreender e aprender com o outro, como um igual/diferente, fica embotada; - Se o negro, nas relações cotidianas, aparece como igual, a interpretação é de exibicionismo, de querer se mostrar.

5.3. Tatum (1992), psicóloga norte-americana, afirma que os brancos negam inicialmente qualquer preconceito pessoal, tendendo a posteriormente reconhecer o impacto do racismo sobre a vida dos negros, mas evitando reconhecer o impacto sobre as suas próprias vidas.

6. PACTOS NARCÍSICOS

6.1. A psicanálise revela-nos que todo ser humano tem, na atividade inconsciente de sua mente, um aparelho que permite interpretar as reações dos outros seres humanos, corrigindo as deformações que o outro submeteu, e compreendendo os costumes, as cerimônias e os preceitos, enfim, a herança de sentimentos das gerações anteriores, que no caso em tela, são altamente preconceituosas, ainda que inconscientes.

6.2. Podemos ainda problematizar a noção de privilégio com a qual as pessoas raramente querem se defrontar, transformando-a rapidamente num discurso de mérito e competência que justifica uma situação privilegiada, concreta ou simbólica. Quando se deparam com informações sobre desigualdades raciais tendem a culpar o negro e, ato contínuo, revelar como merecem o lugar social que ocupam.

7. CONCLUSÕES

7.1. Qualquer grupo precisa de referenciais positivos sobre si próprio para manter a sua autoestima, o seu autoconceito, valorizando suas características e, dessa forma, fortalecendo o grupo. Então, os brancos silenciam-se em torno do papel que ocuparam e ocupam na situação de desigualdades raciais no Brasil a fim de proteger seus interesses.

7.2. O legado da escravidão para o branco é um assunto que o país não quer discutir, pois os brancos saíram da escravidão com uma herança simbólica e concreta extremamente positiva. Este silêncio e cegueira permitem não prestar contas, não compensar, não indenizar os negros: no final das contas, são interesses econômicos em jogo.

7.3. Ter a si próprio como modelo e projetar sobre o outro as mazelas que não se é capaz de assumir, são processos que podem ser tidos como absolutamente normais no desenvolvimento das pessoas.

7.3.1. O primeiro está associado ao narcisismo e, o segundo, à projeção.

7.3.2. No contexto das relações raciais eles visam justificar, legitimar a idéia de superioridade de um grupo sobre o outro e, conseqüentemente, as desigualdades, a apropriação indébita de bens concretos e simbólicos, e a manutenção de privilégios.

7.4. Uma boa maneira de se compreender melhor a branquitude e o processo de branqueamento é entender a projeção do branco sobre o negro, nascida do medo, cercada de silêncio, fiel guardião dos privilégios.

7.5. Os benefícios oriundos da discriminação são permanentemente negados ou justificados por explicações estruturais.

7.6. A sociedade não favorece a descontrução dos significados que atribui à identidade racial branca um valor estético, moral e intelectual superior a outras identidades raciais.

7.7. Precisa-se que haja por parte dos sujeitos brancos, consciência de sua racialidade e de que são precursores de mudanças em seus micro-lugares de poder e atuação, uma mudança estrutural nos valores culturais da sociedade como um todo.

7.8. As políticas públicas voltadas para a igualdade racial como as de cotas, o reconhecimento da história, do espaço e a ação do movimento negro, são essenciais para que os brancos consigam se deslocar da posição de norma e de hegemonia cultural.

8. BRANQUEAMENTO E IDENTIDADE NACIONAL

8.1. O problema do branqueamento, abordado nas últimas quatro ou cinco décadas como um problema exclusivo do negro, nasce do medo da elite branca do final do século XIX e inicio do século XX, cujo objetivo é extinguir progressivamente o segmento negro brasileiro.

8.2. De certa maneira, desde o início do período colonial, o cruzamento racial foi a saída encontrada pela elite branca para resolver os diferentes problemas que a afligiam.

8.3. Branqueamento e ascensão social aparecem como sinônimos quando relacionados ao negro. Parece-nos que isso decorre do fato de que essa sociedade de classes se considera, de fato, como um "mundo dos brancos" no qual o negro não deve penetrar.

9. ALUNOS: BÁRBARA BARRETO, MATHEUS HUBBE KUHNEN E PAMELA TAL WANY ALVES PEREIRA.