Código de Ética do Psicopedagogo

Código de Ética do Psicopedagogo

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Código de Ética do Psicopedagogo por Mind Map: Código de Ética do Psicopedagogo

1. Capítulo I

1.1. Artigo 1º A psicopedagogia é um campo de atuação em educação e saúde, que se cupa no processo de aprendizagem.

1.1.1. Parágrafo 1º A intervenção psicopedagógica considera o caráter indissociável de aprendizagem e as dificuldades.

1.1.2. Parágrafo 2º A intervenção psicopedagógica na Educação e Saúde considera o caráter indissociável do institucional e do clínico.

1.2. Artigo 2º A psicopedagogia é de natureza inter e transdisciplinar.

1.3. Artigo 3º A atividade psicopedagógica tem como objetivo: Promover; Compreender; Realizar; Mediar. Relacionados ao processo de aprendizagem.

1.4. Artigo 4° O psicopedagogo deve com autoridade refletir, elaborar, organizar, implantar, e executar projetos de Educação e Saúde no que concerne às questões psicopedagógicas

2. Capítulo II

2.1. Artigo 5° A formação do psicopedagogo se dá em curso de graduação e/ou em curso de pós-graduação - especialização Lato Sensu em Psicopedagogia. Reconhecido, autorizado de acordo com a legislação em vigor

3. Capítulo III

3.1. Artigo 6° Condições de exercício da psicopedagogia, profissionais graduados e/ou pós-graduados em Psicopedagogia - Especialização Lato Sensu, reconhecidos pela ABPp. Submeter-se à supervisão psicopedagógica, processo terapêutico pessoal.

3.1.1. Parágrafo 1° O psicopedagogo para divulgar seus serviços, deve estarde acordo com as normas do Estatut ABPp e o Código de Ética.

3.1.2. Parágrafo 2° Os honorários deverão ser tratados com Cliente/Profissional

3.2. Artigo 7° O psicopedagogo está obrigado a respeitar o sigilo profissional. confidência dos dados, não revelar fotos de seus atendimentos.

3.2.1. Parágrafo 1° Não é quebra de sigilo informações sobre o cliente para especialista e/ou instituição comprometidos com o atendido ao atendimento.

3.2.2. Parágrafo 2° O psicopedagogo não revelará como testemunha fatos do exercício do seu trabalho. Somente perante autoridade judicial.

3.3. Artigo 8° Os resultados de avaliação só serão fornecidos a terceiros mediante concordância do próprio avaliado ou representante legal.

3.4. Artigo 9° Os prontuários psicopedagógicos são documentos sigilosos. O acesso não será franqueado.

3.5. Artigo 10° O psicopedagogo procurará desenvolver e manter boas relações com os profissionais e categorias, trabalhar nos estritos, reconhecer os casos, encaminhar para os profissionais habilitados

4. Capítulo IV

4.1. Artigo 11° São deveres do psicopedagogo: Manter-se atualizados aos conhecimentos científicos e técnicos Desenvolver relação de respeito e atitude crítica; Cooperação com os outros profissionais; Assumir a responsabilidade para os quais sejam preparados; Colaborar com o processo da Psicopedagogia; Responsabilizar-se pela intervenção; Preservar a identidade do cliente; Manter respeito e dignidade nas relações profissionais.

5. Capítulo V

5.1. Artigo 12° São instrumentos da Psicopedagogia aqueles que servem ao seu objeto de estudo, a aprendizagem.

6. Capítulo VI

6.1. Artigo 13° No trabalho científico deve observar: As discordâncias ou críticas devem ser dirigidas à matéria e não ao autor; No trabalho deve ser dada ênfase igual aos autores; Indicada as referenciais bibliográficas

7. Componentes do Trabalho:

7.1. Ana Katarina da Silva Lima

7.2. Maria das Graças Silva Diniz

7.3. Shirley Sônia Passos de Oliveira

8. Capítulo VII

8.1. Artig 14° Deverá fazê-lo com exatidão e honestidade, a divulgação do seu serviço.

9. Capítulo VIII

9.1. Artigo 15° O psicopedagogo ao fixar o horário deverá considerar: As condições socioeconônicas da região; A assistência prestada; O tempo.

10. Capítulo IX

10.1. Artigo 16° Cabe ao psicopedagogo cumprir este Código de Ética

10.1.1. Parágrafo Único Considero infrações éticas: Utilizar títulos que não possua; Pessoas não habilitadas realizarem práticas psicopedagógicas; Desviar o cliente pra si; Receber remuneração por serviços não realizados; Assinar ou pedir que outros assinem procedimentos realizados por terceiros.

10.2. Artigo 17° Cabe ao Conselho Nacional ABPp, zelar, orientar e advertir infrações necessárias.

10.3. Artigo 18° O presente Código de Ética poderá ser alterado, do Conselho Nacional da ABPp, devendo ser aprovado em Assembléia Geral.

11. Capítulo X

11.1. Artigo 19° O Código de Ética tem seu cumprimento recomendado pelo Conselho Nacional e Estadual da ABPp.

12. Diretoria Executiva 2020/2022

12.1. DIRETORA PRESIDENTE: Rebeca Lescher Nogueira de Oliveira DIRETORA VICE-PRESIDENTE: Andréa de Castro Jorge Racy DIRETORA SECRETÁRIA: Wylma Espinheira Teixeira Ferraz DIRETORA SECRETÁRIA ADJUNTA: Paula Roberta Martins Fernandes de Castro Santos DIRETORA FINANCEIRA: Helena Maria Barbosa da Silva DIRETORA FINANCEIRA ADJUNTA: Márcia Alves Verri DIRETORA CULTURAL: Cecília Gereto de Mello Faro DIRETORA CULTURAL ADJUNTA: Ruth Nassiff DIRETORA DE RELAÇÕES PÚBLICAS: Maria Lúcia Moura Caruso DIRETORA ADJUNTA DE RELAÇÕES PÚBLICAS: Daniella de Moura Pereira Robbi

12.2. PROJETO SOCIAL COORDENADORAS DO PROJETO SOCIAL: Maria Cristina Natel e Sandra Lia N. Santilli

12.3. CONSELHO ESTADUAL: Ariane Zanelli de Souza Camila Barbosa Riccardi León Carla Labaki Agostinho Luvizotto Claudia Maria Laureano Moreno Eliana Santos Moura Ernani Pereira Junior Márcia Alves Affonso Regina Irani Spirandeli Federico Sandra Casseri Rindeika Sílvia Amaral de Mello Pinto

12.4. CONSELHO FISCAL: Márcia Maria Machado Monteiro Ymei Uvo de Sá Trench CONSELHO VITALÍCIO: Maria Cristina Natel Mônica Hoehne Mendes Sandra Lia N. Santilli Sônia Colli

12.5. COMISSÃO DE ÉTICA DO CONSELHO NACIONAL ABPp Alana Sineiro de Souza (RJ) Claudia Marques Cunha silva (MG) Maria do Carmo Ribeiro Abreu (GO) Michelle Garcia Pães (PR) Myrtes Teixeira de lima ( MG) Patrícia Celeste Gomes ( ES) Simone Cariberg (PR) Coordenadora da Comissão