Síndrome de Guillain-Barré

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Síndrome de Guillain-Barré por Mind Map: Síndrome de Guillain-Barré

1. análise do caso clínico

1.1. Anamnese

1.2. Fatores de risco

1.3. Sinais e sintomas

1.4. exame

1.5. conduta

1.6. Tratamento

2. epidemiologia

2.1. internações por sindrome de Guillain-Barré no Brasil, entre 2008-2017 - 15.512 casos

2.1.1. 2008-2014 - media de 1344 internações por ano

2.1.2. 2015 - 1953 internações

2.1.3. 2016 - 2216 casos

2.2. picos epidêmicos entre 2015-2017

2.2.1. região sudeste: setembro 2015 a junho 2016 e primeiro trimestre 2017

2.2.2. região sul: endêmico 2015-2017

2.2.3. região centro-oeste: dezembro 2015 a abril 2016

2.2.4. região norte: primeiro semestre 2016

2.2.5. região nordeste: acima dos números endêmicos a partir de abril 2015 (pico em julho)

3. fisiopatologia

4. HIPÓTESES DIAGNOSTICADAS

5. Aspectos Sociais

6. Introdução

7. considerações finais

8. Tratamento

8.1. inicialmente admitidos no hospital para observação rigorosa, normalmente em centros terciários de acordo com as necessidades especiais

8.2. otimização das chances de um desfecho favorável

8.2.1. Vigilância estrita

8.2.2. Antecipação das potenciais complicações

8.3. Não medicamentoso

8.3.1. PLASMAFÉRESE

8.4. Medicamentoso

8.4.1. IMUNOGLOBULINA HUMANA ENDOVENOSO

8.5. correta indicação do tratamento, faz-se necessária a determinação da gravidade clínica proposta por Hughes et al.

8.5.1. leve de 0 a 2

8.5.2. moderadagrave de 3 a 6

8.6. Escore Prognóstico para SGB de Erasmus (EGOS) é um modelo prognóstico que se baseia em dados clínico- epidemiológicos para prever a probabilidade de como um paciente deverá estar

9. Âmbito do SUS