PRECONCEITO LINGÍSTICO - OS OITO MITOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PRECONCEITO LINGÍSTICO - OS OITO MITOS por Mind Map: PRECONCEITO LINGÍSTICO - OS OITO MITOS

1. 1º MITO: O Português do Brasil apresenta uma unidade surpreendente

1.1. A ciência linguística prova que, no mundo, não existe nenhuma língua uniforme e homogênea, mas sim, uma língua viva, heterogênea, com variações em todos os níveis estruturais (fonologia, morfologia, sintaxe, léxico) e em seu uso social. Nosso português brasileiro, apresenta então, grande variabilidade e diversidade, sendo em torno de 200 línguas diferentes faladas no país, fato que se dá pela grande extensão territorial, gerando diferenças regionais, e principalmente pela desigualdade social, que gera um abismo linguístico entre as diversas classes sociais existentes em nosso país.

1.1.1. Como consequência, a educação no Brasil sofre com a imposição de uma norma linguística, como se tal fosse padrão entre os falantes do país, prejudicando diretamente os alunos que não compreendem o que vem sendo ensinado nas escolas. Outro exemplo são as camadas menos favorecidas, que não tem acesso à “língua” utilizada em órgãos públicos, deixando assim de usufruir de vários serviços que são de seu direito, simplesmente pelo fato de não compreenderam a linguagem utilizada.

2. 2º MITO: Brasileiro não sabe português / Só em Portugal se fala bem português

2.1. Quando dizemos que no Brasil se fala português, usamos esse nome simplesmente por comodidade e por uma razão histórica, justamente a de termos sido uma colônia de Portugal. Do ponto de vista linguístico, porém, a língua falada no Brasil já tem uma gramática isto é, tem regras de funcionamento — que cada vez mais se diferencia da gramática da língua falada em Portugal.

2.2. No que diz respeito ao ensino do português no Brasil, o grande problema é que esse ensino até hoje, depois de mais de cento e setenta anos de independência política, continua com os olhos voltados para a norma linguística de Portugal. As regras gramaticais consideradas "certas" são aquelas usadas por lá, que servem para a língua falada lá, que retratam bem o funcionamento da língua que os portugueses falam.

3. 3ºMITO: Português é muito difícil

3.1. O Português só se torna “difícil” por aprendermos algo que não tem significado algum para nosso uso. Todo falante nativo de uma língua, sabe como empregá-la com habilidade em seu cotidiano. Um exemplo claro disso é uma criança de 5-6 anos, que já sabe se comunicar com eficiência, sem ao menos ter frequentado um banco de escola. Isso se dá por estarmos rodeados pela língua! Então não existe língua difícil, todas as línguas são passíveis de aprendizado se o falante estiver contextualizado com ela.

4. 4º MITO: As pessoas sem instrução falam tudo errado

4.1. Existem alguns fenômenos linguísticos a serem considerados na fala, como por exemplo, a transformação do L em R nos encontros consonantais como “praca”, “pranta”. Observe as palavras: “prata”, “praga”. A etimologia delas é “plata”, “plaga”. Conclui-se então, que a própria origem das palavras explica esses fenômenos que muitas vezes são ridicularizados.

5. 5º MITO: O lugar onde melhor se fala português no Brasil é o Maranhão

5.1. O que acontece no Maranhão é a utilização do pronome tu, seguido do verbo –s (tu vais, tu queres), mas isso não dá sustentação suficiente a esse mito devido a outras variações que acontece no Maranhão. Mas o que acontece com o português do Maranhão, é basicamente que não há uma variedade nacional que seja mais pura do que a outra, e sim, uma variedade que atende às necessidades dos falantes de sua determinada região.

6. 6º MITO:O certo é falar assim porque se escreve assim

6.1. Devido à variação que acontece em toda comunidade linguística, toda língua não é falada do mesmo jeito em todos os lugares, e nem do mesmo jeito o tempo todo. Existem os sotaques da cada região que permitem que a mesma palavra falada em todo o Brasil possa ser pronunciada de forma diferente devido a esse fenômeno. É importante ensinar aos alunos a escrita de acordo com a ortografia oficial, a fim de que haja padronização na escrita para que todos que leiam possam compreender. Infelizmente é comum no ensino de uma língua ler como se escreve, porém acaba não condizendo com a realidade.

7. 7º MITO: É preciso saber gramática para falar e escrever bem

7.1. O que leva a uma boa prática escrita são a leitura e escrita por parte do aluno, a fim de formar um ser letrado para a sociedade contemporânea. Há registros históricos de literatura muito antes de serem criadas as gramáticas normativas. A língua sofre mudanças a todo tempo, é como um rio corrente; já a gramática é como um lago, parado, sem correnteza. Ou seja, a gramática está submissa à língua que é cheia de fenômenos e vive se renovando, enquanto a gramática não sofre tais alterações.

8. 8º MITO:O domínio da norma-padrão é um instrumento de ascensão social

8.1. Se realmente a norma-padrão fosse responsável pela ascensão social, ocupantes do topo da pirâmide social, econômica e política, seriam os professores de português. É preciso garantir, sim, a todos os brasileiros o reconhecimento da variação linguística, porque o mero domínio da norma culta não é uma fórmula mágica que, de um momento para outro, vai resolver todos os problemas de um indivíduo carente. É preciso favorecer esse reconhecimento, mas também garantir o acesso à educação em seu sentido mais amplo.