Mapa Mental III

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Mapa Mental III por Mind Map: Mapa Mental III

1. b) As três formas de como obter imagens do filme documentário

1.1. 1 Encontre um assunto cativante e acessível. Os documentários normalmente abordam temas da vida real através de entrevistas, documentos, filmagens e narrações, contando a história de uma pessoa, um lugar ou um evento. Você tem alguma história que precisa ser contada? Trombou com uma pessoa interessante e quer contar a história dela? Como os documentários se baseiam em fatos, é preciso escolher um tema do qual possa obter informações e entrevistas com facilidade. Por conta disso, se é um cineasta com recursos limitados

1.2. 2 Faça o máximo de pesquisas que conseguir. Você deve se tornar um especialista no assunto do documentário antes mesmo de pegar em uma câmera. Faça entrevistas prévias para praticar e envie e-mails pedindo conselhos para professores, porta-vozes ou amigos com conhecimento do assunto. Visite uma biblioteca e leia o máximo que puder sobre o tema do documentário. Assim, você poderá fazer perguntas boas e bem informadas quando chegar a hora das entrevistas reais e filmadas.

1.3. 3 Escolha um ponto de vista. É muito importante decidir qual a abordagem desejada para o filme. Quem você quer entrevistar? No que quer focar? É impossível falar sobre todas as coisas de um tema em algumas horas, o que torna o foco ainda mais importante. Saber qual ponto de vista a abordar o ajudará a desenvolver perguntas, escrever um roteiro e definir os gastos do orçamento.

2. a) As três formas apresentar as personagens no documentário

2.1. 1. Em situação de conflito – Trata-se do modelo clássico da “Jornada do Herói”, típico dos filmes de ficção, mas que também pode ser encontrado nos documentários. Para cumprir uma missão ou satisfazer um desejo, o protagonista enfrenta inúmeros obstáculos. Na sequência, apresenta-se a resolução da história. A receita busca o efeito de empatia entre personagem e espectador, o que ocorre quando este passa a se identificar com o protagonista/herói e a sentir suas dores e infortúnios

2.2. 2. Em situação de entrevista – A personagem se revela não em situação de ação, mas na interação com o entrevistador, oportunidade em que narra ações ou faz comentários. O relato de ações ou os comentários podem trazer embutido a referência a outras personagens, chegando mesmo a minimizar o papel do entrevistado

2.3. 3. Encenando – Em geral, a personagem encena para a câmera suas atividades cotidianas. Essa estratégia serve para criar maior variedade de imagens para o filme, quebrando o monopólio do enquadramento padrão da entrevista. Tal recurso possibilita cobrir momentos diversos da vida das personagens, pois a possibilidade de estar colado à personagem o tempo inteiro, deslocando-se com ele a todos os cantos, muitas vezes esbarra em limites éticos, de preservação de privacidade.

3. c) As cinco possibilidades de tratamento sonoro no documentário;

3.1. 1. Som direto – Obtido de forma sincrônica às imagens no momento da filmagem. São os sons que se originam de entrevistas, depoimentos, dramatizações, e os obtidos em tomadas, em locação.

3.2. 2. Som de arquivo – Oriundo de fontes diversas, como filmes, programas de rádio e televisão, discursos, entrevistas etc. Tanto quanto as imagens, esses sons demandam uma autorização de uso junto ao detentor de direitos.

3.3. 3. Voz over – Voz que não nasce da situação de filmagem, não está ligada à imagem que acompanha, mas é sobreposta à imagem durante a montagem do filme.

3.4. 4. Efeitos sonoros – Sons inventados na fase de edição que ajudam a criar ambientação para as imagens.

3.5. 5. Trilha musical – Pode ser composta exclusivamente para o documentário – trilha musical original – ou obtida em material de arquivo – trilha musical compilada. No segundo caso, o uso só é permitido mediante autorização.