PROBLEMA 4 - GERIATRIA

MAPA PROBELMA 4 GERIATRIA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PROBLEMA 4 - GERIATRIA por Mind Map: PROBLEMA 4 - GERIATRIA

1. 3D'S DA GERIATRIA

1.1. DEPRESSÃO

1.1.1. É um transtorno mental caracterizado por tristeza profunda persistente e aversão a atividades. Pode afetar os pensamentos, comportamentos, sentimentos e o bem-estar de uma pessoa.

1.2. DELÍRIUM

1.2.1. É uma perturbação súbita, flutuante e geralmente reversível da função mental. Caracterizado pela incapacidade de prestar atenção, desorientação, incapacidade de pensar com clareza e flutuações do nível de alerta(consciência)

1.3. DEMÊNCIA

1.3.1. É uma diminuição, lenta e progressiva da função mental, que afeta memória, pensamento, juízo e capacidade de aprender.

1.3.2. Tipos: Alzheimer; Vascular; de Lewys; Fronto-temporal

2. Instituições de Longa Permanência - ILPS

2.1. Local governamental ou não governamental destinado ao domicílio coletivo de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos

2.2. Função de integrar a rede de assistência social à rede de assistência à saúde

2.3. O idoso tem: moradia, alimentação e vestuário, serviços médicos e medicamentosos, equipe multiprofissional

2.4. Para aqueles idosos que estão em situação de ausência de renda ou de família quanto aqueles com dificuldades para gerencias suas atividades diárias, e na execução de cuidados prolongados.

2.5. Regulamentado pela RDC nº 283, de 26/09/2005 - Regulamento técnico par ao funcionamento das ILPS para idosos

2.6. Estabelece

2.6.1. Estrutura física

2.6.2. Dimensionamento de profissionais

2.6.3. Boas práticas para alimentação

2.6.4. Acondicionamento de resíduos

2.6.5. Monitoramento e Avaliação

2.6.6. Normas de Registro da ILPS

3. CUIDADOS PALIATIVOS AO IDOSO

3.1. Assistência promovida por uma equipe multiprofissional, que objetiva a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares, diante de uma doença que ameace a vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, por meio de identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais.

3.2. Quem precisa?

3.2.1. Todas as pessoas que possuem uma doença que ameaça a vida e que piora com o tempo, também conhecida como doença terminal.

3.2.2. Câncer; Alzheimer; Parkinson; ELA; Artrite grave; Doenças que levam falência dos órgãos (Cardiopatias, doença renal crônica, etc); TCE, Coma Irreversível, Doenças genéticas ou congênitas incuráveis.

3.3. PROTOCOLO SPIKES

3.3.1. Protocolo para habilitar o médico a dar má notícias

3.3.1.1. S - Preparando-se para o encontro

3.3.1.2. P - Percebendo o paciente

3.3.1.3. I - Convidando para o diálogo

3.3.1.4. K - Transmitindo as informações

3.3.1.5. E - Expressando emoções

3.3.1.6. S - Resumindo e organizando estratégias

4. INSUFICIÊNCIA FAMILIAR

4.1. Gera, muitas vezes, internação dos idosos em ILPS

4.2. Curatela

4.2.1. Exercício da administração dos bens, direitos e interesses do curatelado pelo curador.

5. POLIFARMÁCIA

5.1. O idoso apresenta modificações na resposta a vários medicamentos em consequência de alterações na farmacocinética e farmacodinâmica, e por isso, muitas vezes é necessário adaptar as doses dos fármacos prescritos e adequar as formas de uso.

5.2. Farmacocinética: problemas na absorção, Distribuição, Metabolismo e/ou Excreção

5.3. Farmacodinâmica: Alterações no mecanismo homeostásico; Modificação em receptores e sítios de ação.

5.4. Cascata Iatrogênica: Situação em que um efeito adverso de um medicamento é reconhecido, de forma equivoca.

5.5. Reação adversa a medicamentos: De acordo com a OMS, é qualquer efeito prejudicial ou indesejado que se manifeste após a administração do medicamento, em doses normalmente utilizadas.

5.6. Implicações Clínicas:

5.6.1. 1. Existe indicação para esse medicamento?

5.6.2. 2. O medicamento é efetivo para essa condição?

5.6.3. 3. A dose está correta

5.6.4. 4. A forma de tomada é correta?

5.6.5. 5. A forma de tomada é prática?

5.6.6. 6. Existem interações medicamentosas clinicamente significantes?

5.6.7. 7. Existem interações entre medicamentos e condições clínicas?

5.6.8. 8. Existem duplicações desnecessárias com outras drogas?

5.6.9. 9. A duração da terapia é aceitável?

5.6.10. 10. Existe algum outro medicamento de menor custo, porém igual utilidade/eficácia?

6. DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS

6.1. DPOC

6.2. ENFISEMA PULMONAR

6.2.1. É uma DPOC não contagiosa causada pela grande exposição a agentes poluentes e/ou químicos que acabam danificando os alvéolos pulmonares. 80% dos casos é causado pelo tabagismo.

6.2.2. Os sacos alveolares são afetados, ocasionando dificuldade na hora de realizar a troca gasosa. Com a destruição dessa área, a troca de O2 pelo CO2 não acontece de maneira efetiva, reduzindo a quantidade de O2 que circula no sangue e ocasionando falta de ar.

6.2.3. Sinais e sintomas: Tosse constante; falta de ar; hipoventilação; produção de muco; inapetência; fadiga; perda de peso; hipertensão arterial e alteração do sono.

6.2.4. Diagnóstico: Raio X; Gasometria Arterial; Epirometria.

6.3. PNEUMONIA

6.3.1. Pode ser causada por vírus, fungos e/ou bactéria

6.3.2. Em idosos, ocorre por associação entre exposição ao patógeno e diminuição das defesas do organismo

6.3.3. Existe diminuição do transporte mucociliar, associado a diminuição do reflexo da tosse, acúmulo constante de secreção, beneficiando a instalação do patógeno.

6.3.4. Raio X de tórax, Hemocultura, Bacterioscopia e cultura de escarro, lavado broncoalveolar ou aspirado traqueal, PCR - auxiliam no diagnóstico

6.4. ASMA

6.4.1. Inflamação difusa das vias respiratórias , desencadeada por broncoconstrição parcial

6.4.2. Fisiopatologia: broncoconstrição; Edema e inflamação das ias respiratórias; hiper-reatividade das vias respiratórias

6.4.3. Dispnéia;aperto no tórax; ausculta de sibilos e tosse. Os sintomas podem piorar durante o sono;Tórax em barril; pulso paradoxal; taquipneia, taquicardia, esforços visíveis ao respirar

6.4.4. Diagnóstico: Avaliação clínica e teste de função pulmonar

6.5. NEOPLASIA DE PULMÃO

6.5.1. Tabagismo é a causa mais importante do CA de pulmão. O risco difere de acordo com a idade, intensidade e duração

6.5.2. Outros fatores de risco incluem poluição do ar, exposição ao tabagismo passivo, agentes cancerígenos (amianto, radiação, arsênio, cromatos, níquel, etc)

6.5.3. CA de células pequenas (CPCP): 15% dos casos - altamente invasivo. Cresce rapidamente e 60% doas pacientes tem doença metastática

6.5.4. CA de células não pequenas (CPCNP): comportamento clínico mais variável, dependendo do tipo histológico.

6.5.5. Sinais e sintomas: tosse, atelectasia pós obstrutiva, febre, dor torácica, hemoptise, dispnéia, etc

6.5.6. Diagnóstico: Raio X; TC ou PET-TC combinada; Exame citopatológico do líquido pleural ou do escarro; Biópsia guiada por broncoscopia e biópsia de núcleo; Biópsia de pulmão aberto