Microbiologia

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Microbiologia por Mind Map: Microbiologia

1. é uma ciência que deriva da biologia. Ela vem se desenvolvendo nos últimos tempos, devido à contribuição dos profissionais da área e demais estudiosos que se dedicam a conhecer um mundo invisível, aparentemente, como afirmam Silva; Souza (2013).

2. A microbiologia tem como fim estudar os aspectos relativos ao mundo microbiano, constituído por bactérias, fungos, protozoários, vírus e algas microscópicas.

2.1. A ciência da Microbiologia iniciou há algumas centenas de anos. A recente descoberta de DNA de Mycobacterium tuberculosis em múmias egípcias de 3.000 anos de idade chama a atenção para a presença desses microrganismos por muito mais tempo ao nosso redor.

2.1.1. Na verdade, os ancestrais das bactérias foram os primeiros seres vivos a aparecer na Terra. Enquanto se sabe relativamente muito pouco a respeito do que os povos mais primitivos pensavam sobre as causas, a transmissão e o tratamento das doenças, a história das poucas centenas de anos passados é mais bem conhecida.

3. De acordo com estudos de Lins (2010), esta área do conhecimento teve seu início com os relatos de Robert Hooke e Antony van Leeuwenhoek, que desenvolveram microscópios que possibilitaram as primeiras observações de bactérias e outros microrganismos, além de diversos espécimes biológicos.

3.1. Apesar de van Leeuwenhoek ser considerado o "pai" da microbiologia, os relatos de Hooke, descrevendo a estrutura de um bolor, foram publicados anteriormente aos de Leeuwenhoek. Na verdade, estes dois pesquisadores devem ser considerados como pioneiros nesta ciência.

3.2. O século XIX e o início do século XX foram conhecidos como a era de ouro da microbiologia. Além de Pasteur e Koch, muitos outros cientistas contribuíram para a compreensão do universo dos micro-organismos e as consequentes aplicações na pesquisa, indústria e nos avanços na medicina.

4. Outro nome importante foi o do microbiologista escocês Alexander Fleming (1881-1955), que pela sua quase acidental descoberta abriu novas fronteiras para a produção de drogas que combatessem os micro-organismos. A contaminação por bolor (como eram mais conhecidos os fungos) em algumas placas, nas quais ele cultivava bactérias, chamou sua atenção, posto que nelas, ao redor do fungo, as colônias de bactérias não cresciam.

4.1. Este estranho fenômeno levou-o a descobrir que o fungo ali instalado, o Penicillium notatum, liberava uma substância que inibia o crescimento dos outros micro-organismos. Surgia, então, a penicilina.

4.2. pois a produção da penicilina tornou-se rapidamente viável a partir de um organismo simples, como um tipo de bolor. Muitas doenças de origem bacteriana puderam ser combatidas eficientemente com a nova substância

4.3. Os avanços ocorridos nos anos posteriores, nas mais diversas áreas da ciência, encontraram nos micro-organismos um grande aliado para a fabricação de medicamentos, melhoria na produção da indústria alimentícia, mediante técnicas utilizando transgênicos, além de fornecer importantes informações sobre o funcionamento de organismos mais complexos.

5. A microbiologia abrange várias áreas de estudo, tais como:

5.1. Odontologia: estudo de microrganismos associados à placa dental, cárie dental e doenças periodontais. Estudos com abordagem preventiva;

5.2. Medicina e enfermagem: doenças infecciosas e infecções hospitalares;

5.3. Nutrição: doenças transmitidas por alimentos, controle de qualidade de alimentos, produção de alimentos (queijos, bebidas);

5.4. Biologia: aspectos básicos e biotecnológicos. Produção de antibióticos, hormônios (insulina, GH), enzimas (lipases, celulases), insumos (ácidos, álcool), despoluição (herbicidas - Pseudomonas, Petróleo), bio-filme (Acinetobacter), etc.;

5.5. Biotecnologia: uso de microrganismos com finalidades industriais, como agentes de biodegradação, de limpeza ambiental, etc.

6. A seguir alguns exemplos dos efeitos das doenças microbianas no desenvolvimento de diferentes civilizações:

6.1. O declínio do Império Romano, com Justiniano (565 AC), acelerado por epidemias de peste bubônica e varíola;

6.1.1. Durante a Idade Média várias novas epidemias se sucederam, sendo algumas amplamente disseminadas pelos diferentes continentes e outras mais localizadas, tais como: Tifo, varíola, sífilis, cólera e peste;

6.1.1.1. Nos séculos XVI e XVII ocorreram novas epidemias de peste. Em 1566, Maximiliano II da Alemanha reuniu um exército de 80.000 homens para enfrentar o Sultão Soliman da Hungria. Devido a uma epidemia de tifo, o exército alemão foi profundamente dizimado, sendo necessária a dispersão dos sobrevivente.