Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Hiperdia por Mind Map: Hiperdia

1. Diabetes

1.1. Exame físico • Altura, peso, circunferência abdominal e IMC. • Pressão arterial com a pessoa sentada e deitada. • Alterações de visão. • Exame da cavidade oral, com atenção para a presença de gengivite, problemas odontológicos e candidíase. • Frequência cardíaca e respiratória e ausculta cardiopulmonar. • Avaliação da pele quanto a sua integridade, turgor, coloração e manchas. • Membros inferiores: unhas, dor, edema, pulsos pediosos e lesões; articulações (capacidade de flexão, extensão, limitações de mobilidade, edemas); pés (bolhas, sensibilidade, ferimentos, calosidades e corte das unhas).

1.2. Orientações: •Quanto ao diagnóstico •Quanto aos exames •Quanto ao tratamento não farmacológico •Quanto ao uso de medicamentos orais e insulina •Sanar todas as dúvidas do paciente , objetivando uma maior aderência ao plano de cuidado , além de distanciar medos que atrapalham o tratamento.

1.3. Exames Laboratoriais: •Glicemia de jejum e HbA1C. • Colesterol total (CT), HDL e triglicerídeos (TG). • Creatinina sérica. • Exame de urina tipo 1 e, se necessário, microalbuminúrica ou relação albumina/creatinina. • Fundoscopia.

1.4. Fatores de Riscos: Excesso de peso (IMC >25 kg/m2) e um dos seguintes fatores de risco: • História de pai ou mãe com diabetes; • Hipertensão arterial (>140/90 mmHg ou uso de anti-hipertensivos em adultos); • História de diabetes gestacional ou de recém-nascido com mais de 4 kg; • Dislipidemia: hipertrigliceridemia (>250 mg/dL) ou HDL-C baixo (<35 mg/dL); • Exame prévio de HbA1c ≥5,7%, tolerância diminuída à glicose ou glicemia de jejum alterada; • Obesidade severa, acanthosis nigricans; • Síndrome de ovários policísticos; • História de doença cardiovascular; • Inatividade física; OU Idade ≥ 45 anos; OU Risco cardiovascular moderado

1.5. Complicações: Agudas: • Descompensação hiperglicêmica aguda (Cetoacidose e síndrome hiperosmolar hiperglicêmica não cetótica) • Hipoglicemia Crônicas: • Doença macrovascular • Doença microvascular (retinopatia diabética e outras alterações oculares) • Nefropatia diabética Neuropatia diabética (neuropatias sensitivo-motoras , focais e autonômicas)

1.6. Diagnóstico: Baseia-se na detecção da hiperglicemia, existem quatro tipos de exames que podem ser utilizados no diagnóstico do DM: • glicemia casual • glicemia de jejum • teste de tolerância à glicose com •sobrecarga de 75 g em duas horas (TTG) • hemoglobina glicada (HbA1c).

1.7. Tratamento: Não medicamentoso: • Manter uma alimentação adequada • Atividade física regular • Evitar o fumo e o excesso de álcool • Estabelecer metas de controle de peso Obs.:O tratamento do DM tipo 1, além da terapia não farmacológica, exige sempre a administração de insulina. Medicamentoso (disponíveis pelo SUS): • Orais: Metformina, Glibenclamida e Gliclazida • Injetáveis : Insulina (NPH e Regular)

2. Hipertensão

2.1. Exame Físico: • Altura, peso, circunferência abdominal e IMC. • Pressão arterial com a pessoa sentada e deitada. • Frequência cardíaca e respiratória. • Pulso radial e carotídeo. • Alterações de visão. • Pele (integridade, turgor, coloração e manchas). • Cavidade oral (dentes, prótese, queixas, dores, desconfortos, data do último exame odontológico). • Tórax (ausculta cardiopulmonar) e abdômen. • Membros superiores e inferiores: unhas, dor, edema, pulsos pediosos e lesões; articulações (capacidade de flexão, extensão, limitações de mobilidade, edemas); pés (bolhas, sensibilidade, ferimentos, calosidades e corte das unhas).

2.2. Orientações: •Quanto ao diagnóstico •Quanto aos exames •Quanto ao tratamento não farmacológico •Quanto ao uso de medicamentos •Sanar todas as dúvidas do paciente , objetivando uma maior aderência ao plano de cuidado , além de distanciar medos que atrapalham o tratamento.

2.3. Exames Laboratoriais: •Eletrocardiograma; • Dosagem de glicose; • Dosagem de colesterol total; • Dosagem de colesterol HDL; • Dosagem de triglicerídeos; • Cálculo do LDL = Colesterol total - HDL- colesterol - (Triglicerídeos/5); • Dosagem de creatinina; • Análise de caracteres físicos, elementos e sedimentos na urina (Urina tipo 1); • Dosagem de potássio; • Fundoscopia.

2.4. Fatores de Riscos: Segundo as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial - 2020 , são: • Idade • Sexo/ gênero • Etnia • Fatores socioeconômicos • Ingestão de sal • Excesso de peso e obesidade • Ingestão de álcool • Genética • Sedentarismo

2.5. Complicações: •Doença cerebrovascular •Doença arterial coronariana •Insuficiência cardíaca •Doença renal crônica •Doença arterial periférica

2.6. Diagnóstico: Consiste na média aritmética da PA maior ou igual a 140/90 mmHg, verificada em pelo menos três dias diferentes com intervalo mínimo de uma semana entre as medidas. Obs.: Evitar verificar a PA em situações de estresse físico (dor) e emocional (luto, ansiedade), pois um valor elevado, muitas vezes, é consequência dessas condições.

2.7. Tratamento: Não medicamentoso •Redução no uso de bebidas alcoólicas •A substituição de anticoncepcionais hormonais orais por outros métodos contraceptivos •Abandono do tabagismo •Alimentação saudável •Prática de atividade física, •Controle do peso Medicamentoso ( disponíveis no SUS): •Hidroclorotiazida •Furosemida •Espironolactona •Atenolol •Metoprolol •Carvedilol •Propranolol •Metildopa •Anlodipino •Nifedipino •Verapamil •Hidralazina •Captopril •Enalapril •Losartana