Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
BLOCO 5 por Mind Map: BLOCO 5

1. Articulações

1.1. Fibrosa

1.1.1. Suturas (presente no crânio)

1.1.1.1. Sinartrose

1.1.1.2. Suturas planas, escamosas e serreadas

1.1.2. Sindesmoses (fora do crânio)

1.1.2.1. Anfiartrose

1.1.2.2. Rádio-ulnar, Tibio-fibular

1.2. Cartilaginosa

1.2.1. Sínfise (cartilagem fibrosa)

1.2.1.1. Anfiartrose

1.2.1.2. Sínfise pubiana, sínfise entre os corpos vertebrais

1.2.2. Sincondrose (cartilagem hialina)

1.2.2.1. Sinartrose

1.2.2.2. Esfeno-occipital

1.3. Sinovial

1.3.1. Diartrose

1.3.1.1. Cápsula Articular

1.3.1.1.1. Membrana Fibrosa

1.3.1.1.2. Membrana Sinovial

1.3.1.2. Cavidade Articular

1.3.1.2.1. Onde se localiza o líquido sinovial

1.3.1.3. Líquido Sinovial

1.3.1.3.1. Nutrição da cartilagem e lubrificação da articulação

1.3.1.4. Cartilagem Hialina

2. PCR

2.1. É uma proteína plasmática da fase aguda da inflamação, de origem infecciosa ou não.

2.2. Produzida pelo fígado em condições normais.

2.3. Sua concentração sérica aumenta 4 a 6h após o estímulo.

2.4. É sensível as IL-1 e IL-6, liberadas por macrófagos ativados, após a fagocitose do antígeno.

2.5. É importante para o diagnóstico de doenças autoimunes.

2.6. Exame

2.6.1. Controle Positivo

2.6.2. Controle negativo

2.6.3. Positivo: Aglutinação

3. Autoimunidade

3.1. Reações imunes contra “Antígenos Próprios"

3.2. Como controlar?

3.2.1. Tolerância Central

3.2.1.1. Timo (T) e Medula Óssea (B)

3.2.1.2. Seleção negativa (Deleção)

3.2.1.3. Desenvolvimento de células T reguladoras

3.2.2. Tolerância Periférica

3.2.2.1. Nos tecidos

3.2.2.2. Anergia ou Inativação funcional

3.2.2.3. Supressão da resposta imune por linfócitos T REGs

3.2.2.4. Deleção clonal induzida pela ativação

3.2.2.5. Ignorância imunológica

3.3. Falha na TOLERÂNCIA = Doença AUTOIMUNE

3.4. Fatores que contribuem para a Autoimunidade

3.4.1. Fatores Hormonais

3.4.2. Genéticos

3.4.3. Infecciosos

3.4.4. Ambientais

4. Artrite Reumatoide

4.1. Doença inflamatória crônica, sistêmica, autoimune, de etiologia desconhecida.

5. Resposta Imunológica

5.1. Ativação de Linfócitos TCD4, que reconhece estruturas do corpo como antígenos - Liberam CITOCINAS - TNF: quimiotaxia, INF-gama: macrófagos e células b

5.1.1. As citocinas liberadas ativam células b, macrófagos e o endotélio

5.2. A células b ativadas se diferenciam em plasmócitos que liberam anticorpos, contribuindo para formação do fator reumatoide e autoanticorpos

5.2.1. F.R: São autoanticorpos IgM reativos com IgG (imunocomplexos), que se depositam nas articulações.

5.2.1.1. Ativam o sist. do complemento , causando lesão e destruição na articulação

5.2.1.2. Auxilia no diagnóstico

5.3. Os macrófagos ativados liberam : IL-1, TNF- alfa, IL-8 e IL-6

5.3.1. Ativação de células como: Fibroblastos, condrócitos e células sinoviais - Liberação excessiva de colagenases, elastases e etc, que levam a destruição tecidual

5.4. Ativação dos Fibroblastos, tentativa de reparo.

5.4.1. Se deposita colágeno, material fibroso e se forma um cicatriz

5.4.2. Tecido formado - PANNUS - Anquilose (rigidez)

5.5. Ativação do endotélio - Moléculas de adesão

5.5.1. Promove o acúmulo de células inflamatórias e a liberação excessiva PG2 - efeito pró-inflamatório

5.6. Todos esses eventos contribuem para a formação do PANNUS

6. PANNUS

6.1. Com a densa inflamação e infiltração de células de defesa aumenta-se a atividade osteoclástica e ativação de fibroblastos - tentativa de reparo

6.2. Tecido formado que vai substituir a área de destruição tecidual - tec. de granulação

6.3. Componentes morfológicos

6.3.1. Infiltrado mononuclear

6.3.2. Destruição tecidual

6.3.3. Tentativa de reparo