Sistemas Adesivos

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Sistemas Adesivos por Mind Map: Sistemas Adesivos

1. Adesivos Atuais

1.1. Trabalho desenvolvido por Buonocore, em 1955. Ele introduziu a técnica do condicionamento ácido do esmalte.

1.1.1. Aumentou a adesão dos materiais resinosos.

1.1.2. Melhoramento no selamento marginal das restaurações com resina composta.

1.2. Duas Categorias:

1.2.1. Convencionais

1.2.1.1. Caracteriza - se pela aplicação prévia e isolada de um ácido fosfórico. Disponível para uso em 3 passos ou em 2 passos.

1.2.1.1.1. No de 2 passos: primer e adesivo se encontram em uma única solução. No de 3 passos: Primer e adesivo são aplicados separadamente.

1.2.2. Autocondicionantes

1.2.2.1. Não apresentam um passo prévio e isolado de condicionamento ácido. Contém um primer acídico, que atua simultaneamente como condicionador e primer.

1.2.2.1.1. Com isso, há um risco de redução no tempo do trabalho, e do risco da ocorrência dos erros durante a aplicação e manipulação do material.

1.2.2.2. Está disponível em uso em 2 passos ou um passo clínico. Em 2 passos: primer e adesivo usados separadamente. Único passo: primer e adesivo usados em um mesmo tempo.

1.2.2.2.1. Referente a acidez são classificados em: Forte; Intermediário; Suave; Muito Suave.

1.2.3. Universais ou Multimodais

1.2.3.1. Apresentam pH maior ou igual a 2, sendo menos agressivo que o ácido fosfórico.

1.2.3.1.1. Conceito: "All-in-one" - único passo. Sua versatilidade traz o uso tanto de forma convencional como de autocondicionantes.

1.2.3.2. Alguns adesivos universais, como Single Bond, tem em sua composição Silano, está inclusão visa simplificar o protocolo de cimentação das cerâmicas vitreas.

2. Adesivos Universais

2.1. Está no mercado desde 2011 Conhecidos como Multi-mode ou multiuso.

2.2. Este novo sistema permite que o cirurgião dentista decida a técnica de adesão a ser utilizada.

2.3. Vantagens: Otimiza do tempo clinico; Baixa sensibilidade técnica; Menor sensibilidade pós operatória.

2.4. Desvantagens: Baixa resistência de união em esmalte; Formação de vesículas de água na superfície, comprometendo a durabilidade do adesivo no esmalte.

2.5. Indicações: Procedimentos restauradores diretos e indiretos; Adesão de cerâmicas como: zircônia, alumina, entre outros. Adesão de materiais nobres não preciosos.

3. Adesivos Dentinários

3.1. Odontologia Adesiva: uso de materiais que permitam uma adesão com as estruturas dentárias!

3.2. Utilizado até hoje para restaurações estéticas, conservadoras e preventivas.

3.3. Primeiro Geração

3.3.1. Surgiram nos anos 80, compunham-se de ácido glicerofosfórico dimetacrilato, cianocrilatos, poliuretanos, NPG-GMA.

3.4. Segunda geração

3.4.1. Compostos por fosfatos polimerizavéis adicionados ao BIS-GMA.

3.4.1.1. Eram aplicados diretamente sobre a camada de lama dentinaria.

3.5. Terceira geração

3.5.1. Técnica de aplicação ficou mais complexa, ocorreu o aumento do tempo clinico.

3.5.1.1. Nesta geração surgiram os primers. Caracterizam-se por realizarem unido da dentina e esmalte.

3.6. Quarta geração

3.6.1. São aqueles que removem a lama dentinaria, desmineralizam superficialmente a dentina inter e peritubular e expõe a rede de fibras colágenas.

3.7. Quinta geração

3.7.1. São chamados de monocomponentes.

3.7.1.1. Inicialmente, São materiais fluidos e voláteis (primer) e tornam - se mais espessos após a evaporação (adesivo).

4. *Brudevold: materiais restauradores capazes de se unir a estrutura dentária podem oferecer muitas vantagens, comparados aos materiais que necessitam de retenção mecânica.

5. *Nakabayashi: a camada híbrida como uma combinação resultante de dentina e polímero.

6. *Eick: os estudos da década de 1970 foram esquecidos por causa do sistema de adesão ao esmalte existente na época;