UMA BREVE HISTÓRIA DA QUÍMICA BRASILEIRA

UMA BREVE HISTÓRIA DA QUÍMICA BRASILEIRA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
UMA BREVE HISTÓRIA DA QUÍMICA BRASILEIRA por Mind Map: UMA BREVE HISTÓRIA DA QUÍMICA BRASILEIRA

1. A mais completa descrição sobre a história da química retirada do livro "As ciências no Brasil".

2. A CHEGADA DA FAMÍLIA REAL

2.1. Aulas de química começa a ser ministrada em uma extensão da Real Academia de Artilharia.

2.2. O propósito principal do primeiro laboratório chamado de "Químico-Prático" foi desenvolver pesquisas químicas para o comercio

2.3. Durante os seus sete anos de existência, foram passados os Conde:

2.3.1. Conde das Galveas (João de Almeida de Melo e Castro, 1756-1814);

2.3.2. Conde dos Arcos (Marcos de Noronha e Brito, 1771-1828);

2.3.3. Conde de Linhares (D. Rodrigo de Souza Coutinho, 1755-1812);

2.3.4. Conde da Barca (António de Araújo e Azevedo, 1754-1817)

2.4. Sendo assim, o primeiro produto a ser analisado foi o pau-brasil, para que com sua vez queriam comercializar com a China.

2.5. Tivemos outro laboratório de química, chamado "Laboratório Químico do Museu Imperial e Nacional, criado em 1824, formado por João da Silveira Caldeira.

2.6. O farmacêutico Theodor Peckolt foi convidado para reorganizar o laboratório

2.6.1. Theodor Peckolt tinha muitos conhecimentos científicos antes de ser convidado para fazer parte da seção de química do Museu Nacional

2.6.2. Farmacêutico alemão, teve sua chegada ao Brasil em novembro de 1848

2.6.3. Desde então foi se dedicando a química das plantas, sendo assim considerado o "pai da fitoquímica brasileira", realizando pesquisas fitoquímicas com espécies da flora brasileira.

3. A CRIAÇÃO DOS CURSOS DE QUÍMICA

3.1. Surgem no Brasil em 1910

3.2. As disciplinas de químicas eram ensinas em apenas dois cursos: medicina veterinária e agricultura.

3.3. em 1918

3.3.1. criação do Instituto de Química;

3.3.2. Formado por um médico Mario Saraiva;

3.3.3. Teve vinculo com o Ministério da Indústria, Agricultura e Comércio;

3.3.4. Se tornou depois de um longo tempo, a principal instituição científica: dedicada ao estudo das plantas (fitoquímica);

3.4. Em 1922

3.4.1. Criação da Sociedade Brasileira Chimica

3.4.2. No ano de 1933 foi alterado de Chimica para Química

3.4.3. A Sociedade Brasileira teve existência até o ano de 1951

3.4.4. 1º presidente: José Freitas Machado.

3.5. A criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras foi um grande marco para a Química Brasileira

3.5.1. (FFCL)

3.5.2. Fundado em 1934, em São Paulo

3.5.3. 1º Doutor formado pela FFCL: Simão Mathias, apresentando a tese "Sobre mercaptanas bivalentes e sulfetos-dimercaptanas", defendida em 1942.

3.6. Instituto de Química da Universidade do Brasil

3.6.1. Criado em 1959

3.6.2. O regulamento deste instituto foi aprovado no ano de 1962

3.6.3. 1º Diretor-presidente: professor Athos da Silveira Ramos.

3.7. Laboratório da Produção Mineral

3.7.1. (LPM)

3.7.2. Teve um grande marco nas atividades científicas nas áreas de química

3.8. Fundação da Sociedade Brasileira de Química

3.8.1. (SBQ)

3.8.2. Fundado em 1977

4. O PAPEL DO PADCT E DA UAB

4.1. Papel importante do Plano de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PADCT)

4.1.1. e do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE)

4.2. PADCT e o PDE incentivaram o progresso e o ensino da química brasileira

4.3. PADCT - grande divisor de águas na química, por conta deste plano a química teve um grande desenvolvimento. Logo, a que mais cresce dentre as áreas de ciências exatas.

4.4. PDE - visando a expansão pública da educação superior, por meio da (UAB) Universidade Aberta do Brasil. Levando assim diversidades de modalidades de cursos, por exemplo: especialização, extensão, bacharelado e licenciatura.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ALMEIDA, Márcia R.; PINTO, Angelo C.. Uma breve história da química Brasileira. Cienc. Cult., São Paulo , v. 63, n. 1, p. 41-44, Jan. 2011 . Available from <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252011000100015&lng=en&nrm=iso>. access on 24 June 2021. http://dx.doi.org/10.21800/S0009-67252011000100015.