Protozoários Intestinais

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Protozoários Intestinais por Mind Map: Protozoários Intestinais

1. Giardíase

1.1. -protozoário flagelado, com ciclo mononexo e tem distribuição cosmopolita; -mais comum em países subdesenvolvidos e atinge com maior prevalência crianças;

1.2. -a maioria dos pacientes é assintomático; -podem ter sintomas agudos com diarreia fétida e gases, cólicas agudas, perda de peso; -ou pode evoluir para uma fase crônica, onde vai haver diarreia persistente, dor abdominal ou abdome distendido, má absorção intestinal, e em crianças pode causar um retardo no crescimento, entre outros sintomas

1.3. - como enfermeiro, os primeiros cuidados a serem tomados são fazer uma anamnese adequada para identificar o meio social do paciente; orienta-lo a como fazer a coleta do material para a realização do exame e informar a ele quais cuidados devem ser tomados para evitar uma reinfecção, como lavar bem as mãos, os alimentos, fazer a higiene dos animais, saneamento básico, filtrar ou ferver a água para que não ocorra a ingestão de cistos.

1.4. -diagnóstico pode ser clínico ou laboratorial que é o mais indicado e é feito através da coleta de fezes

1.5. -no tratamento são usados fármacos nitroimidazóis, como o metromidazol, ornidazol ou tinidazol.

2. Amebíase

2.1. causada pela ameba Entamoeba histolytica, possui ciclo monoxeno com distribuição cosmopolita, sendo mais comum em países tropicais e subtropicais, principalmente em países pobres; no Brasil tem uma prevalência maior na região amazônica; tem como grupo de risco pessoas imunossuprimidas e deficientes intelectuais

2.2. -quando os trofozoítos chegam no intestino pode acontecer apenas uma colonização, sendo uma amebíase não invasiva, pois não haverá invasão dos tecidos, sendo assim o indivíduo será assintomático;

2.2.1. -quando ocorre a invasão dos tecidos, os trofozoítos chegam nas mucosas e consequentemente na corrente sanguínea podendo se espalhar para outros órgãos, chamada amebíase extraintestinal

2.3. - como enfermeiro, os primeiros cuidados a serem tomados são fazer uma anamnese adequada para identificar o meio social do paciente; orienta-lo a como fazer a coleta do material para a realização do exame e informar a ele quais cuidados devem ser tomados para evitar uma reinfecção, como lavar bem as mãos, os alimentos, filtrar ou ferver a água para que não ocorra a ingestão de cistos, saneamento básico, fazer o tratamento dos doentes

2.4. diagnóstico é feito em laboratório através do exame de fezes

2.5. o tratamento se for a amebíase de forma intestinal é usado dicloracetamidas, e se for na forma invasiva e extraintestinal seusa nitroimidazólicos.

3. Criptosporidiose

3.1. é um oocisto; parasita monoxeno, com distribuição cosmopolita, pode ser encontrado em países desenvolvidos e subdesenvolvidos; possui um alto índice de morbidade e mortalidade; seu grupo de risco são os indivíduos imunossuprimidos.

3.2. pacientes com criptosporidiose podem ser assintomáticos ou podem apresentar sintomas;

3.2.1. os pacientes imunocompetentes podem apresentar diarreia aquosa ou sanguinolenta, dor abdominal, náuseas, vômitos, febre, desnutrição, perda de peso, déficit de crescimento, perda de peso, desenvolvimento cognitivo prejudicado;

3.2.1.1. já os pacientes imunossuprimidos podem apresentar diarreia aquosa, desidratação, dor abdominal, vômito, febre, náusea, grande perda de peso, pode envolver o sistema respiratório e o trato biliar

3.3. - como enfermeiro, os primeiros cuidados a serem tomados são fazer uma anamnese adequada para identificar o meio social do paciente; orienta-lo a como fazer a coleta do material para a realização do exame e encaminhar esse material para o laboratório, informar a ele quais cuidados devem ser tomados para evitar uma reinfecção, como lavar bem as mãos, os alimentos, fazer a higiene dos animais, saneamento básico.

3.4. diagnóstico é através da coleta de fezes e é feito em laboratório

3.5. no tratamento pode ser usado espiramicina ou antiretrovirais (TARV), vai ajudar a reduzir os sintomas e a prevalência da infecção