Queimaduras

mapa mental dermatofuncional

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Queimaduras por Mind Map: Queimaduras

1. Lesão de terceiro grau

1.1. A lesão de terceiro grau acomete a totalidade do tecido cutâneo, epiderme e derme.

1.2. Em muitos casos, atinge outros tecidos, como o tecido subcutâneo, músculos, ou até mesmo o tecido ósseo

1.3. Apresenta redução da elasticidade tecidual, perda da sensibilidade no local, pela total destruição das terminações nervosas da pele, e o tecido cutâneo se torna rígido, apresentando transparência em virtude dos vasos sanguíneos trombosados

1.4. Além de favorecer a ocorrência de um edema de grande extensão na área, esses dois fatores associados promovem uma interrupção do fluxo sanguíneo para as regiões distais dos membros atingidos, podendo levar a amputação local.

2. Fisiopatologia das queimaduras

2.1. Lesão dinâmica que acomete os órgãos em geral

2.1.1. Pequeno porte

2.1.1.1. unicamente local

2.1.2. Moderadas e graves

2.1.2.1. reação local intensa e também sistêmica

2.2. Disfunções bifásicas

2.2.1. Imediata após a lesão, diminuição das funções dos órgãos

2.2.2. Posteriormente, aumente da função dos órgãos e processo cicatricial

3. Agente etiológico

3.1. Relacionada à faixa etária do paciente, sendo a maior incidência por líquidos superaquecidos em crianças abaixo de três anos de idade

3.2. Os agentes que promovem maior agressividade são as queimaduras elétricas e químicas; contudo, são menos frequentes

3.3. A profundidade da lesão e a extensão da superfície corporal queimada são fatores que influenciam diretamente o prognóstico da queimadura

4. Profundidade da queimadura

4.1. Lesão de primeiro grau

4.1.1. A lesão de primeiro grau é aquela que atinge a camada mais superficial da pele, ou seja, a epiderme.

4.1.2. Não provoca alterações clínicas significativas e tampouco alterações hemodinâmicas

4.1.3. Em alguns dias, a cor do tecido cutâneo se torna escura e ocorre a descamação da pele

4.2. Lesão de segundo grau

4.2.1. A lesão de segundo grau atinge epiderme e parte da derme

4.2.2. Há uma subdivisão da lesão de segundo grau em superficial e profunda

4.2.3. Caracteriza-se clinicamente pela formação de flictenas, eritema, umidade e quadro doloroso acentuado

4.2.4. A evolução da restauração total da pele em uma queimadura de 2o grau superficial ocorre de 14 a 21 dias, com mínima formação cicatricial

4.2.5. O tratamento clínico usual das áreas de queimaduras de segundo grau profundas pode envolver a excisão tangencial e a enxertia cutânea

4.3. Extensão das Lesões por queimadura

4.3.1. Só entram no cálculo as queimaduras de segundo e terceiro graus

4.3.2. O método mais rápido para determinação da área queimada é constituído pela “regra dos nove”

4.3.2.1. Se divide a superfície corporal em segmentos que equivalem a aproximadamente 9% do total

5. Tratamento estético

5.1. Proteção solar

5.1.1. Bloqueador solar

5.1.2. Filtro solar

5.1.2.1. orgânicos

5.1.2.2. inorgânicanicos

5.2. Massoterapia

5.3. Drenagem linfática manual

5.4. Reflexologia

5.4.1. Medicina tradicional chinesa

5.4.2. Qualificação em reflexologia

5.5. Microagulhamento

5.5.1. Indução de colágeno

5.5.1.1. Queimaduras de 2º grau

5.6. Óleos essenciais

5.7. Hidratação cutânea

5.8. Cosmetologia

5.8.1. Cosméticos clareadores

5.8.1.1. Hipermelanose

5.8.2. Máscaras Cosméticas

5.9. Contra Indicações ao atendimento estético de queimados

5.9.1. Uso de cosméticos que geram irritação

5.9.1.1. Produtos abrasivos

5.9.1.2. Produtos esfoliantes

5.9.1.3. Ácidos

5.9.2. Manobras bruscas de massagem

5.9.2.1. Fricção

5.9.3. Técnicas de esfoliação

5.9.4. Cuidados com o enxerto

5.10. Cosméticos de camuflagem

5.10.1. Maquiagem: Bases, corretivos, pó e etc.

6. Cicatrização

7. Morfofisiologia da pele

7.1. PELE

7.1.1. Formada por tecido epitelial pavimentoso estratificado queratinizado

7.1.2. Função: proteção contra agentes microbianos externos

7.1.3. Constituído por EPIDERME e DERME

7.1.3.1. EPIDERME

7.1.3.1.1. Revestiemento externo

7.1.3.2. DERME

7.1.3.2.1. Localizado abaixo da epiderme

8. Lesão dos tecidos orgânicos

8.1. trauma de origem térmica, química, elétrica ou radiativa

8.2. Variam entre mínimas bolhas ou flictenas, até as formas mais graves

8.3. A restauração pode ser por cicatrização ou autoenxertia

8.4. Alterações observadas durante a terapêutica do queimando

8.4.1. Instabilidade hemodinâmica

8.4.2. Choque hipovolêmico

8.4.3. Dor

8.4.4. Tétano

8.4.5. Hemorragia digestiva

8.4.6. Imunodepressão

8.4.7. Complicações respiratórias/ renais/ cardiacas/ anemia

9. Classificação das queimaduras quanto a gravidade da lesão

9.1. Leves

9.2. Moderadas

9.2.1. Compreendem a profundidade de segundo grau com extensão de queimadura que varia de 10% a 20%, ou as de terceiro grau entre 3% e 5% de SCQ

9.2.1.1. Necessitam de um acompanhamento diário, podendo ser tratados em nível ambulatorial. Porém, é recomendado que sejam internados caso haja doenças de base associadas.

9.2.2. São aquelas que apresentam profundidade de primeiro grau, podendo atingir qualquer extensão corporal, ou as de segundo grau com menos de 10% da superfície corporal queimada ou até mesmo as de terceiro grau com menos de 3% da SQQ.

9.2.2.1. São tratadas em nível ambulatorial, não apresentam repercussões hemodinâmicas e raramente complicam.

9.3. Graves

9.3.1. São as de segundo grau em que a superfície corporal queimada excede a 20%, ou as de terceiro grau em que a SCQ passa dos 10%.

9.3.1.1. Os pacientes que são graves, são mais instáveis na questão hemodinâmica e necessitam de internação em um centro de tratamento de queimados.

10. Queimadura Externo cutânea

10.1. Ocorre uma maior dificuldade de cicatrização com qualidade estética boa.

10.2. O tecido não cicatriza com uma condição ideal e, além disso, será necessário muito tempo para que ocorra um fechamento tecidual dessa área com grande hipertrofia cutânea.

10.3. São classificados como:

10.3.1. Autoenxerto

10.3.1.1. É a técnica mais utilizada pelos cirurgiões especializados em pacientes queimados.

10.3.1.1.1. É um enxerto permanente e as áreas doadoras são do próprio indivíduo

10.3.2. Xenoenxerto ou heterólogo

10.3.2.1. Aqui, são utilizados tecidos transplantados (pele, cartilagem, osso, nervo etc.) entre indivíduos de espécies diferentes.

10.3.3. Enxerto temporário

10.3.3.1. Pele artificial.

10.3.3.1.1. São utilizados quando existem extensas áreas queimadas.

10.3.4. Aloenxerto ou homólogo

10.3.4.1. Conhecido como curativo biológico.

10.3.4.1.1. É utilizado como cobertura temporária