Paralisia congênita do III par.

Trabalho de Embriologia e Genética- Mapa Mental

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Paralisia congênita do III par. por Mind Map: Paralisia congênita do III par.

1. As possibilidades terapêuticas são limitadas e complexas e o tratamento cirúrgico tende a hipocorreção e recorrências frequentes a longo prazo. O envolvimento completo e congênito do terceiro nervo craniano requer cirurgias para a exotropia, hipotropia e ptose. Dentre as técnicas cirúrgicas já descritas, optou-se pela realização de uma modificação da técnica cirúrgica de recuo-ressecção, que deu-se em único tempo cirúrgico, sendo suficiente para alcançar o objetivo estético. Este trabalho relata o resultado positivo da manutenção de sutura de tração à carúncula para tratamento cirúrgico de estrabismo paralítico congênito de nervo oculomotor de longa data.

2. Alterações

2.1. O mais frequente mecanismo citado é injúria perinatal ao terceiro nervo periférico, entretanto eles podem ser devido à ausência congênita do nervo ou núcleo e ser acompanhada por disfunções neurológicas. Esta paralisia causa uma marcada exotropia, ausência de movimentos verticais, discreta hipotropia, intorsão, blefaroptose, midríase e paralisia de acomodação.

3. Em que período embrionário foi gerada.

3.1. A formação do mesencéfalo, onde origina-se o terceiro par craniano, dá-se entre a 5º e 11º semana de gestação; como a paralisia tem por motivo a ausência congênita do nervo ou núcleo define-se esse o período em que a anomalia é gerada.

4. Semiologia (sinais e sintomas)

4.1. Todos os pacientes apresentam algum grau de ptose e oftalmoplegia e aproximadamente todos tem acometimento pupilar. Raramente a pupila é poupada. Ambliopia é comum. Muitos casos espontâneos, mas casos familiares foram descritos. Além disso, o reto lateral no olho afetado, sem oposição em sua ação, inicialmente manterá o olho em posição divergente contra as forças estáticas orbitais que tentam trazê-lo de volta ao centro.

5. Viável com a vida.

5.1. Pessoas que nascem com paralisia do III par craniano levam suas vidas de forma normal, pois, na grande maioria dos casos, ele ocorre de forma unilateral e o olho alinhado compensa a deficiência visual do olho que é afetado. Tratamentos estéticos também são oferecidos, visando uma melhor qualidade de vida a esses pacientes.

6. Possibilidades terapêuticas