ACIDENTES QUÍMICOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
ACIDENTES QUÍMICOS por Mind Map: ACIDENTES QUÍMICOS

1. Fukushima, Japão (2011)

1.1. ACIDENTE: Com a ocorrência de um terremoto seguido de um grande tsunami, a usina nuclear de Daiichi sofreu graves danos. A água do mar invadiu o complexo, liberando diversos materiais radioativos e tóxicos de altíssima periculosidade à vida.

1.2. VÍTIMAS: 1600 mortes, 500,000 pessoas deslocadas.

1.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: Apesar da usina pertencer à Tepco (Tokyo Electric Power Company), a empresa não teve culpa direta pelo acidente.

1.4. INDENIZAÇÃO: Um total de US$ 48 mi

2. Bhopal, Índia(1984)

2.1. ACIDENTE: Ocorreu um vazamento de gás na fábrica de pesticidas Union Carbide India Limited. Foi considerado o maior desastre industrial da história. A substância foi altamente tóxica, afetando várias pequenas cidades ao redor da fábrica, e mais de 500 mil pessoas foram expostas ao gás isocianato de metila (MIC).

2.2. VÍTIMAS: As mortes imediatas foram de 2.259, e o governo de Madia Pradexe confirmou o total de 3.787 mortes relacionadas à liberação de gás. O vazamento causou 558.125 feridos. Estima-se que entre 8 mil pessoas morreram uma semana após o acidente, e outra 8 mil duas semanas após

2.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: Union Carbide India Limited adquirida pela multinacional Dow Chemical.

2.4. INDENIZAÇÃO: Sete ex-funcionários pagaram uma multa de 2.000 dólares cada, e outro funcionário também foi condenado, porém morreu antes do término do julgamento. Muitas vítimas ainda esperam pela indenização pelos grandes danos sofridos em decorrência do acidente.

3. Windscale, Inglaterra(1957)

3.1. ACIDENTE: Durante a corrida armamentista nuclear, após a Segunda Guerra Mundial, a Inglaterra construiu uma bomba atômica na cidade de Windscale. Ocorreu um incêndio no núcleo do reator britânico, que levou ao vazamento de material radioativo para a atmosfera das regiões vizinhas. Esse acidente causou mais de duas centenas de casos de câncer entre as comunidades vizinhas ao incêndio. O incêndio de Windscale foi considerado o pior acidente do mundo envolvendo um reator nuclear, até o incidente de Three Mile Island, em 1979.

3.2. VÍTIMAS: 240 mortes de câncer de tireoide e mais 100 pessoas mortas pela nuvem radioativa espalhada no local.

3.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: A fábrica de bombas Windscale era adaptada para operar como uma usina elétrica, capaz de reprocessar o plutônio utilizado no desenvolvimento de bombas, ela funcionava com capacidade máxima até o dia 10 de outubro de 1957, quando o núcleo do reator pegou fogo

3.4. INDENIZAÇÃO: As autoridades determinaram que para limpar o local, seria preciso algo em torno de 100 bilhões de libras e levaria mais de um século para a limpeza completa.

4. Chernobyl, Ucrânia (1986)

4.1. ACIDENTE: O acidente ocorreu em razão de uma explosão catastrófica que expôs o núcleo do reator 4 da usina nuclear de Chernobyl, que lançou grandes quantidades de partículas radioativas na atmosfera. Os técnicos da usina precisavam realizar uma série de testes nos reatores RBMK, que deveriam ter acontecido antes da planta entrar em funcionamento. Contudo, o processo dos testes foi feito de maneira extremamente inapropriada, pois previamente o reator foi deixado para funcionar em uma potência menor do que o mesmo era suposto funcionar. Isso gerou um desequilíbrio no processo nuclear inteiro que acontece dentro do reator. Sendo assim, quando os testes foram realizados, por causa do desequilíbrio causado pelas condições criadas pelos técnicos que administravam a usina e uma falha na construção do sistema de segurança do reator, o acidente nuclear aconteceu.

4.2. VÍTIMAS: → 200.000 pessoas deslocadas → 40.000 pessoas hospitalizadas nos três meses após o acidente. → 31 mortos diretamente → 15 mortes indiretas → 6.000 casos de câncer de tireoide → 4.000 mortos no período de URSS → 9.000-16.000 mortos devido a contaminação na Europa.

4.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: Vladimir Ilyich Lenin Usina de Energia Nuclear

4.4. INDENIZAÇÃO: O governo soviético admitiu 15 mil mortes, enquanto organizações não governamentais calculam 80 mil. Segundo números oficiais, 2,4 milhões de ucranianos sofrem de problemas de saúde relacionados ao acidente. Ainda hoje, 27 anos depois, 6% do PIB ucraniano(7.8 bilhões de dólares) é destinado aos efeitos da tragédia, como pagamento de indenização às vítimas. Um museu foi construído na capital Kiev para lembrar Chernobyl e as pessoas afetadas pela radiação.

5. Goiânia, Brasil(1987)

5.1. ACIDENTE: A tragédia foi decorrente de um descuido na fiscalização do lixo radioativo, onde catadores de sucata retiraram de um aparelho de radioterapia abandonado aquilo que seria fatal: a cápsula misteriosa. Dentro desta cápsula encontraram algo jamais visto, tinha aspecto brilhante e encantava a todos, este material foi distribuído entre curiosos, inclusive crianças. A beleza radiante fez com que passassem o material até pelo próprio corpo: era o brilho da morte.

5.2. VÍTIMAS: 4 mortes 1 600 pessoas afetadas

5.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: O Instituto Goiano de Radioterapia (IGR) era um instituto privado, localizado na Avenida Paranaíba, no Centro de Goiânia. O equipamento que gerou a contaminação na cidade entrou em funcionamento em 1971, tendo sido desativado em 1985.

5.4. INDENIZAÇÃO: Em 2020 o tribunal superior de justiça condenou as rés a pagarem indenização por danos morais, além de arcarem com tratamento médico e odontológico e medicamentos necessários ao tratamento de doenças. O valor definido para cada vítima foi de cerca de R$ 27 mil, valor que será pago pela União.

6. Brumadinho, Brasil(2019)

6.1. ACIDENTE: O rompimento da barragem em Brumadinho em 25 de janeiro de 2019 foi o maior acidente de trabalho do Brasil em perda de vidas humanas e o segundo maior desastre industrial do século. Foi um dos maiores desastres ambientais da mineração do país, depois do rompimento da barragem em Mariana. Controlada pela Vale S.A, a barragem de rejeitos, denominada barragem da Mina Córrego do Feijão, era classificada como de "baixo risco" e "alto potencial de danos" pela empresa. Acumulando os rejeitos de uma mina de ferro, ficava no ribeirão Ferro-Carvão, na região de Córrego do Feijão, no município de Brumadinho, estado de Minas Gerais.

6.2. VÍTIMAS: 270 mortos (incluindo dez desaparecidos)

6.3. EMPRESAS ENVOLVIDAS: Vale S.A.

6.4. INDENIZAÇÃO: O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 3ª Região condenou a mineradora Vale a pagar indenização de R$ 1 milhão por danos morais por cada trabalhador morto no rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), em 2019.