filósofos da ciência na contemporaneidade

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
filósofos da ciência na contemporaneidade por Mind Map: filósofos da ciência na contemporaneidade

1. Baruch Spinoza (1632 -1677); OBRAS: ética e breve tratado sobre Deus, sobre o homem e sua felicidade; IDEIA: Spinoza tinha uma visão monista da realidade, a ideia de que existe apenas uma substância (aquilo que é em si mesmo e por si mesmo é concebido); CITAÇÃO: "Por substância compreendo aquilo que existe em si mesmo e que por si mesmo é concebido, isto é, aquilo que conceito não exige o conceito de outra coisa do qual deva ser formado.”

2. Friedrich Nietzsche (1844 - 1900); OBRAS: assim falou Zaratustra – Um livro para todos e para ninguém; IDEIA: vontade de poder ou vontade de potência está dividida em forças singulares. Essas forças se reúnem nos diferentes objetos que compõem a natureza e formam vontades de poder opostas. Em cada um de nós há uma vontade de poder, constituída de forças em constante movimento. A vontade de poder, neste sentido, é aquilo que nos impulsiona a ser quem somos. CITAÇÃO: “Aos que desprezam o corpo quero dizer-lhes a minha opinião. Não devem mudar de preceito, nem de doutrina, mas, simplesmente desfazerem-se do corpo, o que lhes tornará mudos.”

3. Sigmund Freud (1856 - 1939); OBRAS: Mal-estar na Civilização; IDEIA: Id: polo pulsional da personalidade, reservatório primitivo da energia psíquica. Seus conteúdos são inconscientes. Ego: é a instância que age como intermediária entre os impulsos e o mundo externo. Superego: resultado da internalização das proibições impostas pela cultura. CITAÇÃO: “A liberdade individual não é um bem cultural. Ela era maior antes de qualquer civilização, mas geralmente era sem valor, porque o indivíduo mal tinha condição de defendê-la. Graças a evolução cultural ela experimenta restrições, e a justiça pele que ninguém escape a elas.”

4. Michel Foucault (1926 - 1984); OBRAS: História da Sexualidade; IDEIA: O pensamento de Foucault apresenta aspectos estruturalistas. Para Michel Foucault, a história não apresenta progresso: é descontínua, cada época apresenta uma estrutura de pensamento, tais estruturas não seguem uma linha evolutiva. Estruturas epistêmicas, epistemas ou epistémês são sistemas de pensamento a partir dos quais se funda a própria história (descontínua), Sistema: conjunto de relações que independem dos elementos que coligam. Os discursos e práticas se apoiam nessas estruturas fundamentais do saber.; CITAÇÃO: “Quando falo epistemas, entendo todas as relações que existiram em certa época entre os vários campos da ciência”;