SÍNDROME NEFRÓTICA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
SÍNDROME NEFRÓTICA por Mind Map: SÍNDROME NEFRÓTICA

1. Doença coronariana em adultos

2. Laboratorial

2.1. Eletroforese de proteínas urinarias

2.1.1. Hipoalbuminemia

2.1.2. Pesquisa de anticorpos antinucleares

2.2. Exame FAN (fator antinuclear)

2.2.1. Lúpus eritematoso sistêmico

2.2.2. Artrite reumatoide

2.2.3. Psoríase

2.2.4. Hipotireoidismo

2.2.5. Síndrome de Guillain-Barré

2.2.6. Síndrome de Sjögren

2.3. Creatina sérica

2.4. Creatina sérica

2.5. Glicemia

2.6. Dislipidemia

2.7. Nefropatia crônica

2.8. Reação sorológica para sífilis

2.9. Sorologia para hepatites B e C

2.10. Exame parasitológico de fezes

3. Complicações

3.1. Hipercoagulabilidade e tromboembolismo

3.2. Efeitos adversos terapêuticos

4. Expansão do volume plasmático

5. Quadro Clínico

5.1. Hipoalbuminemia (< 3,0g/dia)

5.2. Anasarca

5.3. HAS

5.4. Fenômenos tromboembólicos

5.5. Manifestações da doença de base

6. Etiologias

6.1. Idiopática/Primária

6.1.1. Doença por Lesão Mínima (DLM)

6.1.1.1. Crianças do sexo masculino

6.1.1.2. Recidivas frequentes

6.1.1.3. Sem alterações na microscopia ótica

6.1.1.4. Fusão de prolongamentos podocitários na microscopia eletrônica

6.1.2. Doença por Lesão Mínima (DLM)

6.1.2.1. Glomerulonefrite por IgA (GNIgA)

6.1.3. Glomeruloesclerose Segmentar e Focal (GESF)

6.1.3.1. Adultos

6.1.3.2. Não consome complemento

6.1.3.3. Lesões esclerosantes focais

6.2. Glomerulonefrite Membranosa iIiopática (GNMI)

6.2.1. Proteinúria maciça com níveis normais no complemento

6.2.2. Remissão espontânea

6.2.3. Associada a fenômenos tromboembólicos

6.2.4. Depósito subepitelial de imunocomplexos

6.3. Secundária

6.3.1. Diabetes Melito

6.3.2. Lúpus eritematoso sistêmico

6.3.3. Amiloidose

6.3.4. Neoplasias

6.3.5. Medicamentos

6.4. Infecções bacterianas e virais

7. Fisiopatologia

7.1. Exame de urina

7.1.1. Proteinúria de 24h

7.2. Proteínas perdidas

7.2.1. Albumina

7.2.2. Antitrombina III

7.2.3. Globulina de ligação de tiroxina

7.2.4. Proteína fixadora de Colecalciferol

7.2.5. Transferrina

7.2.6. Imunoglobulinas

7.3. Barreira de tamanho

7.4. Lesão Glomerular

7.4.1. Perda da seletividade da filtração glomerular

7.4.1.1. Fendas de filtração

7.4.1.2. Permeabilidade a macromoléculas

7.4.1.2.1. Hipoalbuminemia

7.4.2. Underfiling

7.4.3. Overflow

7.4.3.1. Retenção de Na e H2O

7.4.3.1.1. Proteinúria maciça (> 3,5g/dia)

7.4.3.1.2. Expansão do volume plasmático

8. Diagnóstico

8.1. Histopatológico

8.2. Exame de imagem

8.2.1. Ultrassonografia renal

9. Tratamento

9.1. Não medicamentoso

9.1.1. Orientação Dietética Geral

9.1.1.1. Aporte calórico-proteico adequado

9.1.1.2. Restrição de líquidos

9.1.1.3. Restrição de sódio

9.1.2. Evitar o consumo de tabaco e álcool

9.1.3. Evitar o uso crônico de medicamentos e drogas ilícitas

9.1.4. Controle da pressão arterial e dislipidemia

9.2. Medicamentoso

9.2.1. Prednisona cp 5 e 20 mg

9.2.2. Ciclosporina cápsulas de 10, 25, 50 e 100 mg

9.2.3. Ciclofosfamida drágeas de 50 mg.

9.2.4. Ciclofosfamida solução injetável 50 mg

9.2.5. Enalapril cp de 5, 10 e 20 mg

9.2.6. Captopril: cpde 25mg

9.2.7. Losartana potássica cp de 50 mg

9.2.8. Albumina humana: solução injetável de 0,2 g/mL (20%) – uso hospitalar.

9.3. Diuréticos

9.3.1. Diuréticos de alça

9.3.1.1. Furosemida (40-240 mg)

9.3.2. Tiazídicos

9.3.2.1. Hidroclorotiazida (25-50 mg)

9.3.3. Bloqueadores do SRAA

9.3.3.1. Espironolactona (25-200 mg)

9.4. Medidas profiláticas

9.4.1. Vacinação

9.4.1.1. Penta Valente

9.4.1.2. Pneumocócica 23

9.4.1.3. Varicela

9.4.1.4. Influenza

9.4.2. Profilaxia de infecções e paraxitoses