Metodologia da Problemática

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Metodologia da Problemática por Mind Map: Metodologia da Problemática

1. Aprendizagem ativa: estudante capaz de autogerenciar seu processo de formação

2. Aproximação da realidade

3. Construção da Autonomia

4. Superação do Modelo Tradicional, fixado na fragmentação e especialização do conhecimento

5. Introdução de modelos inovadores

6. O estudante é o ator do processo de construção do conhecimento

7. O esquema de progressão pedagógica é um arco. "Método do Arco"

8. As etapas envolvem observação, identificação de problemas, reflexão, teorização, hipótese de solução e propostas.

9. O alvo é sempre a realidade e as possibilidades de transformá-la, através da solução do problema colocado

10. O professor passa a ocupar o lugar de mediador na aquisição e atribuição de sentido ao conhecimento diante de realidades sociais concretas

11. São esperados do estudante envolvimento, iniciativa, responsabilidade e autonomia

12. Alcançar estratégias de ensino-aprendizagem que possibilitem a construção coletiva dos conhecimentos e a permanente integração teórico-prática referenciada na realidade social concreta

13. Rompe com Método tradicional que tem o estudante como sujeito passivo.

14. Questiona outros métodos da aprendizagem significativa tais como a concepção de conhecimento “indiscutível, pronto e acabado”; a memorização como operação essencial do processo de aprendizagem e a transmissão de conteúdo em aulas expositivas.

15. Aprender a aprender

16. Quando o estudante interage com a cultura sistematizada de forma ativa, como ator do processo de construção do conhecimento, ocorre a aprendizagem significativa.

17. Através de situações - problema outras necessidades são provocadas, analisadas criticamente resultando na reelaboração de associações e de novos conhecimentos e sentidos

18. A estrutura do Método do Arco parte da realidade, e percorre etapas que envolvem observação, identificação de problemas, reflexão, teorização, hipótese de solução e propostas. O alvo é sempre a realidade e as possibilidades de transformá-la, através da solução do problema colocado.

19. Ocorre em 5 etapas

20. 1. Observação da realidade concreta:

20.1. Estudantes são orientados a observar determinada realidade a partir de um tema ou conteúdo, registrando sistematicamente suas percepções com foco no tema. Devem problematizar dificuldades, falhas, contradições, discrepâncias e conflitos. Pode ocorrer a formação de pequenos grupos. O professor tem o papel de animador da discussão, auxiliando na formulação final e redação do problema que subsidiará as etapas seguintes.

21. 2.Determinação de pontos-chave:

21.1. Os estudantes refletem sobre a gênese do problema, identificando a sua multideterminação e complexidade, questionando sua dimensão social e os possíveis determinantes que afetam o contexto no qual o problema ocorre e que não são evidenciados. Numa análise mais criteriosa do problema, buscam alternativas para sua solução.

22. 3.Teorização:

22.1. Os estudantes se organizam para buscar conhecimentos e informações sobre o do problema em variadas fontes (pesquisa bibliográfica, leitura, entrevistas, consultas a especialistas). As informações são tratadas, organizadas e analisadas, discute-se sua validade e pertinência para a resolução do problema, verificando-se se as hipóteses foram confirmadas.

23. 4.Hipóteses de solução:

23.1. A partir do estudo realizado são buscados os elementos para a elaboração de possíveis soluções, de forma criativa e crítica. O que precisa e pode ser feito para que o problema seja solucionado? As hipóteses são construídas após o estudo, como consequência da compreensão da realidade, investigando o problema de todos os ângulos possíveis.

24. 5. Aplicação prática à realidade:

24.1. De caráter prático, esta etapa completa a cadeia dialética ação – reflexão – ação, retornando ao ponto de partida, que é a realidade social.

25. Os principais objetivos são: 1. desencadear o pensamento reflexivo e mobilizar o potencial social e político do estudante. 2. estimular o raciocínio e o desenvolvimento de habilidades intelectuais.

26. A problematização leva ao desenvolvimento de atividades que permitem ao estudante pensar para além de sua área de formação e especialidade, possibilitando múltiplas abordagens conceituais e o exercício da interdisciplinaridade

27. Limites: 1. Pequenas adaptações ao tradicional que não se configuram como real transformação nas práticas de ensino.

28. 3. Resistência à mudança, que pode vir tanto dos estudantes quanto dos professores.

29. 4. Compreensão equivocada do método.

30. 5. Necessidade de investimento constante no desenvolvimento profissional do professor universitário.

31. 2. Há o risco da simples reprodução de experiências, num pretenso modelo inovador, invocado em nome das demandas do mercado, centrado no desenvolvimento de competências voltadas para a realidade, mas que não problematiza o ensino e o papel do professor tampouco a necessidade de refletir e criticar, para transformar.