Variação Linguística

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Variação Linguística por Mind Map: Variação Linguística

1. O que é?

1.1. Variação linguística é uma expressão empregada para denominar como os indivíduos que compartilham a mesma língua têm diferentes formas de utilizá-la. Essa diversidade de escrita e fala decorre de fatores geográficos, socioculturais, temporais e contextuais, e pode ser justificada pelo funcionamento cerebral dos usuários do idioma bem como pelas interações entre eles.

2. Qual a importância?

2.1. A importância das variações reside no fato de que elas são elementos históricos, formadores de identidades e capazes de manter estruturas de poder.

3. Tipos de variações linguísticas

3.1. A variação linguística consiste num fenômeno que reúne diversas manifestações faladas ou escritas dos usuários de uma mesma língua. Além disso, a ocorrência dela depende do fato de as palavras e expressões terem uma afinidade semântica, ou seja, estabelecerem uma relação de sentido bastante próxima, apesar de distinguirem-se no que toca ao aspecto fonético (som), fonológico (função dos sons), lexical (vocabular) ou sintático (relação entre os termos formadores de frases e orações).

4. Variações históricas (diacrônicas)

4.1. As variações históricas tratam das mudanças ocorridas na língua com o decorrer do tempo. Algumas expressões deixaram de existir, outras novas surgiram e outras se transformaram com a ação do tempo. Ex: Vossa mercê → Vosmecê → Você → Cê

5. Variações geográficas ou regionais (diatópicas)

5.1. As variações geográficas naturalmente falam da diferença de linguagem devido à região. Essas diferenças tornam-se óbvias quando ouvimos um falante brasileiro, um angolano e um português conversando: nos três países, fala-se português, mas há diferenças imensas entre cada fala. Ex: “Mandioca”, “aipim” ou “macaxeira”? Os três nomes estão corretos, mas, dependendo da região do Brasil, você ouvirá com mais frequência um ou outro. O mesmo vale para a polêmica disputa entre “biscoito” e “bolacha”, que se estende para todo o território nacional.

6. Variações sociais (diastráticas)

6.1. As variações sociais são as diferenças de acordo com o grupo social do falante. Embora tenhamos visto como as gírias variam histórica e geograficamente, no caso da variação social, a gíria está mais ligada à faixa etária do falante, sendo tida como linguagem informal dos mais jovens (ou seja, as gírias atuais tendem a ser faladas pelos mais novos). Há, ainda, expressões informais ligadas a grupos sociais específicos. Um grupo de futebolistas, por exemplo, pode usar a expressão “carrinho” com significado específico, que pode não ser entendido por um falante que não goste de futebol ou que será entendido de modo distinto por crianças, por exemplo.

7. Variações estilísticas (diafásicas)

7.1. As variações estilísticas remetem ao contexto que exige a adaptação da fala ou ao estilo dela. Aqui entram as questões de linguagem formal e informal, adequação à norma-padrão ou despreocupação com seu uso. O uso de expressões rebuscadas e o respeito às normas-padrão do idioma remetem à linguagem tida como culta, que se opõe àquela linguagem mais coloquial e familiar. Na fala, o tom de voz acaba tendo papel importante também.