Figuras de Linguagem

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Figuras de Linguagem por Mind Map: Figuras de Linguagem

1. O que é?

1.1. Figuras de Linguagem, também chamadas de figuras de estilo, são recursos estilísticos usados para dar maior ênfase à comunicação e torná-la mais bonita.

2. Dependendo da sua função, elas são classificadas em:

2.1. Figuras de sintaxe ou construção: interferem na estrutura gramatical da frase. Exemplos: elipse, zeugma, hipérbato, polissíndeto, assíndeto, anacoluto, pleonasmo, silepse e anáfora.

2.2. Figuras de palavras ou semânticas: estão associadas ao significado das palavras. Exemplos: metáfora, comparação, metonímia, catacrese, sinestesia e perífrase.

2.3. Figuras de pensamento: trabalham com a combinação de ideias e pensamentos. Exemplos: hipérbole, eufemismo, litote, ironia, personificação, antítese, paradoxo, gradação e apóstrofe.

2.4. Figuras de som ou harmonia: estão associadas à sonoridade das palavras. Exemplos: aliteração, paronomásia, assonância e onomatopeia.

3. Figuras de Palavras

3.1. Metáfora A metáfora representa uma comparação de palavras com significados diferentes e cujo termo comparativo fica subentendido na frase. Exemplo: A vida é uma nuvem que voa. (A vida é como uma nuvem que voa.)

3.2. Comparação Chamada de comparação explícita, ao contrário da metáfora, neste caso são utilizados conectivos de comparação (como, assim, tal qual). Exemplo: Seus olhos são como jabuticabas.

3.3. Metonímia A metonímia é a transposição de significados considerando parte pelo todo, autor pela obra. Exemplo: Costumava ler Shakespeare. (Costumava ler as obras de Shakespeare.)

3.4. Catacrese A catacrese representa o emprego impróprio de uma palavra por não existir outra mais específica. Exemplo: Embarcou há pouco no avião. Embarcar é colocar-se a bordo de um barco, mas como não há um termo específico para o avião, embarcar é o utilizado.

3.5. Sinestesia A sinestesia acontece pela associação de sensações por órgãos de sentidos diferentes. Exemplo: Com aquele olhos frios, disse que não gostava mais da namorada. A frieza está associada ao tato e não à visão.

3.6. Perífrase A perífrase, também chamada de antonomásia, é a substituição de uma ou mais palavras por outra que a identifique. Exemplo: O rugido do rei das selvas é ouvido a uma distância de 8 quilômetros. (O rugido do leão é ouvido a uma distância de 8 quilômetros.)

4. Figuras de Pensamento

4.1. Apóstrofe A apóstrofe é a interpelação feita com ênfase. Exemplo: Ó céus, é preciso chover mais?

4.2. Gradação A gradação é a apresentação de ideias que progridem de forma crescente (clímax) ou decrescente (anticlímax). Exemplo: Inicialmente calma, depois apenas controlada, até o ponto de total nervosismo. No exemplo acima, acompanhamos a progressão da tranquilidade até o nervosismo.

4.3. Paradoxo O paradoxo representa o uso de ideias que têm sentidos opostos, não apenas de termos (tal como no caso da antítese). Exemplo: Estou cego de amor e vejo o quanto isso é bom. Como é possível alguém estar cego e ver?

4.4. Antítese A antítese é o uso de termos que têm sentidos opostos. Exemplo: Toda guerra finaliza por onde devia ter começado: a paz.

4.5. Personificação A personificação ou prosopopeia é a atribuição de qualidades e sentimentos humanos aos seres irracionais. Exemplo: O jardim olhava as crianças sem dizer nada.

4.6. Ironia A ironia é a representação do contrário daquilo que se afirma. Exemplo: É tão inteligente que não acerta nada.

4.7. Eufemismo O eufemismo é utilizado para suavizar o discurso. Exemplo: Entregou a alma a Deus. Acima, a frase informa a morte de alguém.

4.8. Hipérbole A hipérbole corresponde ao exagero intencional na expressão. Exemplo: Quase morri de estudar.

4.9. Litote O litote representa uma forma de suavizar uma ideia. Neste sentido, assemelha-se ao eufemismo, bem como é a oposição da hipérbole. Exemplo: — Não é que sejam más companhias… — disse o filho à mãe. Pelo discurso, percebemos que apesar de as suas companhias não serem más, também não são boas.

5. Figuras de Sintaxe

5.1. Anáfora A anáfora é a repetição de uma ou mais palavras de forma regular. Exemplo: Se você sair, se você ficar, se você quiser esperar. Se você “qualquer coisa”, eu estarei aqui sempre para você.

5.2. Silepse A silepse é a concordância com o que se entende e não com o que está implícito. Ela é classificada em: silepse de gênero, de número e de pessoa. Exemplos: Vivemos na bonita e agitada São Paulo. (silepse de gênero: Vivemos na bonita e agitada cidade de São Paulo.) A maioria dos clientes ficaram insatisfeitas com o produto. (silepse de número: A maioria dos clientes ficou insatisfeita com o produto.) Todos terminamos os exercícios. (silepse de pessoa: neste caso concordância com nós, em vez de eles: Todos terminaram os exercícios.)

5.3. Pleonasmo Pleonasmo é a repetição da palavra ou da ideia contida nela para intensificar o significado. Exemplo: A mim me parece que isso está errado. (Parece-me que isto está errado.)

5.4. Anacoluto o anacoluto é a mudança repentina na estrutura da frase. Exemplo: Eu, parece que estou ficando zonzo. (Parece que eu estou ficando zonzo.)

5.5. Polissíndeto O polissíndeto é o uso repetido de conectivos. Exemplo: As crianças falavam e cantavam e riam felizes.

5.6. Elipse A elipse é a omissão de uma palavra que se identifica de forma fácil. Exemplo: Tomara você me entenda. (Tomara que você me entenda.)

5.7. Zeugma A zeugma é a omissão de uma palavra pelo fato de ela já ter sido usada antes. Exemplo: Fiz a introdução, ele a conclusão. (Fiz a introdução, ele fez a conclusão.)

5.8. Hipérbato O hipérbato é a alteração da ordem direta da oração. Exemplo: São como uns anjos os seus alunos. (Os seus alunos são como uns anjos.)

5.9. Assíndeto O assíndeto representa a omissão de conectivos, sendo o contrário do polissíndeto. Exemplo: Não sopra o vento; não gemem as vagas; não murmuram os rios.

6. Figuras de Som

6.1. Aliteração A aliteração é a repetição de sons consonantais. Exemplo: O rato roeu a roupa do rei de Roma.

6.2. Paronomásia Paronomásia é a repetição de palavras cujos sons são parecidos. Exemplo: O cavaleiro, muito cavalheiro, conquistou a donzela. (cavaleiro = homem que anda a cavalo, cavalheiro = homem gentil)

6.3. Assonância A assonância é a repetição de sons vocálicos. Exemplo: "O que o vago e incógnito desejo de ser eu mesmo de meu ser me deu." (Fernando Pessoa)

6.4. Onomatopeia Onomatopeia é a inserção de palavras no discurso que imitam sons. Exemplo: Não aguento o tic-tac desse relógio.