O processo de autonomização da psicologia

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O processo de autonomização da psicologia por Mind Map: O processo de autonomização da psicologia

1. Participação na construção da pedagogia: Surgimento da Pedagogia nova, colocando o aluno no centro do processo de construção de conhecimento, incentivo a reflexão, a observação e o pensamento crítico, possuindo assim, a psicologia como fundamentação científica.

2. No século XIX: Marcado por conflitos e revoluções; nessa época viveram filósofos e pensadores que criaram teorias e reflexões responsáveis por alterar alguns padrões.

3. Contexto Histórico

3.1. No século XX: Aumento da industrialização, urbanização, crescimento do proletariado e empresariado.

3.2. Influência de países europeus e dos Estados Unidos para o ínicio da psicologia no Brasil através de estrangeiros ou por brasileiros que iam estudar fora do país.

3.3. A psicologia que se estabeleceu foi a que teve origem em instituições educacionais e médicas, campos denominados por representantes das camadas intelectuais.

4. Demandas da psicologia

4.1. Controle intelectual: Construção de um novo homem, adequando aos tempos modernos, necessitando uma transformação da ordem social.

4.2. Aplicação de testes: Utilização de testes de inteligência em seleções a fim de uma racionalidade nas gestões das instituições para a implementação e desenvolvimento industrial.

5. Características da Psicologia na época

5.1. A psicologia no Brasil nesse contexto ainda apresentava ideais muito tardios vindos da Europa e América do Norte.

5.2. A psicologia ainda tentava se afirmar como uma ciência, e que se misturava bastante com a medicina e na área educacional, apresentando muito enfoque biológico, não considerando o caráter subjetivo do ser humano.

5.3. Havia críticas por parte de teóricos como Bonfim e Pernambucano, na quais oferecem concepções e possibilidades de compreensão do fenômeno psicológico que só mais tarde seriam consideradas pela Psicologia.

5.4. As críticas englobam a necessidade da psicologia no Brasil focar em algo ligado a subjetividade humana e os fatores históricos sociais.