BIOENERGÉTICA

BIOENERGETICA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
BIOENERGÉTICA por Mind Map: BIOENERGÉTICA

1. Processo respiração celular

2. Termodinâmica

2.1. Sistema Adiabáticos: não permite troca de energia com o universo.

2.1.1. Sistema Diatérmicos: permite troca de energia com o universo.

2.2. 1ª Lei

2.2.1. Conservação de energia.

2.2.1.1. Apresenta um sistema diatérmico.

2.2.2. A + B → C + calor

2.2.2.1. Entalpia (H)

2.2.2.1.1. Endotérmica, capta energia e o ΔH é positivo.

2.2.2.1.2. Exotérmica, libera energia e o ΔH é negativo.

2.3. 2ª Lei

2.3.1. Sistema adiabático tende a aumentar.

2.3.1.1. Aumento da desordem no universo.

2.3.2. Entropia (S)

2.3.2.1. Medida que determina o grau de desordem pela ação de uma temperatura.

2.4. Energia Livre de Gibbs (G)

2.4.1. Energia para realizar trabalho durante uma reação de temperatura e pressão constante.

2.4.2. Exergônico, libera energia e o ΔG é negativo.

2.4.2.1. Endergônica, capta energia e o ΔG é positivo.

2.5. Calculo de variação de energia: ΔG = ΔH - T.ΔS (onde T é a temperatura absoluta).

2.6. Leis da Termodinâmica

3. Respiração Celular

3.1. Processo Anaeróbio

3.1.1. Capaz de disponibilizar energia livre para o organismo em carência de oxigênio.

3.1.2. Organismo dispõe de duas vias anaeróbias: via de emergência primária e via de gatilho.

3.1.2.1. Via de Gatilho

3.1.2.1.1. Transferência direta de energia da fosfocreatina (PCr) para o ADP, em um único acoplamento de desfosforilação/fosforilação.

3.1.2.1.2. É a via celular de menor complexidade, sendo a via mais rápida na produção de ATP. Contudo, é a via de menor capacidade, pois sintetiza apenas uma molécula de ATP por molécula processada de PCr.

3.1.2.1.3. É o principal fornecedor energético inicial para realização dos trabalhos celulares.

3.1.2.1.4. Priorizada todas as vezes que ocorrer um aumento na intensidade da atividade física.

3.1.2.2. Via de Emergência Primária

3.1.2.2.1. Quebra citosólica da glicose em duas moléculas de piruvato (glicólise).

3.1.2.2.2. Acrescentada de mais um acoplamento de oxidação/redução.

3.1.3. Produção de ATP independente do suprimento de oxigênio.

3.2. Processo Aeróbio

3.2.1. Ocorre no citoplasma (glicólise) e na mitocôndria (ciclo e cadeia)

3.2.1.1. Glicólise

3.2.1.1.1. Energia proveniente da quebra de ATP's.

3.2.1.1.2. Cada ATP dará origem a 1 NADH e 1 piruvato.

3.2.1.1.3. Saldo: 2ATP, 2 NADH, 2 piruvatos.

3.2.1.2. Ciclo de Krebs

3.2.1.2.1. Ocorre na matriz mitocondrial.

3.2.1.2.2. Remoção de CO2 em piruvato, onde cada piruvato reage com CoA (coenzima A).

3.2.1.2.3. Saldo: 2 ATP, 8 NADH, 2 FADH2 - Libera 8 CO2.

3.2.1.3. Cadeia Respiratória ou Fosforilação Oxidativa

3.2.1.3.1. Maior produção de ATP.

3.2.1.3.2. Cada NADH produzirá 3 ATP's e cada FADH2 2 ATP's.

3.2.1.3.3. Saldo: 34 ATP.

3.2.2. Glicose: C6H12O6

3.2.3. Produz muita energia (38 ATP).

3.2.4. Oxidação completa da glicose.

3.3. Processo bioquímico que tem como objetivo a produção de ATP (energia).

4. Fermentação

4.1. Oxidação incompleta da glicose.

4.2. Processo anaeróbio.

4.3. Produz pouca energia (2ATP).

4.4. Ocorre no citoplasma.

4.5. Fermentação Láctica

4.5.1. ácido láctico

4.5.2. 2 ATP

4.5.3. células musculares.

4.6. Fermentação Alcoólica

4.6.1. álcool etílico (etanol)

4.6.2. 2 ATP

4.6.3. leveduras (fungos)

4.6.4. libera CO2

4.7. Fermentação Acética

4.7.1. ácido acético

4.7.2. 2 ATP

4.7.3. bactérias

4.8. Processo de Fermentação

5. Fotossíntese

5.1. Síntese de matéria orgânica a partir de matéria inorgânica.

5.2. Nas plantas ocorre nos cloroplastos.

5.3. Produção de energia através do sol.

5.4. Fase Luminosa

5.4.1. etapa fotoquímica.

5.4.2. produz O2, NADPH2 e ATP.

5.4.3. usa luz e H2O.

5.4.4. fotofosforilação cíclica, acíclica e fotólise da água.

5.4.5. ocorre na tilacoide.

5.5. Fase Escura

5.5.1. etapa química.

5.5.2. ciclo calvin-benson/ dos pentose.

5.5.3. ribulose + CO2 ➙ PGA (enzima rubisco).

5.5.4. PGAL ➙ glicose.

5.5.5. usa ATP, NADPH2, CO2 e produz glicose.

5.5.6. ocorre no estroma.

5.6. Processo Fotossíntese

6. es el estudio de las transformaciones energéticas que tienen lugar en las células vivas y sus funciones.