COMPORTAMENTOS E ATITUDES

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
COMPORTAMENTOS E ATITUDES por Mind Map: COMPORTAMENTOS E ATITUDES

1. Em que medida as atitudes predizem o comportamento?

1.1. As atitudes expressas das pessoas dificilmente preveem seus comportamentos variáveis

1.1.1. No balanço geral o quadro que vem se formando sobre o que controla o comportamento enfatizou em mudanças sociais externas, tais como comportamentos e expectativas dos outros...

1.2. Hipocrisia moral, que seria parecer moralmente correto e ao mesmo tempo evitar aos custos de sê-lo.

2. Quando o que dizemos sofrem mínimas influências sociais

2.1. Diferentemente de um médico que mede a frequência cardíaca, os psicólogos sociais nunca fazem uma leitura direta das atitudes. Em vez disso, medem atitudes expressas.

3. A atitude é uma relação favorável ou desfavorável a algo ou alguém (com frequência enraizada em nossas creças e exibida em nossos sentimentos e comportamento pretendido).

3.1. Assim, uma pessoa pode ter uma atitude negativa em relação ao café, uma atitude neutra em relação aos franceses e uma atitude positiva em relação ao vizinho que mora ao lado.

4. O estudo das atitudes está próximo da essência da psicologia social

5. Quando outras influencias sobre o comportamento são mínimas

5.1. Em qualquer ocasião, não são apenas nossas atitudes internas que nos guiam, mas também a situação que enfrentamos.

5.2. Para usar um exemplo da pesquisa, a atitude geral das pessoas com relação à religião não prediz bem se elas irão à missa na semana seguinte (porque o comparecimento também é influenciado pelo clima, pelo padre, por como estamos nos sentindo, e assim por diante). Mas as atitudes religiosas predizem muito bem a total quantidade de comportamentos religiosos ao longo do tempo (Fishbein & Ajzen, 1974; Kahle & Berman, 1979). Os achados definem um princípio de agregação: os efeitos de uma atitude se tornam mais evidentes quando consideramos o comportamento agregado ou mediano do que quando consideramos atos isolados.

6. Quando as atitudes são potentes

6.1. Grande parte de nosso comportamento é automático. Agimos de acordo com roteiros familiares sem refletir sobre o que estamos fazendo. Essa falta de atenção é adaptativa. Ela livra nossas mentes para trabalhar em outras coisas.

7. O fenomeno pé na porta

7.1. Uma técnica em que é pedido um pequeno favor à pessoa de quem se tem intenção de obter algo maior

7.2. É uma lição digna de ser lembrada. Alguém tentando nos seduzir - financeira, política ou sexualmente - irá com frequência usar essa técnica para criar um ímpeto de aquiescência.

8. Quando atitudes específicas ao comportamento são examinados

9. Por que o comportamento afeta as atitudes?

9.1. Diversas correntes de evidências se fundem para formar um rio: o efeito das ações sobre as atitudes.

9.1.1. Justificação insuficiente: Redução da dissonância justificando internamente o próprio comportamento quando justificação "insuficiente"

9.1.2. Dissonância após decisões: A ênfase na escolha e responsabilidade percebidas implica que decisões produzem dissonância. Quando confrontadas com uma decisão importante às vezes nos sentimos dilacerados entre duas alternativas igualmente atraentes.

10. Excesso de justificação e motivações intrínsecas

10.1. Excesso de justificativa: Ocorre quando é oferecido uma recompensa desnecessária de antemão em um esforço obvio para controlar o comportamento

10.2. Motivações intrínsecas: Não há necessidade de recompensas, visto que a tarefa em si própria, representa um interesse, algo de que se gosta ou faz parte da maneira de ser.

11. Comparação entre teorias

11.1. vimos dois modos de explicar por que nossas ações afetam genuinamente nossas atitudes: (1) a suposição da teoria da dissonância de que justificamos nosso com portamento para reduzir nosso desconforto interno e (2) a suposição da teoria da autopercepção de que observamos nosso comportamento e fazemos inferências razoáveis sobre nossas atitudes, muito como observamos outras pessoas e inferimos as atitudes delas.

12. Dizer torna-se acreditar

12.1. As pessoas muitas vezes adaptam o que dizem para agradar seus ouvintes. Elas são mais rápidas para contar boas do que más noticias e ajustam sua mensagem conforme a posição do ouvinte. Quando induzidas a dar apoio verbal ou escrita a alguma coisa que eles duvidam, as pessoas geralmente se sentem mal em relação a fraude. Contudo, elas começam a acreditar no que estão dizendo - contanto que não tenham sido subornadas ou coagidas a fazer isso.

13. Dissonância após decisões: Depois de tomar decisões importantes, geralmente reduzimos a dissonância promovendo a alternativa escolhida e rebaixando a opção não escolhida. Uma vez tomadas, as decisões criam suas próprias pernas auto justificadoras de apoio.

14. Movimentos sociais: "expressão técnica" que designa a ação coletiva de setores da sociedade ou organizações sociais para defesa ou promoção, no âmbito das relações de classes, de certos objetivos ou interesses, tanto de transformação quanto de preservação da ordem estabelecida na sociedade.

15. Justificação insuficiente: Redução da dissonância justificando internamente o próprio comportamento quando justificação interna é "insuficiente".