SUBJETIVIDADE PRIVADA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
SUBJETIVIDADE PRIVADA por Mind Map: SUBJETIVIDADE PRIVADA

1. Mito

1.1. explica a verdade

1.2. ALMA (para os Gregos): areté grega - perfeição

1.3. "subjetividade privada" visando impedir a barbárie/rumo à pólis

1.4. Virada Homérica

1.4.1. tradição mítica passa a ser objeto de um exame racional

2. Naturalistas

2.1. TALES DE MILETO

2.1.1. ARCHÉ

2.2. ANAXIMANDRO

2.2.1. APEIRÓN

2.3. HERÁCLITO

2.3.1. DEVIR (é do princípio das coisas ter a possibilidade de deixar de ser); "não se pode entrar duas vezes no mesmo rio"

2.4. PITÁGORAS

2.4.1. Ciência como purificação da Alma;

2.5. PARMÊNIDES

2.5.1. Ontologia; Gnosiologia; Princípio da não contradição; RAZÃO como caminho do real (SER)

2.6. DEMÓCRITO

2.6.1. possibilidade do Não-Ser; conceito de átomo = não divisível; diferenças nas formas e fig. geométricas

3. Sofistas

3.1. Consciência - estratégia de vida

3.1.1. Areté - Virtude: nascimento como fonte

3.2. KALOAGATHIA

3.2.1. Espírito-Alma-Geist: ÓRGÃO que percebe o mundo = substância

3.2.2. Geist com estrutura: SABER (sophia) e FORMAÇÃO SOCIAL (phoresis)

3.3. Protágoras de Abdera

3.3.1. relativismo (contrário aos fil. da PHYSIS) ; tudo pode ter mais de uma razão, trata-se de discutir

3.4. Não existe absoluto, e sim o ÚTIL (antílogo/areté); a VIRTUDE = fazer prevalecer seu ponto de vista (dialética)

4. Sócrates

4.1. Essência do homem

4.2. ALMA para Sócrates

4.2.1. Algo da Natureza, acessível à forma e à ordem

4.2.1.1. Fil. da Physis = verdade última das coisas (cósmos); para Sócrates = verdade (PSYCHÉ/ALMA) do homem

4.2.2. Consciência - razão

4.2.3. Moral - eticamente operante

4.2.4. Personalidade Intelectual - atividade pensante

4.2.5. a Alma pode ser CUIDADA

4.3. INTELIGÊNCIA - nova Virtude

4.3.1. É trabalhada na Alma

4.3.2. "conheça-te a ti mesmo"

4.4. LIBERDADE em Sócrates

4.4.1. Máxima da excelência da Psyché/Razão

4.4.2. Quem vence as paixões (desejos/necessidade)

4.4.3. Domínio de sua racionalidade sobre a animalidade

5. Platão

5.1. IDEALISMO

5.1.1. conteúdo inteligível (PSYCHÉ)

5.2. MUNDO DAS IDEIAS

5.2.1. Eidos (forma) - essência das coisas; modelo permanente

5.2.2. as coisas não deixam de ser

5.3. ALMA UNITÁRIA

5.3.1. imortal; supra-sensível

5.3.2. cisão total entre MENTE e CORPO

5.3.3. orfismo pitagórico = alma deve tirar de si a verdade que já possui desde sempre > ANAMNESE (recordar)

5.3.4. Modelo Tripartido = INTELECTIVA / IRASCÍVEL / CONCUPSCÍVEL

5.3.4.1. resgate ao THYMÓS (vínculo desejo razão)

5.3.4.2. alma que pensa = alma que se apaixona

6. Aristóteles

6.1. Metafísica

6.1.1. ciências teoréticas

6.1.2. ciências práticas

6.1.3. ciências poiéticas

6.2. SUJEITO

6.2.1. ATO (forma; o concretizar da potência) e POTÊNCIA (matéria; possibilidade)

6.3. ALMA

6.3.1. lugar que atribui FORMA ao corpo, pode deixar de ser o que é (tem potência)

6.3.2. Modelo Tripartido

6.3.2.1. alma VEGETATIVA

6.3.2.2. alma SENSITIVA

6.3.2.3. alma INTELECTIVA

7. Cartesianismo

7.1. Cogito

7.1.1. código = subst. pensante diferente de matéria; princípio intuitivo

7.2. ALMA para Descartes

7.2.1. é PENSAMENTO; IMORTAL; é na alma que se tem a RAZÃO

7.3. Res Cogitans = Pensamento

7.4. Res Extensa = Material

7.5. Ideias

7.5.1. inatas - conhecimento À PRIORI

7.5.2. derivadas - depende do SENSITIVO

7.5.3. factícias - inventadas; astrologia

8. Empirismo

8.1. CONHECIMENTO- adquirido por EXPERIÊNCIAS

8.2. LÓGICA- Síntese Aposteriori

8.3. ALMA - Faculdades aprendidas

8.4. Ideia x Qualidade

8.4.1. ideia: SENSO PERCEPÇÃO (ex bola de neve)

8.4.2. qualidade: INTERAÇÕES (ex branca, gelada...)

8.5. Resolução Huminiana

8.5.1. Ideia x Impressão

9. Idealismo

9.1. dualismo de Kant

9.1.1. defende a metafísica (mundo das ideias e mundo das coisas) e nega a possibilidade de conhecimentos do mundo das ideias

9.2. conhecimento SENSÍVEL

9.2.1. fenômeno; volta a ser intuição (se autojustifica)

9.3. conhecimento INTELECTIVO

9.3.1. faculdade que representa o que não é captado pela mente

9.4. JUÍZO

9.4.1. conexão entre dois conceitos

9.4.1.1. Juízo Analítico - PREDICADO; FORMA; conhecimento à priori

9.4.1.2. Juízo Sintético - Experiência; conhecimento à posteriori; CORPO (qualidades)

9.4.1.3. JUÍZOS SINTÉTICOS À PRIORI - conceitos intuídos à priori adicionados a experiência depois

9.5. conhecimento

9.5.1. limite cognitivo do sujeito = juízo sintético à priori

9.6. estruturas transcendentais

9.6.1. são juízos sintéticos à priori; ex: ESPAÇO-TEMPO; o sujeito é algo da transcendência

10. Positivismo

10.1. Objetificação do sujeito (queda da metafísica)

10.2. Leis dos 3 estágios de Comte

10.2.1. Teológico

10.2.1.1. inteligência

10.2.2. Metafísico

10.2.2.1. transição

10.2.3. Positivo

10.2.3.1. estado fixo e definitivo