Trabalho de Conclusão de Curso (pré-projeto)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Trabalho de Conclusão de Curso (pré-projeto) por Mind Map: Trabalho de Conclusão de Curso (pré-projeto)

1. BPN: <2.500g

1.1. Baixo peso ao nascer: <2.500g

1.2. Muito baixo peso ao nascer: <1.500g

1.3. Extremo baixo peso: <1.000g

1.4. O nascimento prematuro e o BPN são os determinantes mais importantes da morbimortalidade infantil (BRASIL, 2014).

2. Título: LEITE MATERNO DOADO POR MÃES DE RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS

3. RNPT: <37 semanas de IG

4. Leite Materno (beneficios)

4.1. Redução nos índices de agravo de patologias especificas desta fase, como ENC (PEREIRA, et. al., 2019).

4.2. Auxilia no vinculo mãe-bebê (PEREIRA, et. al., 2019).

4.3. Composição do LM

4.3.1. Colostro: até o 6° dia (SANTIAGO et al., 2018).

4.3.1.1. compostos imunológicos, lactoferrina, leucócitos e fatores de crescimento.

4.3.1.2. concentrações menores de lactose e maior quantidade de proteínas e lipídios em comparação ao leite maduro

4.3.1.3. 7° ao 14° dia: transição; 15º em diante: maduro; (SANTIAGO et al., 2018).

4.3.1.4. Proteínas, imunoglobulinas, lipídios e vitaminas (SANTIAGO et al., 2018).

4.3.2. Segundo Oliveira, Ferreira e Piccinin (2021), o colostro no aspecto imunológico têm altas concentrações de anticorpos como IgA, IgM, IgE e IgD.

4.3.2.1. Tambem células polimorfonucleares como macrófagos, neutrófilos e eosinófilos, que fagocitam microrganismos patológicos.

4.3.2.2. propriedades probióticas e antibióticas, como lisozima, lactoferrina, entre outros; o que fortalece o sistema imunológico da criança.

4.3.2.3. Mais vulnerável nessa primeira etapa da vida, e geralmente comprometido em RNPT e recém-nascidos pré-termo baixo peso (RNPTBP).

4.3.3. LM de mães de prematuros

4.3.3.1. Características diferenciadas do LM de mães de RNs a termo

4.3.3.2. Maiores níveis de peptídeos tróficos

4.3.3.3. também possui altos índices de antioxidantes, maior conteúdo de ácidos graxos saturados, aminoácidos totais, nitrogênio, e proteínas (LUNA; MARTIN; OGAZ; 2020).

4.3.3.4. Segundo Mills (et. al. 2019), o leite materno de mães de RNPT possui maior nível de proteínas, gorduras e ácidos graxos em comparação com o leite de mães de bebes a termo

5. Crianças RNPT podem não conseguir uma sucção efetiva na mama

5.1. Opções

5.1.1. Oferta do LM da própria mãe pela técnica do copinho

5.1.2. Receber o leite do banco de leite, doando o excedente para os BLHs (REDE BRASILEIRA DE BANCO DE LEITE HUMANO - RBBLH, 2019).

6. BLH

6.1. Promoção e proteção da amamentação

6.2. Executar atividades de coleta de LM, seleção, classificação, processamento, controle de qualidade e fornecimento deste leite.

6.3. LH doado nos Bancos de Leite Humano passa por processos específicos de pasteurização e testes como acidez dornic e crematrócrito, além de serem catalogados quanto à fase do leite, volume recebido, e o tempo de vida do lactente.

7. Retirada do LM para doação

7.1. A mãe deve ferver o recipiente de coleta do leite por 15 minutos em água, e depois deixa-los secar naturalmente sobre pano seco e limpo

7.2. A mãe deve prender os cabelos

7.3. Lavar bem as mãos até a região dos cotovelos e higienizar as mamas

7.4. Sentar em ambiente limpo e confortável para realizar ordenha do leite

7.5. Desprezar os primeiros jatos do leite

7.6. O LM chega ao BLH congelado e inicia-se o processo de estocagem

8. Estocagem do LM

8.1. observa-se a embalagem cor, identificação, data da coleta e aspecto do LH), seleção e classificação de acordo com o tipo de leite;

8.2. Depois, acontece o teste de acidez dornic

8.2.1. De acordo com o resultado, o leite é considerado adequado ou não para o consumo.

9. Crematócrito

9.1. Técnica que permite cálculo aproximado da quantidade de ácidos graxos contidos no LH ordenhado (BRASIL, 2008).

10. Pasteurização (BRASIL, 2008).

10.1. Pasteurização a 62,5 ºC durante 30 minutos

10.2. Não visa à esterilização

10.3. Mas sim a inativação dos microrganismos danosos a saúde

11. Teste microbiológico (BRASIL, 2008).

11.1. coleta-se uma amostra do leite pasteurizado.

11.2. para identificar a inativação dos microrganismos indicadores de qualidade sanitária.

11.3. Se negativo, o LM está pronto para o consumo

12. Justificativa

12.1. Prevalência de aleitamento materno (AM) em RNPT é menor comparada aos recém-nascidos a termo.

12.2. Há a necessidade de discutir estratégias de incentivo utilizadas para a manutenção da amamentação dos RNPT visando aumentar esses índices (VILÉN et al., 2015).

12.3. De acordo com Victora et. al. (2016) o aleitamento materno é um dos principais incentivos para a redução da morbimortalidade em RNPT.

12.4. RNPT ingerir leite materno proveniente de mães de bebês pré-termo, uma vez que este leite possui características diferentes do leite de mães de bebes a termo (LUNA; MARTIN; OGAZ; 2020).

12.5. Qual o volume de leite humano doado pelas mães de bebês prematuros?

13. Objetivos

13.1. Objetivos Geral

13.1.1. Analisar o leite doado por mães de RNPT a um Banco de Leite Humano situado na 15ª Regional de Saúde do Estado do Paraná no ano de 2019.

13.2. Objetivos especificos

13.2.1. Identificar a fase, o volume, a quilocaloria e o tempo dos leites doados pelas mães de bebês prematuros.

14. Metodologia

14.1. Tipo de Pesquisa

14.1.1. Pesquisa descritiva, exploratória, transversal de abordagem quantitativa.

14.1.2. Estudos transversais são ideais para elencar questionamentos ligados à uma possível associação ao invés de testar hipóteses (FREIRE; PATTUSSI, 2018; ROMANOWSKI; CASTRO; NERIS, 2019).

14.1.3. O processo descritivo e exploratório tem por foco detalhar achados relevantes a temáticas pesquisas de forma a explorar cada dado obtido, preservando os dados registros (TONETTO, et al., 2014).

14.2. População e amostra

14.2.1. Constituída pelos dados de leites doados e registrados nos livros de registro do BLH.

14.2.2. Amostra constituída pelos leites doados pelas mães de bebês prematuros.

14.3. Local de coleta

14.3.1. Realizado em um Banco de Leite Humano localizado na 15 a Regional de Saúde do Paraná.

14.4. Coleta de dados

14.4.1. se dará nos livros de registro de pasteurização do BLH preenchidos em 2019, de acordo com os critérios de inclusão estabelecidos: dados de leite humano doados por mães de RNPT com IG até 37 semanas de idade gestacional completa.

14.4.2. Não serão inclusos

14.4.2.1. doadoras que tiveram os bebês com IG acima de 37 semanas.

14.4.3. Variáveis coletadas

14.4.3.1. Data da coleta,

14.4.3.2. IG

14.4.3.3. Idade do lactente,

14.4.3.4. Classificação do leite,

14.4.3.5. Acidez dornic

14.4.3.6. Quilocaloria do LM

14.4.3.7. Volume do leite coletado

14.4.3.8. Resultado do microbiológico,

14.4.3.9. Data da pasteurização.

14.5. Análise dos dados

14.5.1. Serão lançados na planilha do Excel e feitas análise descritiva, e apresentadas as frequências absoluta e relativas.

14.5.2. Para testar a normalidade dos dados será aplicado o teste de Kolmogov Smirnov.

14.6. Aspectos éticos

14.6.1. O projeto recebeu parecer favorável (ANEXO 1) número 4.426.336 do Comitê Permanente de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (COPEP) da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

15. Palavras-chave

15.1. Aleitamento Materno;

15.2. Lactente Prematuro;

15.3. Bancos de Leite;

15.4. Enfermagem materno-infantil;

15.5. Leite Humano.