PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) por Mind Map: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV)

1. ANATOMIA

1.1. É um pequeno vírus DNA de dupla fita circular

1.1.1. Não envelopado, com simetria icosaédrica

1.2. Verruga Vulgar (VV)

1.2.1. Pápulas com superfície áspera e únicas ou múltiplas, de tamanhos variados, habitualmente assintomáticas

1.2.1.1. São mais comuns no dorso das mãos e dos dedos e em crianças no joelho

1.3. Verruga plantar

1.3.1. Pode ser profunda (mirmécia), que é menos dolorosa e habitualmente emissão peloHPV 2

1.3.1.1. Dolorosa e transmissão pelo HPV 1

1.3.2. Superficialmente com placas hiperceratóticas (verruga em mosaico

1.3.2.1. Menos dolorosa e causada pelo HPV 2

1.4. Verruga plana

1.4.1. Levemente elevados, da cor da pele ou pigmentadas, com superfície plana, lisa ou áspera

1.4.1.1. Face e o dorso das mãos são as mais comuns

1.4.1.2. Distribuição linear das lesões, corresponde a lesão escoriada ou outro trauma (fenômeno de Koebner)

1.4.2. Arredondadas ou poligonais e o seu tamanho varia 1-5mm

1.4.3. HPV 3 e o HPV 10

1.5. Verruga filiforme

1.5.1. Lesões pedunculadas, espiculadas, de crescimento perpendicular à superfície da pele

1.5.1.1. Lesões múltiplas ou múltiplas, acometendo, principalmente, a rosto e o pescoço

1.5.2. HPV 2

1.6. Verruga pigmentada

1.6.1. Coloração varia de cinza a castanho-enegrecida

1.6.2. Apresentam corpos de inclusão citoplasmáticos homogêneos específicos

1.6.3. HPV 4, 60 e 65

2. HISTOLOGIA

2.1. características histopatológicas presentes:

2.1.1. hiperceratose com paraceratose

2.1.1.1. verrugas planas

2.1.2. hipergranulose

2.1.3. acantose

2.1.3.1. verrugas planas

2.2. cristas epidérmicas são alongadas e, na periferia da lesão, apontam radialmente para o centro (arborização).

2.3. Características para diferenciar a verruga vulgar dos demais papilomas

2.3.1. Coilócitos

2.3.2. Representam o efeito citopático viral

2.3.3. Focos de grânulos de querato-hialina

2.4. Nas camadas espinhosa e granulosa há vacuolização difusa e aumento de tamanho das células

2.4.1. Com centralização dos núcleos, que se tornam picnóticos e basofílicos

3. FISIOPATOLOGIA

3.1. Tropismo por células epiteliais

3.1.1. Por isso causa lesões na pele e nas mucosas

3.2. sua replicação ocorre no núcleo das células escamosas epiteliais

3.3. ciclo de vida do relacionado ao programa de diferenciação celular da célula hospedeira

3.3.1. Permanecem no seu hospedeiro por longos períodos de vida

3.4. As funções vegetativas ocorrem nos queratinócitos diferenciados

3.5. Verrugas cutâneas são afecções frequentes

3.6. Transmissão pelo contato direto ou indireto com o indivíduo que tem a lesão

4. VIROLOGIA

4.1. Família Papoviridae, gênero Papillomavirus

4.2. Transmissão pelo contato direto ou indireto com o indivíduo que tem a lesão

4.2.1. Infectam seres humanos e alguns animais

4.2.1.1. Mas não há relato de uma espécie causando infecção produtiva em outra

4.2.2. Verrugas mais recentes apresentam maior quantidade viral quando comparadas a verrugas antigas.

4.2.3. Verrugas plantares possuem maior carga viral do que verrugas vulgares

4.2.4. O centro da lesão é o local de maior concentração viral

4.3. Seu genoma é estático e mutações ou recombinação são raros

4.3.1. Grande variade pode ser detectada em sítios aleatórios de pele normal em humanos e animais

4.3.1.1. Ciclo de vida latente é uma característica desse vírus

4.4. Infecta as células basais do epitélio com potencial de diferenciação

4.4.1. Disfunções na barreira epitelial por traumatismos, pequenas agressões ou macerações provocam perda de soluçãode continuidade na pele, possibilitando a infecçãoviral

4.4.1.1. Após a inoculação, o período de incubação varia de três semanas a oito meses

4.4.1.2. Observa-se regressão espontânea na maioria dos casos

4.4.1.2.1. Pacientes imunossuprimidos têm maior prevalência de verrugas e quadros mais extensos e persistentes

4.5. Nas lesões benignas, a replicação do genoma viral é extracromossômica. Nas lesões malignas, o DNA viral encontra-se integrado aos cromossomos da célula hospedeira e não acontece replicação viral

4.6. Epidemiologia

4.6.1. Idade média de 21,6 anos

4.6.2. Prevalência maior nas regiões Nordeste e Centro-Oeste e menor Região Sul e Sudeste

4.7. A infecção inicia-se quando o HPV alcança as células da camada basal

4.7.1. Não há replicação viral e o vírus apenas mantém seu genoma mediante uma amplificação de baixo número de cópias

4.8. Uma fase replicativa e a sintética protéica ocorrem nos queratinócitos diferenciados das camadas supra-basais

4.8.1. O tempo de evolução e o tipo de lesão se correlacionam com a quantidade de partículas detectadas.