Neoclassicismo

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Neoclassicismo por Mind Map: Neoclassicismo

1. Pintura neoclássica

1.1. O Neoclassicismo surgiu na metade do século XVIII, quando o Rococó ainda estava em alta, e caiu em desuso no início do século XIX. Entre os pintores neoclássicos estão Thomas Gainsborough, John Singleton Copley, George Stubbs, Sir Joshua Reynolds, Jacques-Louis David e Jean-Auguste Dominique Ingres

2. Arquitetura e escultura neoclássicas

2.1. Arquitetura

2.1.1. A mudança na arquitetura começa a ser percebida na Inglaterra, nas construções a partir de meados de 1600, como a Catedral de São Paulo, em Londres.

2.2. Escultura

2.2.1. Antonio Canova iniciou a carreira em Veneza e ficou famoso por modificar o estilo greco-romano. Dirigia um grande ateliêe produzia muitas peças por encomendas, como Napoleão e Psiquê revivida pelo beijo do amor.

3. Moda neoclássica

3.1. O termo “moda” pode ser usado para descrever pessoas que seguem determinada tendência. Foi empregado pela primeira vez no século XVII, em referência a pessoas que cultuavam elegância, especialmente os franceses. O termo também faz referência a um grupo, principalmente da classe alta, que buscava uma espécie de mutabilidade da elegância em relação a roupas, convenções sociais, objetos de decoração, pensamentos e modos de escrita

3.2. A França dita a moda

3.2.1. A história da moda está, evidentemente, associada à história dos tecidos e à escassez de matéria-prima para a produção. Esse é o caso do algodão, na China, e da lã, na Europa. Também está atrelada ao comércio mundial e às trocas que os pobres faziam para adquirir seus luxos.

4. Surgimento do teatro clássico

4.1. A Revolução Francesa determinou e definiu a forma de vida que era esperada pela nova classe social, a qual surge apoiada em sentimento e razão, que define direitos humanos e civis. O teatro passou a ser um local para se falar desse novo autoconhecimento humano, em que não havia estilo nacionalista francês ou alemão, mas simplesmente humano, como afirma Diderot na peça O pai de família.