Arranjo Físico

Conceito Arranjo Fisico - Projeto de Fabrica

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Arranjo Físico por Mind Map: Arranjo Físico

1. DEFINIÇÕES

1.1. É a maneira como homens (MO), máquinas e equipamentos serão dispostos em uma fábrica ou indústria.

1.2. É um arranjo ou uma disposição de máquinas e equipamentos, em geral em uma área qualquer de trabalho.

2. SÍNTESE HISTÓRICA

2.1. Os estudos de Arranjo Físico se iniciaram com o artesanato e o comércio pela necessidade da racionalização do espaço para aumento da produção.

3. OBJETIVOS

3.1. PRODUTIVIDADE – criação de relação de bem estar com o trabalho.

3.2. ECONOMIA DE ESPAÇO – redução das demoras e manuseio.

3.3. REDUÇÃO DOS CUSTOS – produtos de boa qualidade.

3.4. SEGURANÇA DAS EQUIPES

4. QUANDO FAZER

4.1. Alguns sintomas indicam a necessidade de estudo de um Arranjo Físico.

4.1.1. REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO

4.1.2. OBSOLESCÊNCIA DAS INSTALAÇÕES

4.1.3. VARIAÇÃO DE DEMANDA

4.1.4. AMBIENTE DE TRABALHO INADEQUADO

4.1.5. EXCESSO DE ESTOQUES

4.1.6. EXCESSO DE MANUSEIO

4.1.7. INSTALAÇÃO DE NOVA FÁBRICA

5. PRINCÍPIOS PARA EXECUÇÃO

5.1. INTEGRAÇÃO

5.1.1. Homens, materiais e máquinas devem estar perfeitamente integrados. A fábrica deve operar como uma unidade, “uma macro máquina” com todas as suas engrenagens entrosadas.

5.2. MÍNIMA DISTÂNCIA

5.2.1. O melhor Arranjo Físico é aquele em que o produto se movimenta o menos possível. Os movimentos devem ser apenas aqueles indispensáveis, com distâncias reduzidas ao mínimo entre as operações.

5.3. FLUXO

5.3.1. As áreas de trabalho devem ser arranjadas de forma a permitir um fluxo constante de material, sem os inconvenientes de prolongadas esperas. Os cruzamentos e retornos de material devem ser evitados.

5.4. USO DO ESPAÇO VERTICAL

5.4.1. Devem ser utilizadas as três dimensões, horizontal, vertical e longitudinal. A utilização do subsolo ou do espaço superior é de grande valia nos transportes de uma seção para outra, evitando cruzamentos. As áreas de estocagem se reduzem quando se utiliza efetivamente a dimensão vertical.

5.5. SATISFAÇÃO E SEGURANÇA

5.5.1. Nenhum Arranjo Físico deve negligenciar a razão primeira da produção, o homem. Os acidentes devem ser evitados, os ambientes devem ser adequados quanto a temperatura, ventilação e iluminação, ruídos devem ser eliminados.

5.6. FLEXIBILIDADE

5.6.1. o Arranjo Físico deve apresentar flexibilidade a modificações se necessárias em virtude de variações no processo de produção na demanda ou na aquisição de novas máquinas.

6. ASPECTOS BÁSICOS DO PROJETO

6.1. PRODUTO (MATERIAL OU SERVIÇO) o que é produzido ou feito. Devem ser expressos em itens, variedades, modelos, estilos, formas classes de material, número de peças, grupos etc.

6.2. QUANTIDADE (OU VOLUME) o quanto cada item deve ser feito. As quantidades são expressas por número de peças, peso, volume ou valor do montante produzido ou vendido.

6.3. PROCESSO é um roteiro de atividades sequenciais, equipamentos e máquinas. É definido por listas de operações e equipamentos, cartas de processo, gráficos de fluxo etc.

6.4. SERVIÇOS DE APOIO são recursos atividades ou funções auxiliares que devem suprir as áreas de produção e que darão condições de funcionamento efetivo. Atividades administrativas, manutenção, expedição, refeitório etc.

6.5. TEMPO quando, por quanto tempo, com que freqüência e com que prazo.

7. FASES DO PLANEJAMENTO

7.1. FASE I – LOCALIZAÇÃO DO ARRANJO FÍSICO Determina a localização da área para a qual faremos o planejamento das instalações.

7.2. FASE II – ARRANJO FÍSICO GERAL Estabelece a posição relativa entre as diversas áreas.

7.3. FASE III – ARRANJO FÍSICO DETALHADO Envolve a localização detalhada de cada máquina ou equipamento.

7.4. FASE IV – IMPLANTAÇÃO E MONITORAÇÃO Nesta fase é planejado cada passo para a implantação (cronograma).

8. DEPENDE

9. TIPOS

9.1. ARRANJO FÍSICO POR PRODUTO OU LINEAR As máquinas são arranjadas de acordo com a sequência das operações a se realizarem. O produto se movimenta e as máquinas permanecem fixas.

9.1.1. ARRANJO FÍSICO LINEAR · Fabricação de produtos padronizados; · Produção em lotes; · Transporte e movimentação rápida e contínua; · Máquinas executam sempre a mesma operação.

9.1.1.1. ARRANJO LINEAR VANTAGENS · Redução do material em processo; · Menor congestionamento nos postos de trabalho; · Pequeno manuseio, menor perda de material; · Mão de obra barata não qualificada; · Pouco treinamento para o operário; · Supervisão e controle facilitado; · Redução de movimentos; · Transportes pode ser mecanizado.

9.1.1.2. DESVANTAGENS · Menor flexibilidade na demanda · Quebra de continuidade na produção quando houver defeito em alguma máquina na linha de produção.

9.2. ARRANJO FÍSICO POR PROCESSO OU FUNCIONAL O maquinário é arranjado para realizar as operações análogas em um mesmo local. O produto se move através de várias seções, podendo ou não haver sequências de operações.

9.2.1. ARRANJO FUNCIONAL · Fabricação de vários tipos de produtos, sendo flexível na variação da demanda; · Produção relativamente baixa; · As movimentações são lentas e em pequeno número; · Máquinas executam operações diversas ajustando-se ao tipo e quantidade de demanda.

9.2.1.1. ARRANJO FUNCIONAL VANTAGENS · Grande flexibilidade com a variação do produto; · Adaptável a produtos de grande variação sazonal; · Flexível quanto as mudanças nas sequências das operações; · Facilidade de supervisão, pois esta será feita por seção; · Continuidade de produção pode ser mantida mesmo quando ocorre defeito em alguma máquina.

9.2.1.2. DESVANTAGENS · Grande manuseio de material; · Maior quantidade de material em processamento.

9.3. ARRANJO FÍSICO POSICIONAL OU FIXO O produto permanece fixo enquanto operários e máquinas se movimentam.

9.3.1. ARRANJO POSICIONAL · O produto é de grande porte e estático; · Os movimentos são de matéria prima, operários e máquinas.

9.3.1.1. ARRANJO POSICIONAL VANTAGENS · Flexível para alterações no produto; · Adaptável a demandas intermitentes; · Menor necessidade de planejamento da produção.

9.3.1.2. DESVANTAGENS · Produção baixa e demorada; · Cruzamento inevitável no movimento de máquinas e operários; · Perda de material.