A constituição da disciplina curricular de língua portuguesa

Língua portuguesa

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
A constituição da disciplina curricular de língua portuguesa por Mind Map: A constituição da disciplina curricular de  língua portuguesa

1. Em 1970, no Brasil teve o aumento de quatro para oito o número de ano de escolarização básica, que tinha como objetivo uma nova escolarização e de ensino.

2. Segundo Soares (2002), as características principais dessa disciplina curricular, a sua alteração de língua portuguesa , mas comunicação e expressão, tendo como base a teoria da comunicação, reduzindo aos conteúdos, conhecimentos próprios ao ensino gramatical tradicional.

3. História das disciplinas escolares - Historiografia da educação. Associadas a discussões a respeito do caráter das disciplinas ou matérias, segundo sejam concebidas enquanto instâncias de transposição didática ou instâncias próprias às elaborações da cultura escolar.

4. As diferenças de interpretação e de compreensão do texto da lei n. 5.692/71, que fixava as diretrizes e bases para o ensino de 1° e 2° graus, refletiram-se de diferentes maneiras na elaboração dos guias referenciais para o ensino e na produção de materiais didáticos.

5. Essa lei n. 5.692/71 foi feita em meio a ausência de estrutura material e física para acomodar a Considere-se que as proposições para o ensino, elaboradas segundo princípios considerados democráticos e de liberdade para a escola, circulavam em documentos produzidos e publicados pelo estado, sob regime de ditadura militar.

6. Considere-se que as proposições para o ensino, elaboradas segundo princípios considerados democráticos e de liberdade para a escola, circulavam em documentos produzidos e publicados pelo estado, sob regime de ditadura militar.

7. Espaço e tempo da escola está apontada a sua dificuldade, e os novos materiais são para a compreensão de emergência e desenvolvimento das disciplinas.

8. As disciplinas curriculares na sua dimensão social e histórica, são compreendidas não apenas como instancias de transposição didática de conhecimentos produzidos pelas ciências de referencia (Chevallard, 1985).

9. mas como campo autônomo em que concorrem agentes e elementos internos e externos e em que não apenas se reproduzem ou divulgam ideias, em que se produzem saberes e práticas próprios, que compõem a cultura escolar (Chervel, 1990).

10. Termos Epistemológicos, visa a qualidade do diálogo estabelecido pelo pesquisador/historiador entre teorias, métodos e evidências na efetivação de seu processo de investigação, o que não aparece de antemão, mas sim nos resultados apresentados.

11. No Brasil colonial, O português era aprendido na escola não como componente curricular, mas como instrumento para a alfabetização.

12. século XVII, apesar da produção de gramáticas e dicionários, o português ainda não se constituíra em área de conhecimento em condições de gerar uma disciplina curricular, o que também decorria de seu pouco uso no intercurso verbal e de seu pouco valor como bem cultural.

13. Segundo Soares (1960), a disciplina língua portuguesa tem sua inclusão tardia no currículo escolar brasileiro. XIX a língua portuguesa se constituísse em objeto e objetivo de ensino.

14. século XVIII, as reformas pombalinas, o objetivo de garantir o poder sobre as colônias, intervêm nas condições de constituição da disciplina, ao tornar obrigatório o uso da língua portuguesa no Brasil e proibir o uso de outras línguas. Porém, tal como concebido pela reforma, o objetivo de saber ler e escrever em português, bem como de conhecer sua gramática, tinha ainda caráter instrumental, isto é, tornar possível o aprendizado da gramática latina

15. nas décadas de 1960 e 1970, o ensino de língua portuguesa, veio o seu desenvolvimento. Teve como objetivo o uso da língua.

16. Alteração dos sentidos tradicionalmente atribuídos a termos como matéria, disciplina e área de estudo. Teve como objetivo não mais fixar conteúdos e metodologia que compusessem um currículo obrigatório, mas deixar que professores e escolas construíssem o currículo em conformidade com as condições em que atuavam.

17. A nova estrutura curricular, seria as atividades de ensino começassem com atividade do aluno, teria como objetivo o de um início de sistematização, para, a seguir, localizar-se no interior de um conjunto de conhecimentos sistemáticos, a que se denominava disciplina.

18. a resolução CFE n. 8/71 associou cada uma das matérias a um conjunto de disciplinas obrigatórias: a matéria de estudos sociais incluía as disciplinas geografia, história e organização social e política do Brasil; a matéria de ciências incluía matemática e ciências físicas e biológicas

19. CFE n. 8/71: estudos sociais são tratados como uma disciplina específica, e não como matéria que incorpora as disciplinas de geografia, história e organização social e política do Brasil; e entre as disciplinas que compõem a matéria de ciências: em lugar de biologia há a referência a programa de saúde.

20. matéria de comunicação e expressão e disciplina língua portuguesa parece ser algo realizado exteriormente às instâncias oficiais e mesmo ao meio acadêmico, quando considerada sua contribuição para a elaboração dos Guias curriculares

21. comunicação e expressão, a questão torna-se um pouco mais complexa, pois há diferentes apresentações em relação a sua constituição, a ponto de por vezes ela ser considerada equivalente à própria disciplina língua portuguesa

22. Os Guias curriculares para o ensino de 1° grau matéria de comunicação e expressão, nela incluem educação artística e educação física, o que parece indicar que tal matéria, segundo a perspectiva oficial, não se associaria, a ponto de se equivaler, à disciplina língua portuguesa.

23. Guias curriculares fundamentam seus objetivos em princípios que enfatizam o desenvolvimento de habilidades, da criatividade, da responsabilidade do aluno no seu próprio desenvolvimento, o que possibilitaria ao aluno chegar

24. lei n.5.692/71, os Guias curriculares adaptáveis a diferentes condições, que incluiriam as diversificações culturais, as diferenças individuais e a disponibilidade desigual de recursos materiais. O objetivo da flexibilidade seria oferecer ao professor a possibilidade de adaptar as propostas de ensino às circunstâncias que encontrasse em seu contexto de trabalho

25. os Guias curriculares apresentam um conjunto de diretrizes provenientes de campos diversos de conhecimento, refletindo concepções distintas de sujeito, de linguagem, de ensino e de aprendizagem

26. O ensino e a aprendizagem, fundamentados no que se denominava estruturação até que o aluno tivesse “captado inteiramente sua completa formulação sistemática”.

27. comunicação e expressão, estudos sociais e ciências. Tinha como objetivo de constituir referência para a sistematização das atividades realizadas na escola, porém, em sua interpretação posterior, a noção de matéria se limitou a agrupar e denominar conjuntos de disciplinas.

28. gramática e retórica prevaleceram do século XVI ao século XIX na área de estudos da língua.

29. século XX, com a progressiva perda do valor do ensino de latim, assumiu autonomia o ensino da gramática do português. Tem como objetivo da disciplina, o falar bem, sem muita importância quanto ao escrever bem, que era uma exigência social.