Cuidando do neonato que está morrendo e sua família: vivências do enfermeiro de terapia intensiva...

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Cuidando do neonato que está morrendo e sua família: vivências do enfermeiro de terapia intensiva neonatal (Almeida et al,2015) por Mind Map: Cuidando do neonato que está morrendo e sua família: vivências do enfermeiro de terapia intensiva neonatal (Almeida et al,2015)

1. Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) ambiente especializado no atendimento de neonatos a termo ou pré-termo em condições de risco de vida

2. profissionais de saúde direcionam seus esforços para o cuidado do bebe gravemente enfermo e o atendimento das suas necessidades e de sua família

3. investigar sobre como os enfermeiros lidam com o luto dessas famílias, levando-as a refletir sobre alguns questionamentos: como se sentem os enfermeiros ao se relacionar com famílias de neonatos internados na UTIN que estão vivendo o processo de luto?

4. Quando o neonato morre, os membros da família precisam concluir suas ligações com o bebe e desligar-se gradativamente dele, de maneira que consigam focar a atenção nas necessidades e na vida da família, progredindo no processo de luto

5. a morte já não faz parte do cotidiano das pessoas, passando a ocorrer cada vez com maior frequencia no hospital e, com frequencia nas unidades de terapia intensiva (UTI)

6. Acompanhar o processo de morte e luto em UTIN é, um grande desafio para os enfermeiros ao suscitar sentimentos de falha no seu papel de promoção à saúde

7. relação de confiança entre a família e a equipe de saúde, reduzindo ansiedades e medos

8. A fragilidade e sofrimento de um bebê prematuro extremo, com risco de morte, bem como os sentimentos de ansiedade e insegurança por parte dos familiares

9. compreender as experiências vivenciadas pelos enfermeiros ao cuidar de neonatos que estão morrendo e sua família na UTIN e resgatar as percepções destes profissionais em relação à sua atuação diante do processo de morte e luto vivenciado.

10. reconhece a dimensão do sofrimento da família, para quem é muito mais dificil vivenciar a morte do neonato, e empenha-se em ajudá-la a enfrentar o momento do óbito oferecendo um ambiente acolhedor, utilizando o toque, respeitando o silêncio do familiar e mostrando-se disponível para ouvi-lo

11. A criação de grupos multiprofissionais que se reúnem periodicamente pode ser bastante efetiva, no sentido de possibilitar um espaço para que os membros da equipe de saúde verbalizem seus sentimentos e dificuldades, minimizando suas angustias.