Filosofia política de Platão

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Filosofia política de Platão por Mind Map: Filosofia política de Platão

1. Concepção Política

1.1. A concepção política de Platão é basicamente idealista. Ele idealiza uma cidade opulenta e saudável em que cada um atue conforme sua natureza e no momento oportuno. Esta seria sua cidade ideal. Esta seria sua cidade justa.

2. Formas de governo para Platão

2.1. Para platão, existia 5 formas de governo, são elas: a aristocracia (governo de uma classe privilegiada), a timocracia (governo dos ricos), a oligarquia (governo de um pequeno grupo), a tirania (governo injusto, cruel e às vezes ilegítimo) e a democracia (governo do povo).

2.2. Platão acreditava que a melhor forma de governo era a Aristocracia e criticava a democracia.

3. Justiça

3.1. Para Platão, a justiça é a virtude fundamental que deve ser comum a todos. Através da justiça ocorre o relacionamento harmonioso entre os indivíduos da (pólis) sociedade. É a justiça que faz com que todos os direitos sejam respeitados

3.2. Para Platão, a justiça nada mais é do que a harmonia que deve se existir entre as quatro virtudes: a moderação, a coragem, a sabedoria e a própria justiça.

3.3. Platão defendia ainda que cada cidadão tem naturalmente uma função a desempenhar na sociedade. Quando cada cidadão desempenha a sua função de maneira excelente, está realizando a perfeita justiça.

4. Ética e política

4.1. Para Platão, a ética e a política são as ciências por excelência. Todas as demais ciências estão subordinadas a elas e delas se servem. A ética é a doutrina moral do indivíduo e a política é a doutrina moral da sociedade.

5. Atividade dos habitantes da Pólis

5.1. Platão quer descrever a cada habitante da pólis qual deve ser a sua atividade de acordo com o predomínio de uma ou outra virtude. Assim, a sociedade pode ser dividida em classes, melhor dizendo, em estamentos: o povo, os guerreiros e os filósofos.

5.2. O povo deve assegurar a subsistência da cidade através da agricultura, da pesca, do artesanato e dos pequenos comércios; os guerreiros devem fazer a defesa da cidade ou atacar outras quando isso lhes for determinado; os filósofos devem legislar e governar a cidade, pois, são os detentores da justa medida.

5.3. Quando cada habitante da pólis realiza da melhor maneira possível o seu dever, conforme a sua natureza o objetivo da cidade-estado é alcançado, ou seja, o bem comum e a felicidade.

6. As 4 virtudes

6.1. Moderação: A moderação coloca em equilíbrio as vontades e o poder de realizá-las. Ela faz com que o indivíduo evite excessos e aja de forma comedida e prudente. Além disso, harmoniza o indivíduo internamente e no seu convívio com os demais.

6.2. Coragem: A coragem é atitude firme sem hesitação, sem temor ou sem fraqueza no enfrentamento de situações emocionalmente difíceis ou perigosas. Deve ser aplicada nas guerras e nas invasões ou defesas de cidades.

6.3. Sabedoria: A sabedoria é a maior de todas as virtudes. É o conjunto de conhecimentos que constitui a própria essência da alma. É a virtude suma em que se baseiam as revelações divinas e por isso aproxima o indivíduo de Deus.

6.4. justiça: É a virtude fundamental que deve ser comum a todos.

7. Influenciador

7.1. Platão teve grande influência nas ideias de Aristóteles, embora o último tenha criticado a dualidade de Platão