Tratamento Oncológico

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Tratamento Oncológico por Mind Map: Tratamento Oncológico

1. Quimioterapia Antineoplásico

1.1. Se dá pelo emprego de substância químicas,isoladas ou em combinação, com o objetivo de tratar as neoplasias malignas

1.2. Tratamento para doenças de sistemas hematopoiéticos ou tumores sólidos que apresentem ou não metástase.

1.2.1. Os quimioterápicos de um esquema terapêutico podem ser aplicados por dia, semana, quinzena, de 3/3 semanas, de 4/4 semanas, 5/5 semanas ou de 6/6

1.2.1.1. Quimioterapias: curativa; paliativa; potencializadora; adjuvante; neo-adjuvante.

1.2.2. A maioria dos quimioterápicos utilizados tem sua dose básica, para efeito antiblástico, que deve ser ajustada para cada doente de acordo com sua superfície corporal.

1.2.2.1. A maioria das quimioterapias é administrada em intervalos de tempo curto para segurança e eficácia do tratamento.

2. Hormonioterapia

2.1. Consiste no uso de substâncias semelhantes ou inibidoras de hormônios, para tratar as neoplasias que são dependentes destes.

2.1.1. Hormonioterápico do câncer de endométrio: megestrol.

2.2. Determinantes do Plano Terapêutico

2.2.1. O diagnostico histológico e a localização da neoplasia; estádio da doença; toxicidade potencial de uso; duração da toxicidade presumida; idade do paciente

2.2.2. o estado de saúde geral do paciente, outros problemas importantes de saúde, como doenças cardíacas, hepáticas ou renais, tratamentos contra o câncer realizados anteriormente.

3. Bioterapia

3.1. Quimioterapia na qual se usam medicamentos que inicialmente foram identificados como substâncias naturais do próprio corpo humano.

3.2. Interferons, a interleucina e os anticorpos monoclonais.

4. Alvoterapia

4.1. Se utiliza as substâncias que atuam mais seletivamente em alvos moleculares ou enzimáticos específicos, para o que se exige a positividade de exames que demonstrem a presença desses alvos.

4.1.1. Cromossoma Philadelphia positivo ou o gene bcr-abl positivo.

5. Resposta Terapêutica

5.1. Resposta Parcial – Quando a redução de 50% das células

5.2. Resposta Completa – Implica o desaparecimento completo da doença

5.2.1. É necessário uma avaliação prévia do paciente,afim de observar se o organismo se encontra em condições de superar os efeitos tóxicos.

6. Formas de Administração da Quimioterapia

6.1. VIA INTRAVENOSA: a mais utilizada para administração de medicamentos quimioterápicos. Consiste na injeção do medicamento diretamente na corrente sanguínea através de um cateter.

6.1.1. VIA INTRATECAL: o medicamento é administrado diretamente no canal espinhal e entra no líquido cefalorraquidiano (LCR) que envolve o cérebro e a medula espinhal para alcançar as células cancerígenas.

6.1.2. VIA INTRAARTERIAL: Consiste na administração da quimioterapia na artéria principal que fornece sangue ao tumor para tratar uma única área, como o fígado, um braço ou uma perna. A quimioterapia é então infundida dentro da artéria

6.1.2.1. VIA INTRACAVITÁRIA: o medicamento é administrado através de um cateter direto no abdome (quimioterapia intraperitoneal) ou tórax (quimioterapia intrapleural).

6.1.2.1.1. VIA INTRAVESICAL: administrado diretamente na bexiga através de um cateter, onde permanece por algumas horas e depois é drenado. No término do procedimento o cateter é removido

6.1.3. VIA INTRALESIONAL: utiliza-se uma agulha para inserir uma pequena quantidade do medicamento quimioterápico diretamente no tumor.

7. PRINCIPAIS EFEITOS COLATERAIS

7.1. Náuseas; febre; fadiga; mal estar; alopecia

8. Efeitos Adversos

8.1. Anemia; Neutropenia; Trombocitopenia; Toxicidades Cardiacas e Pulmonares

9. Consulta de Enfermagem no Serviço de Quimioterapia

9.1. Abordagem da complexidade do universo terapêutico nas dimensões filosóficas, técnicos-cientificos, interativas, educacionais e assistências

9.2. Utilizar uma linguagem adequada em niveis cognitivo e cultural.

9.2.1. Abordagem terapêuticas sobre: hidratação;atividades laborais; disfunção sexual e o manejo com os efeitos adversos

10. Radioterapia

10.1. (RT) é uma modalidade terapêutica que existe há mais de 100 anos, com os primeiros relatos de seu uso datando de 1900.

10.1.1. Seu emprego em oncologia pode-se dar com intenção radical e curativa, isoladamente ou associada a outras formas de tratamento (p.ex., quimioterapia e cirurgia), como consolidação a um tratamento cirúrgico ou quimioterápico (terapia adjuvante) ou até mesmo como método paliativo (hemostática, descompressiva e antiálgica).

10.1.1.1. A RT é essencialmente uma disciplina multiprofissional, contando com radio-oncologistas, físicos em medicina, dosimetristas, técnicos e tecnólogos em radioterapia e enfermeiros e técnicos de enfermagem, com protocolos elaborados internamente para melhor resolutividade do tratamento.

11. BRAQUITERAPIA

11.1. É um tratamento radioterápico no qual as fontes de radiação são colocadas dentro do reservatórios metálicos e aplicada a poucos centímetros do tumor

12. Iodoterapia

12.1. tratamento com Iodo Radioterapia é de comprovada eficácia, utilizado no tratamento de Câncer de Tireóide.

12.1.1. É definida a dose ablativa, sob prescrição de endocrinologista, o paciente ficara sob internação em quarto especial por 48 horas.