IMPACTO DA VACINAÇÃO E O PAPEL DO FARMACÊUTICO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
IMPACTO DA VACINAÇÃO E O PAPEL DO FARMACÊUTICO por Mind Map: IMPACTO DA VACINAÇÃO E O  PAPEL DO FARMACÊUTICO

1. ESTRATÉGIAS,BENEFÍCIOS E AÇÕES DE VACINAÇÃO

1.1. Histórico

1.1.1. Em 1796, Edward Jenner inoculou material de pústula de tetas de vaca com varíola bovina em uma criança.

1.1.2. Em 1980 houve a erradicação da varíola, segundo OMS.

1.1.3. 1971 Tríplice viral - MMR

1.1.3.1. Sarampo/ Caxumba/ Rubéola

1.2. Benefícios da vacinação

1.2.1. Diminuir os caso de doenças infecciosa

1.2.2. Diminui a trasmissão de doenças

1.2.3. Menor casos de hospitalização

1.2.4. Menor gastos com medicamentos

1.2.5. Redução da mortandade

1.2.6. Erradicação de doenças

1.3. Programa Nacional de Imunização (PNI)

1.3.1. Calendário de Vacinação (SUS)

1.3.2. Desenvolvimento em tempo record da vacina contra o SARC-COV-2.

2. SEGURANÇA OCUPACIONAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE (GRSS)

2.1. Segurança ocupacional

2.1.1. Exposição acidental

2.1.1.1. Material biológico contaminado

2.1.1.1.1. Classificação A, D ou E.

2.1.1.2. Derramamento de Vacinas:

2.1.1.2.1. Alertar colegas sobre

2.1.1.2.2. Enxaguar a área exposta

2.1.1.2.3. Descartar materias e EPIs

2.1.1.2.4. Cubrir o local com papel toalha apos descartar - risco A sinalizadr

2.1.1.2.5. Limpar local com desinfetante adequado

2.1.1.3. Manter em local visível o endereço do estabelecimento ao qual procurar em caso de exposição de risco ao HIV/hepatites - Notificar SINAN e CAT.

2.2. Plano de GRSS seguindo a RDC/Anvisa nº 222/2018, RDC/CONAMA n°358/2005 e às legislações do estado e do município.

2.2.1. Segregação

2.2.2. Acondicionamento

2.2.3. Identificação

2.2.4. Armazenamento temporário

2.2.5. Armazenamento externo

2.2.6. Tratamento de resíduos

2.2.7. Disposição final

2.3. Uso de EPIs

2.4. Obrigatório treinamento em resíduos e biosegurança para todos os colaboradores

3. CAMPANHA DE VACINAÇÃO COM O MODELO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA

3.1. Farmácias privadas

3.1.1. Ampliação da capilaridade e distribuição geográfica

3.1.2. Reduz sobrecarga das unidades de urgência e emergência

3.1.3. Primeira possibilidade de acesso da população ao cuidado em saúde, fácil acesso

3.1.4. Colaboração com a farmacovilância e segurança do paciente

3.1.5. Presença do farmacêutico

3.2. Para partiicipar das campanhas

3.2.1. Alvará de funcionamento

3.2.2. Formalizar o pedido de participação junto a secretário de saúde do município

3.2.3. Termo de cooperação

3.3. Dia da Vacinação

3.3.1. Identificar a farmácia

3.3.2. Definir o grup alvo e orientar

3.3.3. A distribuição prévia de senhas

3.3.4. Registro de todas as atividades, notificação de RAM´s, registro caderneta de vacina e orientações pós.

3.3.5. Realizar educação em saúde

4. REQUISITOS TÉCNICOS E LEGISLAÇÕES

4.1. Lei nº 13.021/2014

4.1.1. ANVISA regulamenta o serviço de vacinação em drogarias

4.2. RDC CFF n° 654/18

4.2.1. Estabelece os requisitos necessários à prestação do serviço de vacinação pelo farmacêutico como RT em vacinação

4.2.1.1. Presença obrigatória durante todo o período de funcionamento do estabelecimento

4.2.2. Revoga a PORTARIA CONJUNTA ANVISA/FUNASA N°1/2000 pelo qual apenas o médico poderia ser RT

4.3. RDC ANVISA n° 197/2017

4.3.1. Requisitos mínimos para os serviços de vacinação humana

4.3.1.1. o estabelecimento deve conter

4.3.1.1.1. Álvara Sanitário

4.3.1.1.2. CNES

4.3.1.1.3. RT habilitado

4.3.1.1.4. Contar com substitutos na ausência do RT

4.4. RDC MS nº 50/2022

4.4.1. sala de imunização

4.4.1.1. 6m² mínimo

4.4.1.2. Água fria corrente

4.4.1.3. Área de recepção

4.4.1.4. Sanitário, teto/piso lavável

4.4.1.5. Pia, bancada, armário, mesa, cadeira, maca

4.4.1.6. Cadeia Frio

4.4.1.7. Fixado calendário de vacinação SUS

4.4.1.7.1. Registro diário de todas as atividades

4.5. Lei n°14.675/ 2023

4.5.1. Funcionamento dos serviços privados de vacinação humana.

5. AÇÕES EDUCATIVAS E DE COMBATE A FAKE NEWS

5.1. Desinformação e campanhas antivacinas

5.1.1. Cobertura vacinal inferior e

5.2. Campanhas de incentivo por parte da esfera governamental, acerca dos esclarecimentos de fake news.

5.3. Mais divulgação do PNI, seus objetivos e resultados

6. EXPERIÊNCIAS EXITOSAS FARMACEUTICOS EM VACINAÇÃO

6.1. 57 farmácias em parceria púbico- privada aplicaram em torno de 155.000 doses na campanha de vacinação de 2020, em Porto Alegre.

6.2. Farmácias como ponto estratégico de vacinação

6.2.1. Ampliação da cobertura vacinal.

6.2.2. Ampliar pontos de vacinação

6.2.3. Segregação de pacientes sintomáticos e assintomáticos

6.2.4. Reduzir a exposição de idosos

6.2.5. Ampliação de pontos de acesso