Os cartazes do designer Saul Bass e sua contribuição para o cinema

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Os cartazes do designer Saul Bass e sua contribuição para o cinema por Mind Map: Os cartazes do designer Saul Bass e sua contribuição para o cinema

1. Saul Bass

1.1. Designer

1.1.1. Criativo

1.1.1.1. minimalismo, as cores primárias e a síntese pictórica da história ou de uma emoção.

1.1.2. Inovação

1.1.2.1. Usando o crédito do início dos filmes, para criar um clima para a história que o filme estava prestes a contar, fazer um resumo em conceitos visuais.

1.1.2.2. Bass enxergou a oportunidade de inovar e usar os créditos do início de forma a criar um clima para a história prestes a começar, de resumi-la em alguns poucos conceitos visuais.

1.1.3. Obras Criadas por Bass sua contribuição para o cinema, inovando na forma de criar introduções para filmes e cartazes

1.1.3.1. Cartazes

1.1.3.1.1. FILME 'O HOMEM DO BRAÇO DE OURO' (1955), DE OTTO PREMINGER

1.1.3.1.2. FILME 'UM CORPO QUE CAI' (1958), DE ALFRED HITCHCOCK

1.1.3.1.3. FILME 'O ILUMINADO' (1980), DE STANLEY KUBRICK

1.1.3.1.4. FILME 'A LISTA DE SCHINDLER' (1993), STEVEN SPIELBERG

1.1.3.2. Abertura de Filmes (Introdução)

1.1.3.2.1. “Psicose” (1960), de Alfred Hitchcock Psycho 1960 Intro

1.1.3.2.2. Hitchcock, como “Um Corpo que Cai” (1958) UM CORPO QUE CAI (VERTIGO, 1958)

1.1.3.2.3. Intriga Internacional (1959) North By Northwest - Opening Titles

1.1.3.2.4. Também fez aberturas para os filmes de Martin Scorsese, Stanley Kubrick e Otto Preminger

1.2. História

1.2.1. Bass também criou logos publicitários e dirigiu filmes. Seu curta documental “Why Man Creates” ganhou um Oscar em 1969. O artista morreu em 1996.

1.3. Bass nasceu em 1920 no Bronx, bairro de Nova York, em uma família de judeus emigrados do leste europeu. Estudou na Arts Students League e no Brooklyn College, em Nova York. A partir dos anos 1950, Bass transformou a abertura dos filmes, antes simples sequência de apresentação dos créditos iniciais, em um espaço de criação.