Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Grupos por Mind Map: Grupos

1. DINÂMICA

1.1. Ideológica

1.1.1. Ideologia política

1.1.2. Tipos de liderança

1.1.3. Formas de organização e direção

1.1.4. Participação dos membros

1.1.5. Vertentes

1.1.5.1. Idealista

1.1.5.1.1. Jacob Moreno

1.1.5.2. Pragmática

1.1.5.2.1. Kurt Lewin

1.2. Fenomenológica

1.2.1. Como os grupos: se formam, se desenvolvem e se mantêm.

1.2.2. Leis que os regem e como se aplicam.

1.2.3. Relação com outros indivíduos, grupos e instituições.

1.2.4. Fenômenos Psicossociais nos pequenos grupos resultam de um sistema humano articulado como um todo (Gestalt).

1.2.4.1. Coesão, comunicação, conflitos, formação de liderança etc.

1.2.5. Vertentes

1.2.5.1. Gestalt

1.2.5.1.1. Descrição dos fenômenos no aqui e no agora.

1.2.5.1.2. Kurt Lewin

1.2.5.2. Psicanálise

1.2.5.2.1. Explicação da unidade grupal por uma ideia de "mentalidade grupal" (instinto social).

1.2.5.2.2. Freud

1.2.5.2.3. Bion

1.2.5.2.4. PIchon-Rivière

1.3. Tecnológica

1.3.1. Estuda a dinâmica de grupo enquanto conjunto de técnicas utilizadas em intervenções nos chamados grupos primários (famílias, equipes de trabalho, salas de aula etc).

1.3.2. Objetiva aumentar a capacidade de comunicação e cooperação, e incrementar a espontaneidade e a criatividade dos seres humanos quando em atividade grupal.

1.3.3. Variantes de intervenção

1.3.3.1. Jogos dramáticos

1.3.3.1.1. Jogo espontâneo, sem regras preestabelecidas, para dinamizar a grupalidade humana.

1.3.3.1.2. Especialmente aplicada na área de educação.

1.3.3.1.3. A necessidade lúdica do jogo é inerente ao crescimento e desenvolvimento humano.

1.3.3.2. Psicodrama (sociodrama)

1.3.3.2.1. Origem no Teatro Espontâneo ou Teatro da Improvisação fundado por Moreno (Viena, 1921).

1.3.3.2.2. Centralizada na noção de papéis sociais, enfatiza a ação corporal. Grande utilização no campo terapêutico.

1.3.3.2.3. Técnicas direcionadas para treinamentos de papéis, caracterizados como saudáveis.

1.3.3.3. Técnicas vivenciais (dinâmicas de grupo)

1.3.3.3.1. Atividades que facilitam a sensibilização, conscientização das pessoas, ao mesmo tempo que incentivam o indivíduo a ir em busca do autodesenvolvimento na vida pessoal, profissional e grupal, desde que utilizadas com o objetivo de alto conhecimento.

1.3.3.3.2. Em processos seletivos, proporcionam a equipe de selecionadores um conhecimento maior de algumas competências que não seriam capazes de avaliar por meio do contato individual com o candidato.

1.3.3.3.3. Kurt Lewin

2. DEFINIÇÕES

2.1. Didier Anzieu

2.1.1. Associação de pessoas que compartilham algum objetivo comum.

2.2. Kurt Lewin

2.2.1. A interdependência entre os indivíduos e as variáveis que intervém em seu funcionamento.

2.2.2. Em um grupo livre e solidário, uma decisão grupal será mais importante que o individual, pois o que estimula as pessoas no grupo é o sentimento de pertinência a ele, que como resposta, modificará os hábitos individuais.

2.3. Theorore Mills

2.3.1. Unidade composta de duas ou mais pessoas que entram em contato para determinado objetivo, e que consideram significativo o contato e representam não apenas microssistemas, mas são, também, fundamentalmente microcosmo de sociedades mais amplas.

2.4. Osório

2.4.1. Conjunto de pessoas em uma ação interativa com objetivos compartilhados.

2.5. Elton Mayo

2.5.1. Mentalidade comum com suas normas e lógicas próprias.

2.5.2. Forte sentimento de pertinência ao grupo entre seus membros, o grupo lidera as possibilidades individuais e facilita sua realização em proveito dos interessados, assim como das organizações que os empregam.

2.6. Émile Durkheim

2.6.1. Colocação em comum em representações, sentimentos e volições.

2.6.2. Nos grupos, assim como nos indivíduos as representações devem controlar os sentimentos e comandar as volições.

2.7. Schultz

2.7.1. Necessidade de inclusão, controle e afeição.

2.8. Robert Freed Bales

2.8.1. Necessita de uma série de comunicações entre membros reunidos face a face para discutir questões.

2.9. Jacob Moreno

2.9.1. Colocação em comum das simpatias e antipatias.

2.10. Charles Fourier

2.10.1. Colocação em comum de paixões.

2.10.2. Quando desordenada pode precisar de opressão exterior.