GERENCIAMENTO DE PESSOAS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
GERENCIAMENTO DE PESSOAS por Mind Map: GERENCIAMENTO DE PESSOAS

1. MATERIAL HUMANO

1.1. ATIVO MAIS IMPORTANTE

1.2. CARO PARA PROSPECTAR

1.3. GERENTES DEVEM RETER PESSOAS

1.3.1. COM ATRIBUIÇÃO DE RESPONSABILIDADES RELACIONADAS AS HABILIDADES

1.3.2. RESPEITO

2. POUCOS TÉCNICOS SE QUALIFICAM PARA GERENTES

2.1. HABILIDADES NECESSÁRIAS

2.1.1. CONSITÊNCIA

2.1.1.1. TRATAMENTO IGUAL

2.1.1.2. NÃO SUBVALORIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES

2.1.2. RESPEITO

2.1.2.1. PESSOAS DIFERENTES, HABILIDADES DIFERENTES

2.1.2.2. OPORTUNIDADE DE CONTRIBUIR

2.1.3. INCLUSÃO

2.1.3.1. TODAS AS VISÕES CONSIDERADAS

2.1.4. HONESTIDADE

2.1.4.1. SER CLARO SOBRE ANDAMENTO DA EQUIPE E INDIVIDUAL

2.1.4.2. ADMITIR FALHAS OU IGNORÂNCIA

2.2. GERENTES SE FORMAM POR EXPERIENCIA

3. MOTIVAÇÃO DE PESSOAS

3.1. MOTIVAÇÃO É O COMBUSTÍVEL DAS PESSOAS

3.1.1. AUTOESTIMA

3.1.1.1. RECONHECIMENTO SOCIAL

3.1.2. AUTOREALIZAÇÃO

3.1.2.1. DESAFIOS

3.1.2.2. TREINAMENTO

3.1.3. ESFERA PESSOAL AFETA MOTIVAÇÃO NA ESFERA PROFISSIONAL

3.2. TIPOS DE PESSOAS MUDAM OS MOTIVOS DE MOTIVAÇÃO - Bass e Dunteman (1963)

3.2.1. ORIENTAÇÃO A TAREFAS

3.2.1.1. MOTIVADAS PELO DESAFIO APRESENTADO

3.2.1.2. NA ENG. DE SOFTWARE: DESAFIO INTELECTUAL

3.2.2. AUTO MOTIVAÇÃO

3.2.2.1. RECONHECIMENTO PESSOAL

3.2.3. ORIENTADAS A INTERAÇÃO

3.2.3.1. PRESENÇA E RECONHECIMENTOS DE SEUS PARES

4. TRABALHO DE EQUIPE

4.1. SUBDIVISÃO DO TODO

4.2. NÃO MUITOS MEMBROS

4.2.1. PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO DIMINUÍDOS

4.3. EQUILÍBRIO

4.3.1. HABILIDADES TÉCNICAS

4.3.2. EXPERIÊNCIA

4.3.3. PERSONALIDADES

4.4. COESÃO

4.4.1. MEMBROS

4.4.1.1. GRUPO MAIS IMPORTANTE QUE INDIVÍDUOS

4.4.1.2. LEAIS AO GRUPO

4.4.2. BENEFÍCIOS

4.4.2.1. PADRÕES PRÓPRIOS DE QUALIDADE

4.4.2.1.1. CRIADO PELO CONSENSO

4.4.2.1.2. MAIS PROPENSOS A SEREM OBSERVADOS

4.4.2.2. APOIO E APRENDIZADO MÚTUO

4.4.2.2.1. APRENDIZAGEM MÚTUA É ENCORAJADA

4.4.2.2.2. INIBIÇÕES MINIMIZADAS

4.4.2.3. CONHECIMENTO COMPARTILHADO

4.4.2.3.1. O PROJETO NÃO É INDEVIDAMENTE INTERROMPIDO

4.4.2.4. REFATORAÇÃO E MELHORIAS CONTÍNUAS INCENTIVADAS

4.4.2.4.1. SUCESSO DO PROJETO > OBJETIVOS PESSOAIS

4.4.3. INCENTIVANDO A COESÃO

4.4.3.1. EVENTOS SOCIAIS

4.4.3.2. ESTABELECER SENSO DE IDENTIDADE

4.4.3.3. ATIVIDADES EXPLÍCITAS DE CONSTRUÇÃO DE GRUPOS

4.4.3.3.1. ESPORTES

4.4.3.3.2. JOGOS

4.4.3.4. INCLUSÃO

4.4.3.4.1. TRATAR MEMBROS COMO RESPONSÁVEIS E CONFIÁVEIS

4.4.3.4.2. DISPONIBILIZAR INFORMAÇÃO

4.5. ESPÍRITO DE EQUIPE

4.5.1. NÃO INIBE OBJETIVOS PESSOAIS

4.6. ORGANIZAÇÃO

4.6.1. PERMITE EXTRAIR O MELHOR DE CADA MEMBRO

4.7. CONSTÂNCIA

4.7.1. PROJETO

4.7.2. MEMBROS

5. SELEÇÃO DE MEMBROS DE GRUPO

5.1. COESÃO

5.2. EQUILÍBRIO

5.3. PERSONALIDADES COMPLEMENTARES

5.4. NEM SEMPRE É POSSÍVEL ESCOLHER

5.4.1. CONHECER MELHOR OS MEMBROS

5.4.2. ORGANIZAÇÃO MAIS ADEQUADA

6. ORGANIZAÇÃO DE GRUPO

6.1. AFETA

6.1.1. TOMADA DE DECISÕES

6.1.2. MANEIRA COMO AS INFORMAÇÕES SÃO TROCADAS

6.1.3. INTERAÇÕES ENTRE GRUPO DE DESENVOLVIMENTO E STAKEHOLDERS EXTERNOS

6.2. QUESTÕES IMPORTANTES

6.2.1. O GERENTE DE PROJETOS SERÁ O LÍDER TÉCNICO?

6.2.2. QUEM ESTÁ ENVOLVIDO E COMO SERÃO AS TOMADAS DE DECISÕES CRÍTICAS?

6.2.3. COMO SERÃO AS INTERAÇÕES ENTRE STAKEHOLDERS EXTERNOS E GERÊNCIA?

6.2.4. COMO SERÁ A INTERAÇÃO COM MEMBROS FORA DO LOCAL DE TRABALHO?

6.2.5. COMO O CONHECIMENTO PODE SER COMPARTILHADO ENTRE O GRUPO?

6.3. GRUPOS INFORMAIS

6.3.1. CARACTERÍSTICAS

6.3.1.1. TRABALHO A SER REALIZADO DISCUTIDO COM O GRUPO COMO UM TODO

6.3.1.2. TAREFAS ALOCADAS DE ACORDO COM HABILIDADES E EXPERIÊNCIAS

6.3.1.3. MEMBROS EXPERIENTES RESPONSÁVEIS PELO PROJETO DE ARQUITETURA

6.3.1.4. PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DETALHADA DE RESPONSABILIDADE DO MEMBRO ALOCADO

6.3.2. INDICAÇÃO

6.3.2.1. MAIORIA DOS MEMBROS DO GRUPO É EXPERIENTE E COMPETENTE

6.3.3. VANTAGENS

6.3.3.1. DESINIBE A TROCA DE INFORMAÇÕES

6.3.3.2. DECISÕES DE GESTÃO ATRIBUÍDAS AOS MEMBROS DO GRUPO

6.3.3.3. MELHORA O DESEMPENHO

6.3.3.4. MELHORA A COESÃO

6.3.4. DESVANTAGENS

6.3.4.1. FALTA DE AUTORIDADE DEFINITIVA PARA DIRECIONAR O TRABALHO

6.3.4.2. FALTA DE COORDENAÇÃO ENTRE MEMBROS

6.3.4.3. EVENTUAIS FALHAS DE PROJETO

6.4. GRUPOS HIERÁRQUICOS

6.4.1. CARACTERÍSTICAS

6.4.1.1. ESTRUTURA HIERÁRQUICA

6.4.1.2. LIDERANÇAS BEM DEFINIDAS

6.4.1.3. FUNÇÕES CLARAS

6.4.2. INDICAÇÃO

6.4.2.1. PROBLEMA BEM DEFINIDO QUE PODE SER SUBDIVIDIDO EM SUBPROBLEMAS

6.4.3. VANTAGENS

6.4.3.1. DIRECIONAMENTO DO TRABALHO

6.4.3.2. NÃO PRECISA MUITA COMUNICAÇÃO ENTRE TODOS OS MEMBROS

6.4.4. DESVANTAGENS

6.4.4.1. POUCA COMUNICAÇÃO ASCENDENTE

6.4.4.2. MUDANÇAS NO PROJETO NECESSITAM DE MAIOR COMUNICAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS

6.4.4.3. IGNORÂNCIA DO LÍDER GERA PREJUÍZO AO PROJETO

7. COMUNICAÇÃO EM GRUPO

7.1. É ESSENCIAL A COMUNICAÇÃO ENTRE TODOS OS INTERESSADOS NO PROJETO

7.1.1. STAKEHOLDERS

7.1.2. MEMBROS

7.2. BOA COMUNICAÇÃO TAMBÉM AJUDA A REFORÇAR A COESÃO DE GRUPO

7.3. EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO

7.3.1. QUANTO MAIOR O TIME MAIS DIFÍCIL A COMUNICAÇÃO

7.3.2. GRUPOS ESTRUTURADOS MAIS INFORMALMENTE SE COMUNICAM MELHOR

7.3.3. A COMUNICAÇÃO EM GRUPOS DIVERSIFICADOS É MAIS EFICIENTE

7.3.4. UM LOCAL DE TRABALHO ORGANIZADO FACILITA A COMUNICAÇÃO DO TIME

7.3.5. MEIOS DE COMUNICAÇÃO

7.3.5.1. FACE TO FACE

7.3.5.2. CHAT

7.3.5.3. E-MAIL

7.3.5.4. VÍDEO CONFERÊNCIA

7.3.5.5. TELEFONE

7.3.6. GERALMENTE GERENTES DE PROJETO TRABALHAM COM INFORMAÇÕES HIGH-LEVEL, ASSIM SEU CONHECIMENTO É ADQUIRIDO EM:

7.3.6.1. REUNIÕES COM MEMBROS DO TIME

7.3.6.2. DOCUMENTOS FORMAIS

7.3.7. SEMPRE É ALCANÇADA QUANDO HÁ PARTICIPAÇÃO DE AMBOS OS LADOS

7.3.8. PODE SER IMPRATICÁVEL ORGANIZAR REUNIÕES COM TODOS, PARA EVITAR ISTO PODE-SE USAR:

7.3.8.1. WIKIS

7.3.8.2. BLOGS

7.3.8.3. FORUNS