PROTEÇÃO SOCIAL NA COLÔMBIA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
PROTEÇÃO SOCIAL NA COLÔMBIA por Mind Map: PROTEÇÃO SOCIAL NA COLÔMBIA

1. COMPONENTE NÃO CONTRIBUTIVO

1.1. "base de datos de programas de protección social no contributiva en América Latina y el Caribe"

1.2. CEPAL

1.2.1. Más Familias en Acción (2001-)

1.2.1.1. programa de maior número de beneficiários em termos absoluto

1.2.1.2. condições de acesso aos serviços de saúde e educação da população vulnerável

1.2.1.3. comunidades indígenas também beneficiárias

1.2.1.4. bônus de nutrição

1.2.1.4.1. depósito na conta de poupança

1.2.1.4.2. entre US $ 63.525 e US $ 74.100/mês por criança

1.2.1.5. bônus de educação

1.2.1.5.1. depósito na conta de poupança

1.2.1.5.2. mín. Col $ 10,600 e máx. Col $ 58,225/mês

1.2.2. Red Unidos (Ex Red Juntos) (2007-)

1.2.2.1. estratégia de intervenção abrangente e coordenada que presta apoio familiar e comunitário às famílias que são objeto de sua intervenção e facilita o acesso de seus beneficiários à oferta de serviços sociais do Estado

1.2.2.2. componentes

1.2.2.2.1. acompanhamento familiar e comunitário

1.2.2.2.2. oferta e acesso preferencial

1.2.2.2.3. fortalecimento institucional

1.2.2.2.4. renda para prosperidade social

1.2.3. Subsidios Condicionados a la Asistencia Escolar (2005-2012)

1.2.3.1. programa de transferências condicionais executado na cidade de Bogotá

1.2.3.2. subsídio educacional

1.2.3.2.1. Col $ 80,000 bimestralmente

1.2.3.3. subsídio de transporte

1.2.3.4. mín. Col $ 150,000 e máx. Col $ 300,000/bimestral

2. COMPONENTE CONTRIBUTIVO

2.1. regimes de proteção social segundo diferentes autores

2.1.1. autor/ano

2.1.2. dimensões de análise

2.1.3. grupos

2.1.4. Autores

2.1.4.1. Mesa-Lago (1986)

2.1.4.1.1. antiguidade da implantação do sistema de proteção social e nível de desenvolvimento do sistema

2.1.4.1.2. pioneirismo: alto desenvolvimento

2.1.4.1.3. intermediário: médio desenvolvimento

2.1.4.1.4. tardio: baixo desenvolvimento

2.1.4.2. Filgueira (1998)

2.1.4.2.1. grau de cobertura das politicas sociais do Estado e informalidade

2.1.4.2.2. universalismo estratificado

2.1.4.2.3. dual

2.1.4.2.4. excludente

2.1.4.3. Franzoni (2008)

2.1.4.3.1. graus de mercantilização, desmercantilização e desfamiliarização

2.1.4.3.2. estatal produtivista

2.1.4.3.3. estatal protecionista

2.1.4.3.4. informal familiarista

2.1.4.4. Cecchini et al. (2014)

2.1.4.4.1. capacidade societal de gerar renda via mercado; capacidade estatal de prover sustento; proteção para grupos vulneráveis

2.1.4.4.2. lacunas pequenas na proteção social

2.1.4.4.3. lacunas inetermediárias na proteção social

2.1.4.4.4. lacunas grandes na proteção social

2.1.4.5. Cantu (2015)

2.1.4.5.1. grau em que a proteção social deriva do Estado; grau de mercantilização das politicas sociais; estratégias de subsistência das famílias

2.1.4.5.2. liberal moderado

2.1.4.5.3. liberal radical

2.1.4.5.4. excludente familiarista

2.1.4.5.5. excludente migratório

3. DADOS DO CONTEXTO

3.1. Indicadores Socioeconômicos

3.2. (CEPALSTAT, 2017)

3.2.1. Educação

3.2.1.1. % de alfabetização (15-24 anos): 98,5

3.2.1.2. % liquida de matrículas na educação primária: 90,6

3.2.1.3. % liquida de matrículas na educação secundária: 78,3

3.2.1.4. alunos por professores na educação primária: 24

3.2.1.5. alunos por professores educação secundária: 26

3.2.1.6. gasto público em educação em % do PIB: 4,5

3.2.2. Saúde

3.2.2.1. razão de mortalidade materna: 64 (0/000)

3.2.2.2. % da população abaixo do nível mínimo de consumo de energia alimentar : 8,8

3.2.2.3. % das crianças com 1 ano vacinada contra o sarampo: 93,0

3.2.2.4. mortalidade associada à malária: 1,0 (0/000)

3.2.2.5. mortalidade associada à tuberculose: 1,6 (0/000)

3.2.2.6. % da população portadora de HIV com infecção avançada que tem acesso aos medicamentos: 45,8

3.2.2.7. gasto público com saúde em % do PIB: 7,2

3.2.3. Pobreza e Distribuição de Renda

3.2.3.1. % de pobreza: 28,6

3.2.3.2. % de indigência: 8,1

3.2.3.3. Coeficiente de Gini: 0,54

3.2.3.4. % de pessoas sem renda própria: 26,3 (M) e 10,4 (H)

3.2.3.5. gasto público em % do PIB: 20,7

3.2.4. Emprego e Remuneração

3.2.4.1. % de desemprego: 9,2

3.2.4.2. % setor informal urbano do mercado de trabalho: 56,3

3.2.4.3. distribuição da população urbana por categoria ocupacional

3.2.4.4. % empregadores: 4,2

3.2.4.5. % assalariados: 45,3

3.2.4.6. % conta própria: 43,0

3.2.4.7. % serviços domésticos: 3,3

3.2.4.8. Salario médio real anual: 105,8

3.3. Estrutura Demográfica

3.3.1. população total: 49 059 000

3.3.2. % anual de crescimento da população: 0,8

3.3.3. % bruta de natalidade: 14,7%

3.3.4. % bruta de mortalidade: 6,1%

3.3.5. % de imigração: -0,6%

3.3.6. esperança de vida: 78 (M) e 71 (H)

4. INICIATIVAS INTERESSANTES

4.1. estudos demonstram que há uma grande desigualdade na região rural da Colômbia

4.1.1. Jóvenes Rurales Emprendedores (2003- )

4.1.1.1. programas de inclusão laboral e produtiva

4.1.1.2. desenvolver atividades técnicas e empresariais

4.1.1.3. criação de redes de fornecedores

4.1.1.4. cadeias de produção

4.1.2. jovens de baixa renda (16-35 anos)

4.1.3. parceria entre governo e serviço nacional de treinamento (SENA)

4.1.4. geração de renda

4.1.5. diminuição do desemprego

4.1.6. melhoria da produtividade no setor ruaral

4.2. Programa Colombia Mayor (2013- )

4.2.1. adultos mais velhos em situação de extrema pobreza e indigência

4.2.2. subsídios

4.2.2.1. econômico direto: dinheiro entregue à população idosa

4.2.2.2. econômico indireto: serviços sociais básicos entregue através dos centros de bem-estar do Idoso (CBA)

4.3. Programa Mujeres Ahorradoras en Acción

4.3.1. formação profissional e apoio ao auto-emprego de mulheres

4.3.2. conscientização de gênero

4.3.3. educação financeira

4.3.4. construção de habilidades empresariais

4.3.5. promovendo serviços formais de microfinanças

4.3.6. incentivo de poupança