Filósofos Pré-Socráticos

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
Filósofos Pré-Socráticos by Mind Map: Filósofos Pré-Socráticos

1. Filosofia surge na Grécia Antiga por volta do séc. VI a.C.

1.1. Aristóteles definiu Tales de Mileto o primeiro filósofo científico.

1.2. A pólis grega eram as cidades-estado da Grécia Antiga. Estas cidades possuíam um alto nível de independência, ou seja, tinham liberdade e autonomia política e econômica. Nas pólis não existia separação entre as áreas rural e urbana, nem existiam relações de dependência. Muitos habitantes das pólis, principalmente da nobreza, habitavam em casas de campo. O centro político-administravivo das pólis era a Acrópolis (geralmente a região mais alta da cidade-estado). Na Acrópolis se encontravam o templo principal da pólis, os edifícios públicos, a Ágora (espaço em que ocorriam debates e decisões políticas) e a Gerúsia. Ao redor da pólis havia uma espécie de cinturão rural, onde eram produzidos grande parte dos alimentos necessários para a manutenção da pólis. Esta organização reforçava ainda mais a autonomia das pólis.

2. Pensamento Filosófico-Científico

2.1. Nasce de uma insatisfação com o pensamento mítico explicando o real.

2.1.1. Assírios e Babilônicos pensavam diferente mas os Gregos tornaram esses pensamentos em Ciência.

2.2. O nascimento da filosofia se deu devido a insatisfação do pensamento mítico, que já não atendia as necessidades da nova organização social voltada ao comércio e ao mercantilismo.Esta mudança na sociedade grega leva muito tempo para acontecer e se deve, basicamnete, a decadência da civilização miscenio-cretente por volta de VI a.C

2.2.1. É Aristóteles, como dissemos acima, que afirma ser Tales de Mileto, no séc. VI a.C., o iniciador do pensamento filosófico-científico. Podemos considerar que este pensamento nasce basicamente de uma insatisfação com o tipo de explicação do real que encontramos no pensamento mítico

3. Pensamento Mítico

3.1. Forma do mundo explicar a coisas essenciais de acordo com a realidade em que vivemos

3.1.1. Mito:como essas explicações são dadas; ficção ou imaginário; fruto de tradição cultural- apela para o sobrenatural.

3.1.1.1. Mito não se justifica, não se fundamenta; representa uma realidade daquela cultura e sociedade.

3.2. Não,, o pensamento mitico, posto que é (foi), construido pelos povos e passado de geração a geração no intuito de explicar os fenomenos que ocorrem a nossa volta, já faz parte de uma tradição cultural e ainda hoje está muito forte na sociedade.

3.3. O pensamento mítico consiste em uma forma pela qual um povo explica aspectos essenciais da realidade em que vive: a origem do mundo, o funcionamento da natureza e dos processos naturais e as origens deste povo, bem como seus valores básicos. O mito caracteriza-se sobretudo pelo modo como estas explicações são dadas, ou seja, pelo tipo de discurso que constitui. O próprio termo grego significa um tipo bastante especial de discurso, o discurso ficcional ou imaginário, sendo por vezes até mesmo sinônimo de “mentira”.

3.3.1. As lendas e narrativas míticas não são produto de um autor ou autores, mas parte da tradição cultural e folclórica de um povo. Sua origem cronológica é indeterminada, e sua forma de transmissão é basicamente oral. O mito é, portanto, essencialmente fruto de uma tradição cultural e não da elaboração de um determinado indivíduo

4. Noções Fundamentais do Fundamento Filosófico-Científico

4.1. a.Physis- natureza, objeto de investigação é o mundo natural,explicam fenômenos a partir de causas naturais, biológicas, nada sobrenatural e divino b.Causalidade- regressivo: explicar uma coisa por outra podendo então buscar uma anterior mais básica até o infinito. c.Arqué- elemento primordial.Necessidade de ter um princípio, um ponto de partida (o contrário da causalidade.Tales de Mileto (água) d.Cosmo- ideia de ordem, harmonia e beleza.Opõe-se ao caos que é a falta de ordem.Cosmologia e.Logos- significa discurso.É uma explicação em que razões são dadas. f.Caráter Crítico- teorias são construções do pensamento humano e não verdades reveladas, ou seja, estão sempre abertas para discussões, para reformulações e para correções.

4.1.1. a. A physis Aristóteles (Metafísica I, 2) chama os primeiros filósofos de physiólogos, ou seja,estudiosos ou teóricos da natureza (physis). Assim, o objeto de investigação dos primeiros filósofos-cientistas é o mundo natural; sendo que suas teorias buscam dar uma explicação causal dos processos e dos fenômenos naturais a partir de causas puramente naturais, isto é, encontráveis na natureza, no mundo natural, concreto, e não fora deste, em um mundo sobrenatural, divino, como nas explicações míticas. Segundo esse tipo de visão, portanto, a chave da compreensão da realidade natural encontra-se nesta própria realidade e não foradela.

5. Capitulo 2 (Escolas)

5.1. Escola Jônica: interesse pela Physis; Tales de Mileto, Anaximandro, Anaximenes= Escola de Mileto Escola Italiana: tem uma visão do mundo mais abstrata, menos voltada para uma explicação naturalista da realidade.Escola Pitagórica (números) e escola eleática

5.2. Segunda Fase: Escola Atomista- A realidade consiste em átomos e no vazio, os átomos se atraindo e se repelindo, gerando os fenômenos naturais e o movimento -Leucipo-atomismo. -Demócrito

5.2.1. Monismo-doutrina da existência de uma realidade única. Mobilismo- Realidade natural se caracteriza pelo movimento, tudo está em fluxo; Panta Rei (Tudo passa); Heráclito de Éfeso.

5.3. Os monistas partiram de uma realidade única e imutável. Para eles , a mudança era apenas aparente, pois se há ideia de movimento, pressupõe-se a ideia da permanência

5.4. A afirmação serve de base para o Racionalismo.O conhecimento só é justificado quando nasce da razão, deduzido de conceitos, sendo assim universalmente válido e logicamente necessário.

6. arque

6.1. A arqué (elemento primordial) A fim de evitar a regressão ao infinito da explicção causal, o que a tornaria insatisfatória, esses filósofos vão postular a existência de um elemento primordial que serviria de ponto de partida para todo o processo. O primeiro a formular essa noção é exatamente Tales de Mileto, que afirma ser a água(hydor) o elemento primordial. Não sabemos por que Tales teria escolhido a água: talvez por ser o único elemento que se encontra na natureza nos três estados, sólido, líquido e gasoso; talvez influenciado por antigos mitos do Egito e da Mesopotâmia, civilizações de regiões áridas e que se desenvolveram em deltas de rios e onde por isso mesmo a água aparece como fonte da vida. Porém, o importante na contribuição de Tales não é tanto a escolha da água, mas a própria ideia de elemento primordial, que dá unidade à natureza