Marketing Digital e Growth Hacking

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Marketing Digital e Growth Hacking por Mind Map: Marketing Digital e Growth Hacking

1. Estratégia de marketing

1.1. O principal objetivo do mkt é satisfazer as necessidades e desejos dos clientes

1.2. Gerar um melhor posicionamento das empresas

1.3. O mkt acontece antes da venda propriamente dita, pois trata-se de um processo gerencial

1.4. Os objetivos de marketing em uma organização é garantir sua sobrevivência e atender o mercado de forma eficaz, fazendo com que a empresa atinja seus objetivos

1.4.1. Que são: aumentar a margem de lucro, a participação de mercado e a satisfação do cliente

1.5. A estratégia de marketing é a lógica utilizada para atingir os objetivos de mkt

1.5.1. Esta estratégia deve ser direcionada para o atingimento das metas da empresa, e podem ser utilizadas de 6 formas

1.5.1.1. 1) Mercado alvo

1.5.1.2. 2) Posicionamento central

1.5.1.3. 3) Posicionamento do preço

1.5.1.4. 4) Proposta total do valor

1.5.1.5. 5) Estratégia de distribuição

1.5.1.6. 6) Estratégia de comunicação

1.5.2. Elas estão relacionadas aos 4P's, que compõe a estratégia de atuação de uma empresa no mercado

1.5.2.1. Produto

1.5.2.2. Preço

1.5.2.3. Praça

1.5.2.4. Promoção

1.5.3. Para que as estratégias de maketing sejam efetivas e possuam um diferencial competitivo, é preciso:

1.5.3.1. Que elas se adaptem as necessidades dos clientes,

1.5.3.2. Que superem as estratégias da concorrência,

1.5.3.3. Que defininam um posicionamento e

1.5.3.4. Analisem a concorrência

1.5.4. Um marketing capaz de tornar uma empresa competitiva é aquele que vai além de analisar a concorrência e utilizar a estratégia dos 4Ps

1.5.4.1. É o marketing que gerar valor para o cliente

2. Plano de marketing

2.1. É uma ferramenta de gestão que deve ser sempre utilizada e atualizada, acompanhando sempre as mudanças no mercado e suas tendências

2.1.1. Ele é composto por 3 etapas:

2.1.1.1. 1ª) Planejamento, analisar as forças e fraquezas da empresa (análise SWOT). São identificados o público-alvo, o posicionamento de mercado, objetivos e metas, marca e estratégias de mkt

2.1.1.2. 2ª) Implementação, onde serão implementadas as estratégias de mkt, quem as fará e qual será o custo

2.1.1.3. 3ª) Avaliação, fase em que se verificará se as ações executadas estão de acordo com o que foi planejado

3. Do marketing tradicional ao growth hacking

3.1. Marketing 1.0

3.1.1. É aquele focado no produto, é onde estão a maioria das empresas, não há produtos personalizados é o cliente que se adapta aos produtos

3.2. Marketing 2.0

3.2.1. É aquele focado no cliente, as empresas procuram conhece-lo para criar produtos e/ou serviços específicos para atendê-los

3.3. Marketing 3.0

3.3.1. É aquele focado no ser humano, nessa fase valores são agregados aos produtos e/ou serviços

3.4. Marketing 4.0

3.4.1. É a era do marketing digital, a internet faz parte da vida das pessoas, as empresas precisam se humanizar para alcançar seus clientes

4. BMG - Canvas

4.1. Ferramenta que possui 9 elementos que permitem descrever e analisar modelos de negócios, todos numa única página

5. Marketing Integrado

5.1. Pode ser a sincronização das diversas funções do mkt

5.2. E também pode ser o alinhamento de todos os deptºs da empresa ao do mkt, como uma forma de melhorar a experiência do consumidor, criando com ele um relacionamento duradouro

5.3. Ele pode ser utilizado como uma estratégia que não se limita somente a área do mkt

5.3.1. Tendo como objetivo, unificar as estratégias, para que os resultados esperados possam ser atingidos

5.3.2. Através do multicanal, a empresa terá uma visão integrada dos consumidores, conseguindo atendê-los melhor, inclusive, podendo detectar oportunidades de novos negócios

5.4. Vantagens

5.4.1. Mais valor a marca: para que isso aconteça, é preciso que toda a empresa esteja focada no mesmo objetivo

5.4.2. Melhor aceitação: Para que isso ocorra, é preciso que todas as falhas sejam identificadas e corrigidas

5.4.3. Fidelização de clientes: é preciso que todas as equipes estejam alinhadas para terem maior agilidade e poderem oferecer melhores serviços

5.4.3.1. A fidelização é um dos fatores mais importantes do mkt integrado

5.4.4. Poder de atração: acontecerá a partir do momento que a empresa tenha uma marca de valor e possua clientes fiéis

5.5. Como funciona na prática

5.5.1. É preciso construir uma cultura de integração dentro da empresa, as áreas precisam ser parceiras umas das outras

5.5.2. É preciso melhorar a experiência do consumidor

5.5.3. É fundamental trabalhar o relacionamento com o cliente em todos os locais em que ele tenha contato com a marca

5.5.4. É preciso utilizar a tecnologia como ferramenta de construção de estratégias para melhorar a comunicação com o consumidor

6. Captura de valor

6.1. No mkt tradiconal, formado pelos 4 P's, o preço é o único que gera receita

6.1.1. Os profissionais de mkt precisam entender que nessa área a abordagem é estratégica e com o objetivo de capturar valor

6.2. Segundo Kotler, a função do mkt é definir um preço que seja o mais próximo possível do valor que o bem tem para o consumidor

6.2.1. Entretanto, o valor não está num produto/serviço, mas numa cadeia em que cada elo precisa agregar alguma coisa ao valor final que o cliente receberá

6.2.1.1. A maior parte das empresas se preocupam mais em criar valor para os clientes, mas se esquecem de pensar em como capturar o valor criado

7. Estratégia de preço

7.1. De forma inovadora Stefan Michel, observando o mercado, criou 15 maneiras de capturar valor, divididos em 5 categorias

7.1.1. 1) Mudar o mecanismo de preço

7.1.2. 2) Mudar o pagador, ou seja, quem realmente pagará pelo valor

7.1.3. 3) Mudar a transportadora de preço, onde se colocará a etiqueta de preço

7.1.4. 4) Como alterar o tempo quando se capturar o valor

7.1.5. 5) como mudar o segmento e capturar o valor de maneira diferente com diferentes segmentos

7.2. Essa estrutura poderá ser utilizada como uma ferramenta de diagnóstico gerencial

7.2.1. Toda vez que se pensa em estratégia e inovação, deverá se pensar na captura de valor

7.2.2. O gerenciamento deverá ser feito por equipes multifocais, de forma regular e sistemática

7.3. Grátis

7.3.1. A internet e os negócios digitais criaram uma nova cultura, a cibercultura

7.3.1.1. A propagação da informação e conteúdos nos fez acostumar com a gratuidade

7.3.1.1.1. São vários os obstáculos a gratuidade na sociedade, porque muitas empresas perderão o seu poder

7.3.1.1.2. Entretanto, a cultura da gratuidade ganha cada vez mais força junto aos cibernautas

8. Marketing Digital

8.1. É a reunião de estratégias de marketing (segmentação, mercado alvo e posicionamento), só que on line e 100% baseado em dados

8.2. Está ao alcance de todos os tamanhos de negócios, dos menores, que possuem baixos orçamentos, aos maiores

8.3. O maior benefício do mkt digital é quando através das estratégias, a empresa consegue trazer o cliente até ela

8.4. Em função da internet ficou mais fácil conquistar um público-alvo

8.5. Canais de marketing

8.5.1. Redes sociais

8.5.1.1. É importante estar presente em todas as redes sociais

8.5.2. Referências pessoais

8.5.2.1. O boca a boca é valioso,através de um bom atendimento ele é conquistado

8.5.3. Tráfego direto

8.5.3.1. Através de uma "url" fácil, a marca pode ser reforçada, porque será facilmente encontrada

8.5.4. Emails

8.5.4.1. Ter uma boa lista de emails e gerencia-la

8.5.5. Tráfego Orgânico

8.5.5.1. Investir em conteúdos de qualidade e SEO para garantir um lugar nos mecanismos de busca

8.5.6. Tráfego pago

8.5.6.1. Investir em anúncios pagos para atingir mais pessoas com os conteúdos

8.6. Ferramentas utilizadas pelo mkt digital

8.6.1. Inbound, se baseia no compartilhamento e criação de conteúdo de qualidade direcionado um determinado público-alvo, com o objetivo de ganhar o interesse das pessoas, em vez de comprá-las

8.6.2. Já o Outbound, tem o objetivo de colocar as mensagens na frente da audiência a um número maior de pessoas, quer elas queiram ou não

8.7. Evolução dos 4P's para os 4C's

8.7.1. Cliente

8.7.1.1. O foco muda 100% do produto para o cliente, a empresa precisa vender exatamente aquilo que o cliente precisa

8.7.2. Custo

8.7.2.1. O preço já não é o mais o único valor inerente a compra de um produto, a empresa precisa incluir o custo de oportunidade

8.7.3. Comunicação

8.7.3.1. Ela surge no lugar do P de promoção e é colaborativa e não persuasiva

8.7.3.1.1. Manter o diálogo com o cliente permitirá a criação de novos produto, que melhor atendam as suas necessidades

8.7.4. Conveniência

8.7.4.1. Surge no lugar do P de praça e significa que o produto deve estar disponível imediatamente para o cliente

8.8. Analytics

8.8.1. Ferramenta web que possibilita coletar, acompanhar, medir e analisar as ações do mkt digital de forma on line

9. Growth Hacking

9.1. Totalmente focado na experimentação de modo científico

9.2. Utiliza a criatividade, análises, pesquisa e o estudo detalhado de métrica para criar alternativas que aceleram o ganho de clientes para uma empresa, ao mesmo tempo reduzindo o custo de aquisição médio

9.3. Prática de encontrar "gatilhos" ou "brechas" que ao serem acionados promovem o crescimento acelerado

9.3.1. Não é uma prática simples e rápida

9.4. Processo de implementação

9.4.1. O funil de growth hacking geralmente é utilizado para otimizar um dos estágios:

9.4.1.1. Aquisição

9.4.1.1.1. Práticas para atrair e conquistar clientes

9.4.1.2. Ativação

9.4.1.2.1. Entregar a primeira boa experiência ao cliente

9.4.1.3. Retenção

9.4.1.3.1. Clientes satisfeitos que continuam usando o produto

9.4.1.4. Receita

9.4.1.4.1. Clientes que geram faturamento para a empresa

9.4.1.5. Indicações

9.4.1.5.1. Quando os clientes estão chamando amigos para se tornarem clientes também

9.4.2. Geração de ideias

9.4.2.1. Geração de ideias práticas para alavancar o crescimento das métricas do funil

9.4.2.1.1. As fontes de ideias podem ser: pesquisas de casos de sucesso, benchamarketing e sites de empresas que são referências, blogs, etc

9.4.3. Seleção de ideias

9.4.3.1. As ideias ligadas ao objetivo principal da empresa devem ter prioridades

9.4.3.1.1. Existem vários critérios, entretanto, os 3 mais indicados são:

9.4.3.2. As ideias mais simples, com maior probabilidade de sucesso e alto impacto nos resultados devem ser as primeiras a serem levadas à prática

9.4.4. Modelagem de experimentos

9.4.4.1. Aqui a ideia vira uma hipótese e se torna imprescindível:

9.4.4.1.1. Ficar claro a barreira de crescimento que se quer superar

9.4.4.1.2. E identificar o gatilho que se usará para isso

9.4.4.2. A ideia por trás do growth hacking é comprovar, da maneira mais rápida possível, a hipótese.

9.4.4.3. Deverão ser definidos as medições dos resultados

9.4.5. Realização de experimentos

9.4.5.1. Colocar em prática o experimento

9.4.5.1.1. Aplicar a ideia como foi planejada

9.4.5.2. Geralmente um experimento comprova a hipótese e sua implementação é totalmente descartada com o objetivo de desenvolver a solução definitiva

9.4.5.3. Após sua implementação é preciso monitorar a operação e os resultados iniciais

9.4.6. Análise de resultados

9.4.6.1. Ao final do período de experimento, é preciso analisar os resultados para saber se a hipótese foi confirmada

9.4.6.2. A análise de métricas e resultados é essencial para aplicar growth hacking

9.4.6.3. O objetivo desta fase é o aprendizado

9.4.6.3.1. Não se deve analisar somente se o número esperado foi atingido, mas também se outras métricas sofreram impactos e o que se pode aprender com isso

9.4.6.4. Caso o objetivo não tenha sido atingido, analisar quais hipóteses explicariam porque

9.4.6.5. Dessa fase podem surgir diversas outras ideais de ações de growth hacking

9.5. Bullseye Framework

9.5.1. Estratégia de growth hackers para atingir resultados rápidos, com menor investimento em mkt

9.5.2. Analisa 19 diferentes canais de divulgação

9.5.3. Desconsidera alguns deles com o objetivo de chegar naqueles (máximo 3) que trarão o melhor retorno, no menor tempo possível e com o menor gasto

9.5.4. É um método simples, que promove um grau de foco e prioridade na estratégia de marketing que evita gastos desnecessários ou a aplicação de tendências que não estão em linha com o modelo de negócio

10. Canais de tração

10.1. Também chamados de canais de aquisição de clientes

10.1.1. São canais onde as empresas podem ter crescimento real de clientes

10.2. Existem 19 canais de tração

10.2.1. Para ajudar na identificação de qual é o mais indicado para a fase/objetivo do negócio, a ferramenta bullseye é uma forte aliada

10.2.1.1. Essa ferramenta tem por objetivo, mirar no canal de tração certo, para atingir o público-alvo ideal e destravar o próximo estágio de crescimento do negócio

10.2.1.1.1. O Bullseye é construído em 5 etapas:

10.3. A estratégia de tração deve ser sempre focada em ações de mkt que resultem em resultados mensuráveis e alinhado com o objetivo definido pela empresa

10.3.1. Criar algo que as pessoas querem

10.3.2. Colocar no mercado seu produto

10.3.3. Aumentar o seu negócio

10.4. Em qualquer fase da empresa, apenas 1 canal domina a aquisição de clientes, por esse motivo não é recomendado focar em mais de 1 canal ao mesmo tempo

11. Inbound

11.1. Trabalha com o mkt de atração

11.1.1. Tem como objetivo atrair a atenção do consumidor, sem interromper a programação que ele estava assitindo

11.1.1.1. Na maior parte das vezes isso é feito através de conteúdos, úteis e relevantes para o consumidor

11.1.1.1.1. Através destes conteúdos está se divulgando a marca

11.2. Suas etapas:

11.2.1. Atrair

11.2.2. Converter

11.2.3. Fechar

11.2.4. Encantar

11.3. Algumas vantagens

11.3.1. Aumentar a visibilidade do negócio

11.3.2. Diminuir o custo de aquisição do cliente

11.3.3. Atrair clientes em potencial

11.3.4. Gerar conteúdos que façam a diferença

11.3.5. Otimizar o processo de vendas

12. Onboarding

12.1. É o processo que acontece entre a compra e a utilização do produto

12.2. Nessa etapa a automatização dos processos é fundamental, pois os possíveis problemas/dúvidas com o cliente podem ser solucionadas com rapidez e eficiência

13. Customer Success

13.1. Significa levar sucesso ao cliente, é preciso conhecê-lo para poder entregar o que ele deseja

13.1.1. Em primeiro lugar é preciso entender o que é sucesso para o cliente, se ele já existe na cultura da empresa, se não, será preciso incluí-lo

13.1.1.1. Depois, é preciso saber qual a experiência adequada e operacionalizá-la

13.2. O produto precisa funcionar do jeito que o cliente espera, ou até mesmo superar as expectativas

13.3. É uma estratégia de pós-venda utilizada para manter o cliente na base por mais tempo, gerando receita

13.4. A empresa precisa investir de verdade em CS para conseguir fazer o cliente ficar na base, comprar mais e recomendá-la

13.5. Funciona de forma diferente, em diferentes segmentos e tamanhos de empresas, pois as experiências dos clientes serão diferentes