INTEGRIDADE INTESTINAL

Saúde Intestinal

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
INTEGRIDADE INTESTINAL por Mind Map: INTEGRIDADE INTESTINAL

1. Equilíbrio dinâmico entre a mucosa intestinal e o conteúdo luminal

1.1. equilíbrio intestinal constituído pela plena integridade anatômica do intestino, adequada relação microbiológica e as atividades fisiológicas e funcionais ótimas.

1.2. equilíbrio entre o sistema de defesa e a resposta ao estímulo imune - menos nutrientes direcionados à resposta imune.

1.3. relação harmônica entre microbiota benéfica e a patogênica, equilíbrio de processos citológicos de proliferação, diferenciação e extrusão dos enterócitos e a otimização do aproveitamento de nutrientes.

2. Ativação do sistema imune resulta em piora de IZ

2.1. aporte proteico para produzir as defesas como citocinas, imunoglobulinas e proteínas de fase aguda - 60% vem de proteínas corporais degradadas.

2.1.1. gera perda de peso e desempenho

3. O que determina a integridade intestinal?

3.1. digestão e absorção eficazes de alimentos; ausência de doença gastrointestinal; microbiota normal e estável; eficiente estado imunológico; bem-estar animal.

3.2. 3 fatores:

3.2.1. histologia e fisiologia; estabelecimento da microbiota; e o colostro.

3.2.1.1. Histologia: 2 eventos citológicos: renovação (na cripta e ao longo dos vilos) e extrusão que ocorre no ápice dos vilos - equilíbrio = turnover

3.3. intestino delgado possui em sua mucosa: vilosidades, microvilosidades e criptas e em sua submucosa as placas de Peyer - intestino grosso possui em sua mucosa apenas as criptas sem vilosidades e na submucosa o tecido linfoide difuso.

4. Fatores não imunológicos de defesa

4.1. peristaltismo;

4.2. ácidos e sais biliares;

4.3. turnover;

4.4. lactoferrina, lactoperoxidase e lisozimas;

4.5. metabólitos bacterianos da microbiota residente;

4.6. produção de muco.

5. Funções microbiota:

5.1. A expressão dos fatores de virulência é o que diferencia ser positivo e não ter a doença e ser positivo e ter a doença por meio da criação de condições para que as bactérias expressem esses fatores.

5.2. interfere na absorção dos nutrientes; ajusta a digestão de alimentos; atua na defesa contra patógenos; atua na biossíntese de vitaminas; ajuda no desenvolvimento do sistema imune.

5.2.1. A distribuição da microbiota ao longo do TGI aumenta da região proximal para a distal

5.3. composta por 90% de Firmicutes e Bacteroidetes - EUBIOSE restante: Proteobacteria, Actinobacteria e Spirochaetes.

5.4. alterações com idade e dieta: primeiros colonizadores do intestino - Lactobacillus, Enterobactérias e Streptococcus - anaeróbios facultativos. Com o passar do tempo, o intestino será colonizado por organismos anaeróbios obrigatórios.

5.5. administração de antibióticos via oral - disrupção da microbiota, eliminando ou inibindo o crescimento de todos os tipos de bactérias, inclusive da microbiota benéfica.

6. Colostro

6.1. imunização, promotor de energia e nutrientes para maturação e desenvolvimento do epitélio intestinal.

6.2. fechamento intestinal - perda da capacidade de absorção de Ig pelo intestino, não em função do tempo de vida do leitão, mas do quanto de colostro ele mamou.

6.2.1. Quanto mais o leitão mamar em menos tempo, mais rápida a barreira se fechará.

6.3. fatores imunológicos transmitidos via colostro

6.3.1. Ig (IgG, IgM e IgA) Linfócitos B e T Fagócitos Neutrófilos Macrófagos Células epiteliais Lisozimas Lactoferrinas Citocinas Interleucinas TNF Fatores de crescimento

7. Principais desafios alimentares

7.1. transição do ambiente uterino para o exterior; transição da lactação para o pós-desmame.

7.1.1. Maior desafio: transição acompanhada de exposição contínua a agentes, mistura de leitegadas e origens, além da alteração da dieta líquida para sólida, com inclusão de fontes vegetais + o leitão não recebe mais a proteção passiva da fêmea a partir do desmame, principalmente, imunoglobulina A.

8. Desmame

8.1. comprometimento da estrutura intestinal devido: ao status inflamatório; alteração da microbiota; alteração da função da barreira intestinal.

8.1.1. barreira intestinal: primeira grande linha do mecanismo de defesa, composta por microbiota, muco, epitélio intestinal, lâmina própria e peristaltismo.

8.2. mudanças envolvidas no desmame são: ativação da resposta inflamatória; mudança da atividade hormonal; redução de motilidade gástrica; indução de atrofia do intestino delgado e altura de vilosidades; redução da absorção de nutrientes, fluidos e eletrólitos.

8.3. início rápido do consumo de ração

8.3.1. O consumo de alimento pós-desmame favorece a estrutura do intestino e é de extrema importância para integridade intestinal.

9. Transição da dieta

9.1. Ingestão de alimentos sólidos

9.1.1. farelo de soja e casca de soja

10. BETA-MAMANOS

10.1. Beta-galactomananos - polissacarídeos não amiláceos não digeridos por animais não ruminantes.

10.2. encontrados na PC da soja e na superfície de diversos micro-organismos patogênicos que são identificados pelo sistema imune animal.

10.3. presentes nos alimentos podem provocar uma ativação cruzada do sistema imune - identificam os beta-mananos dos alimentos como sendo de micro-organismos patogênicos - FIIR (Feed Induced Immune Response ou Resposta Imune Induzida Pelo Alimento)

10.3.1. ocorre a liberação de citocinas que levam a repartição dos recursos energéticos.

10.4. Redução na absorção de nutrientes, alterações na liberação de hormônios e modificação no tempo de trânsito intestinal.

10.5. Beta-mananase - capaz de desdobrar ou romper os beta-mananos presentes no farelo de soja e outros ingredientes minimizando a resposta imune induzida por alimentos.

11. Aditivos

11.1. melhorar a integridade intestinal dos animais.

11.2. Probióticos

11.2.1. suplementos alimentares de cultura pura ou composta de microrganismos vivos - capacidade de se instalar e proliferar no trato gastrointestinal beneficiando a saúde do hospedeiro - bactérias e leveduras.

11.2.1.1. Exclusão competitiva; Melhorar a atividade microbiana; Estimular o sistema imune; Auxiliar na digestão e absorção; Auxiliar na eliminação de aminas tóxicas e amônia.

11.3. Prebióticos

11.3.1. ingredientes nutricionais não digeríveis - estimulam seletivamente o crescimento e atividade de uma ou mais espécies de bactérias benéficas intestinais.

11.3.1.1. MOS

11.3.1.2. FOS

11.4. Acidificantes

11.4.1. possuem efeitos fisiológicos relacionados com o sistema imune, esvaziamento gástrico e absorção de minerais e água - BLENDS

11.4.1.1. ácido fumárico, ácido cítrico, ácido fosfórico, ácido acético, ...

11.5. ImmunoWall® - Perfeito equilíbrio entre saúde intestinal e desempenho.

11.5.1. previne a colonização do trato intestinal por patógenos, estimula a atividade imunológica das células fagocíticas e aumenta a ação das bactérias benéficas, (lactobacilos e bifidobactérias), criando uma parede imunológica contra doenças.

11.5.2. O ImmunoWall® possui propriedades de adsorção de micotoxinas - constituída por uma densa parede celular, composta predominantemente de β-glucanas 1,3-1,6 e mananoligossacarídeos (MOS), que são polissacarídeos insolúveis de ação prebiótica.

12. Programa de controle e prevenção de doenças entéricas

12.1. Limpeza e Desinfecção

12.2. Vacinação das fêmeas e mamadas do colostro

12.3. Vacina dos leitões

12.4. Medicação injetável

13. Jet lag