ANTIHIPERTENSIVOS

Commencez. C'est gratuit
ou s'inscrire avec votre adresse courriel
ANTIHIPERTENSIVOS par Mind Map: ANTIHIPERTENSIVOS

1. Escolha do medicamento

1.1. Ser eficaz e seguro; Administração em menor número possível de tomadas; Preconizar a monoterapia

2. Reduzir a pressão arterial

3. Classes

3.1. Diuréticos

3.1.1. Mecanismo de Ação

3.1.1.1. Efeitos diuréticos e natriuréticos, com diminuição do volume extracelular. Posteriormente, após cerca de quatro a seis semanas, o volume circulante praticamente se normaliza e há redução da resistência vascular periférica.

3.1.2. Efeitos Adversos

3.1.2.1. Hipopotassemia, por vezes acompanhada de hipomagnesemia,

3.1.2.2. Intolerância à glicose, aumentando o risco do aparecimento do diabetes melito.

3.1.2.3. Aumento do triglicérides.

3.2. Inibidores adrenérgicos

3.2.1. Ação Central

3.2.1.1. Mecanismo de Ação

3.2.1.1.1. Estimula os receptores alfa-2-adrenérgicos pré-sinápticos no sistema nervoso central, reduzindo o tônus simpático.

3.2.1.1.2. Escolha para tratamento da hipertensão das grávidas.

3.2.1.2. Efeitos Adversos

3.2.1.2.1. Não interferem na resistência periférica à insulina ou no perfil lipidico

3.2.1.2.2. Sonolência e sedação.

3.2.1.2.3. Boca seca.

3.2.1.2.4. Disfunção sexual.

3.2.1.2.5. Anemia hemolítica.

3.2.1.2.6. Fadiga.

3.2.1.2.7. Hipotensão postural.

3.2.1.2.8. Lesão hepática.

3.3. Alfabloqueadores

3.3.1. Mecanismo de Ação

3.3.1.1. Efeito hipotensor discreto em longo prazo como monoterapia, devendo, portanto, ser associados com outros anti-hipertensivos. Têm a vantagem de propiciar melhora discreta no metabolismo lipídico e glicídico e dos sintomas de pacientes com hipertrofia prostática benigna.

3.3.2. Efeitos Adversos

3.3.2.1. Vasodilatação arterial direta.

3.3.2.2. Retenção hídrica e taquicardia reflexa.

3.4. Betabloqueadores

3.4.1. Mecanismo de Ação

3.4.1.1. Diminuição do débito cardíaco, redução da secreção de renina, readaptação dos barorreceptores e diminuição das catecolaminas nas sinapses nervosas. Betabloqueadores 3ª geração ( Carvedilol e o nebivolol,) diferentemente dos betabloqueadores de 1ª e 2ª gerações, proporciona vasodilatação.

3.4.2. Efeitos Adversos

3.4.2.1. Broncoespasmo.

3.4.2.2. Bradicardia.

3.4.2.3. Distúrbios da condução atrioventricular e vasoconstrição periférica.

3.4.2.4. Insônia, pesadelos, depressão.

3.4.2.5. Disfunção sexual.

3.5. Vasodilatadores diretos

3.5.1. Mecanismo de Ação

3.5.1.1. Musculatura da parede vascular, promovendo relaxamento muscular com consequente vasodilatação e redução da resistência vascular periférica. São utilizados em associação com diuréticos e/ou betabloqueadores.

3.5.2. Efeitos Adersos

3.5.2.1. Vasodilatação arterial direta, promovem retenção hídrica e taquicardia reflexa, o que contraindica seu uso como monoterapia.

3.6. Bloqueadores dos canais de cálcio

3.6.1. Mecanismo de Ação

3.6.1.1. Redução da resistência vascular periférica por diminuição da concentração de cálcio nas células musculares lisas vasculares.

3.6.2. Efeitos Adversos

3.6.2.1. Cefaleia, tontura, rubor facial.

3.6.2.2. Efeitos adversos são, em geral, dose-dependentes.

3.7. Inibidores da enzima conversora da angiotensina

3.7.1. Mecanismo de Ação

3.7.1.1. Inibição da enzima conversora da angiotensina (ECA), bloqueando a transformação da angiotensina I em II no sangue e nos tecidos. Quando administrados em longo prazo, os IECAs retardam o declínio da função renal em pacientes com nefropatia diabética ou de outras etiologias.

3.7.2. Efeitos Adversos

3.7.2.1. Tosse seca, alteração do paladar e, mais raramente, reações de hipersensibilidade com erupção cutânea e edema angioneurótico

3.7.2.2. Em indivíduos com insuficiência renal crônica, podem eventualmente agravar a hiperpotassemia.

3.7.2.3. Seu uso é contraindicado na gravidez pelo risco de complicações fetais.

3.8. Bloqueadores do receptor AT1 da angiotensina II

3.8.1. Mecanismo de Ação

3.8.1.1. Antagoniza a ação da angiotensina II por meio do bloqueio específico de seus receptores AT1.

3.8.2. Efeitos Adversos

3.8.2.1. Tontura.

3.9. Inibidor direto da renina

3.9.1. Mecanismo de Ação

3.9.1.1. Inibição direta da ação da renina com consequentemente diminuição da formação de angiotensina II. Especulam-se ainda outras ações, como redução da atividade plasmática de renina, bloqueio de um receptor celular próprio de renina/prorrenina e diminuição da síntese intracelular de angiotensina II.

3.9.2. Efeitos Adversos

3.9.2.1. Diarreia.

3.9.2.2. Contraindicado na gravidez.

4. Função

4.1. Reduzir a pressão arterial