ANTÍGENOS E ANTICORPOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
ANTÍGENOS E ANTICORPOS por Mind Map: ANTÍGENOS E ANTICORPOS

1. NEUTRALIZAÇÃO

1.1. PREENCHEM RECEPTORES DE SUPERFÍCIE DOS VÍRUS OU O LOCAL DE ATIV. MICROBIANA

2. ANTICORPOS

2.1. DIVIDO EM:

2.1.1. 2 TIPOS DE CADEIA

2.1.1.1. LEVE

2.1.1.1.1. NA PARTE MAIS EXTERNA

2.1.1.2. PESADA

2.1.1.2.1. TIPO DE CADEIA PESADA DEFINE O TIPO DE ANTICORPO

2.1.2. 2 REGIÕES

2.1.2.1. VARIÁVEL

2.1.2.1.1. LOCAL DE LIGAÇÃO DO AG

2.1.2.1.2. COM CADEIA LEVE E PESADA

2.1.2.2. CONSTANTE

2.1.2.2.1. LOCAL DE LIGAÇÃO NO FAGÓCITO

2.1.2.2.2. SOMENTE CADEIA PESADA

2.1.2.3. LIGADAS POR PONTE DISSULFETO

2.2. FUNÇÕES

2.2.1. OPSONIZAÇÃO

2.2.1.1. FACILITAR O RECONHECIMENTO DE PARTÍCULAS POR FAGÓCITOS

2.2.2. AGLUTINAÇÃO

2.2.3. FIXAÇÃO DO SISTEMA COMPLEMENTO

2.2.3.1. ATIVAÇÃO CLÁSSICA DESSAS "BOMBAS" PROTEICAS, QUE ROMPEM CÉLULAS E VÍRUS

2.2.4. PRECIPITAÇÃO

2.2.4.1. ?

2.3. TIPOS

2.3.1. DEFINIDO PELOS TIPOS DE CADEIA PESADA

2.3.1.1. GAMA

2.3.1.1.1. IgG

2.3.1.2. DELTA

2.3.1.2.1. IgD

2.3.1.3. EPSLON

2.3.1.3.1. IgE

2.3.1.4. ALFA

2.3.1.4.1. IgA

2.3.1.5. MI

2.3.1.5.1. IgM

2.4. ORIGEM (?)

3. ANTÍGENO

3.1. SUBS. QUE PROVOCA RESPOSTA IMUNE EM LINF. ESPECÍFICOS

3.2. PARTE RECONHECÍVEL DO ANTÍGENO:

3.2.1. EPÍTOPOS

4. RESPOSTA IMUNE

4.1. 1ª EXPOSIÇÃO: PROD. DE IgM APÓS 10-12 DIAS

4.2. 2ª EXPOSIÇÃO: RESPOSTA ANAMNÉSTICA (PRODUÇÃO DE IgM E IgG)

5. MHC (COMPLEXO PRINCIPAL DE HISTOCOMPATIBILIDADE)

5.1. MOLÉCULA DE SUPERFÍCIE DA CÉLULA QUE RECONHECE TECIDOS PRÓPRIOS E NÃO-PRÓPRIOS

5.1.1. CODOMINÂNCIA DE GENES POLIMÓRFICOS (QUE DÁ GRANDE VARIABILIDADE GENÉTICA) NO CROMOSSOMO 6

5.1.2. SÓ FUNCIONA LIGADO A OUTRAS PROTEÍNAS

5.1.3. FICA "PARA FORA" PELO TEMPO MÍNIMO NECESSÁRIO

5.2. SINÔNIMO: ANTÍGENO LEUCOCITÁRIO HUMANO (HLA)

5.3. TIPOS

5.3.1. MHC-I

5.3.1.1. ESTRUTURA

5.3.1.1.1. 3 SUBUNIDADES ALFA

5.3.1.1.2. 1 SUBUNIDADE BETA-2

5.3.1.2. SOBRE:

5.3.1.2.1. EM TODAS AS CÉLULAS NUCLEADAS (OU SEJA, EXCETO HEMÁCIAS)

5.3.1.2.2. INTERAGE COM OS LINFÓCITOS TCD8

5.3.1.2.3. LIGADO A DOENÇAS AUTOIMUNES

5.3.1.2.4. IMPORTANTE PARA DETECTAR PARASITAS INTRACELULARES

5.3.1.3. FORMAÇÃO

5.3.1.3.1. 1. CALNEXINA (JUNTA AS UNIDADES ALFA E SAI DO COMPLEXO) E CALRETICULINA (TRAZ A BETA-2 MICROGOBULINA)

5.3.1.3.2. 2. JUNTAM-SE A CALRETICULINA O Erp 57, ERAP E TAPASINA (SERVEM PARA DAR UM "POLIMENTO" À FENDA E DEIXÁ-LA "TAMPADA" PARA NÃO REAGIR DE FORMA ERRÔNEA)

5.3.1.4. AÇÃO

5.3.1.4.1. 1. UBIQUITINA MARCA PROTEÍNAS PARA DESTRUIÇÃO

5.3.1.4.2. 2. PROTEASSOMA "LIQUIDIFICA" PROTEÍNAS DO ANTÍGENO (VÍRUS, POR EXEMPLO)

5.3.1.4.3. 3. TAP ENVIA OS ANTÍGENOS VIRAIS PARA DENTRO DO RET. ENDOPLASMÁTICO, QUE SE LIGAM A FENDA DO MHC-I

5.3.1.4.4. 4.MOLÉCULA PRONTA VAI PARA O GOLGI PARA SER APRESENTADO PELA SUPERFÍCIE

5.3.1.4.5. 5. HÁ UMA INTERAÇÃO COM O LTCD8

5.3.2. MHC-II

5.3.2.1. ESTRUTURA

5.3.2.1.1. 2 SUBUNIDADES ALFA

5.3.2.1.2. 2 SUBUNIDADES BETA

5.3.2.2. SOBRE

5.3.2.2.1. APENAS NAS APC's (CÉLULAS APRESENTADORAS DE ANTÍGENO)

5.3.2.2.2. PARA AGENTES EXTRACELULARES

5.3.2.2.3. ENQUANTO INATIVO FICA DENTRO DE UMA VESÍCULA, LIGADO A UMA CADEIA INVARIANTE QUE O MANTERÁ "ESTÁVEL" EM SUA FENDA

5.3.2.3. AÇÃO

5.3.2.3.1. 1. APC'S FAGOCITAM

5.3.2.3.2. 2.AS LISOZIMAS JUNTAM-SE AO FAGOSSOMO E DIGEREM O AGENTE EXTRACELULAR

5.3.2.3.3. 3. JUNÇÃO DO ANTÍGENO DIGERIDO COM A VESÍCULA QUE APRESENTA O MHC-II "ESTÁVEL"

5.3.2.3.4. 4. VESÍCULA É EXTERIORIZADA E INTERAGE COM OS LTCD4

5.3.2.3.5. 5. INÍCIO DA RESPOSTA IMUNE

5.3.3. MHC-III

5.3.3.1. TEM RELAÇÃO COM O SISTEMA COMPLEMENTO

5.3.3.2. CITOCINAS

5.3.3.2.1. TNF-ALFA E TNF-BETA