Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
LOGÍSTICA por Mind Map: LOGÍSTICA

1. ESPERADO POR GANHOS OPERACIONAIS

1.1. Retorno de vasilhames reutilizáveis

2. DESCARTE MENOS AGRESSIVO AO MENOS AMBIENTE

3. TRANSPORTES

4. ESTOQUE E ARMAZENAGEM

5. PROCESSAMENTO DE PEDIDOS

6. Empresa-consumidor (business-to-customer -B2C)

6.1. Varejo de bens e serviços diretamente a consumidores individuais

7. INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

8. REPARAÇÕES E CONSERTOS

9. LOCALIZAÇÃO DOS ATORES DA LOGÍSTICA

10. AVALIAÇÃO QUANTITATIVA

10.1. MODELOS MATEMÁTICOS

10.1.1. CENTRO DE GRAVIDADE

11. DECISÃO SOBRE A FROTA

11.1. PRÓPRIA

11.2. DISTÂNCIA

11.3. DE TERCEIROS

12. O Supply Chain Management (Gestão da Cadeia de Suprimentos) é um processo que consiste em gerenciar os fluxos, de bens, serviços, finanças, informações de forma estratégica entre empresas e consumidores finais, visando alcançar vantagens competitivas e criação de valor para os clientes.

13. AVALIAÇÃO QUALITATIVA

13.1. INCENTIVOS FISCAIS

13.2. MÃO DE OBRA QUALIFICADA

13.3. LEGISLAÇÃO

13.4. ESTABILIDADE POLÍTICA

13.5. URBANIZAÇÃO

14. DOAÇÕES

15. O que antes era apenas vender e entregar, hoje são otimização e integração de todas as áreas funcionais da empresa, incluindo marketing, vendas, produção, finanças, recursos humanos e tecnologia da informação, o qual se denomina Logística Integrada, reportada ao sistema Intraorganizacional ou departamentos internos de uma organização, já Integração Logística vem da visão Interorganizacional o qual aborda a necessidade de Integração entre processos diferentes, ou seja, parceiros externos, como fornecedores e clientes. Assim sendo necessário envolver toda a organização na criação de um plano estratégico de logística

16. LOCALIZAÇÃO

17. REVERSA

17.1. PÓS VENDA

17.1.1. RETORNO

17.1.1.1. COMERCIAL

17.1.1.1.1. Devoluções

17.1.1.1.2. Produto com defeito ou a garantia expirou.

17.1.1.2. POR GARANTIA/QUALIDADE

17.2. PÓS CONSUMO

17.2.1. DESMANCHE

17.2.1.1. REMANUFATURA

17.2.2. RECICLAGEM

18. COMÉRCIO ELETRÔNICO

18.1. Mudanças significavas nos processos de produção e vendas. Porém, existem grandes gargalos e barreiras a serem vencidas para a Logística.

18.1.1. Empresa-empresa (business-to-business - B2B)

18.1.1.1. Venda de bens e serviços entre empresas

18.1.2. Cliente-cliente (consumer-to-consumer - C2C)

18.1.2.1. Pessoas usam a Web para vendas ou trocas particulares

19. DIRETA

19.1. ADM DE MATERIAIS (LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS)

19.1.1. COMPRAS

19.1.1.1. ESCOLHA DOS FORNECEDORES

19.1.1.1.1. SINGLE SOURCING

19.1.1.1.2. MULTIPLE SOURCING

19.1.1.1.3. GLOBAL SOURCING

19.1.1.1.4. MIX DE MAIS DE UM DELES

19.1.1.2. ADM PRIVADA

19.1.1.3. ADM PÚBLICA

19.1.1.3.1. LICITAÇÕES

19.1.1.4. GESTÃO DE ESTOQUE

19.1.1.4.1. ARMAZENAGEM

19.1.1.4.2. LEAD TIME DE PEDIDO

19.1.1.4.3. ESTOQUE MÁXIMO

19.1.1.4.4. ESTOQUE MÍNIMO

19.1.1.4.5. INVENTÁRIOS FÍSICOS DE ESTOQUE

19.1.1.4.6. ESTOQUE VIRTUAL

19.1.2. ENTREGA PARA A PRODUÇÃO

19.1.3. O termo estoque virtual diz respeito ao registro de produtos em uma loja. De forma simplificada, todo produto que é comprado ou vendido pela loja é atualizado no estoque virtual, o que permite ao lojista ter um maior controle de suas compras/vendas e ajustar a demanda de seus produtos junto aos seus fornecedores.

19.2. LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES

19.3. TRANSPORTE

19.3.1. TIPO DE EMBARQUE

19.3.2. ESCOLHA DOS MODAIS

19.3.2.1. ROTEIRIZAÇÃO (ESCOLHA DA ROTA)

19.3.2.2. TIPOS DE MODAIS

19.3.2.2.1. AQUAVIÁRIO

19.3.2.2.2. DUTOVIÁRIO

19.3.2.2.3. AÉREO

19.3.2.2.4. FERROVIÁRIO

19.3.2.2.5. RODOVIÁRIO

19.3.2.3. COMBINAÇÃO DOS MODAIS

19.3.2.3.1. UNIMODAL

19.3.2.3.2. COMBINAÇÃO DE MODAIS

19.3.2.3.3. SUCESSIVO

19.3.2.4. FATORES

19.3.2.4.1. VELOCIDADE

19.3.2.4.2. CONSISTÊNCIA

19.3.2.4.3. DISPONIBILIDADE

19.3.2.4.4. FREQUÊNCIA

19.3.2.4.5. VOLUME

19.3.2.4.6. TIPO DE CARGA

19.4. Na Localização devem ser tomadas as seguintes decisões: número, dimensão e localização das instalações, alocação de armazéns para atender a certas áreas.

19.5. DISTRIBUIÇÃO FÍSICA (LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO)

19.5.1. PROCESSAMENTO DE PEDIDOS

19.5.2. ARMAZENAGEM (PRODUTOS FINAIS DA ORGANIZAÇÃO)

19.5.2.1. ARMAZÉNS (CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO)

19.5.2.1.1. É o tempo medido a partir do momento em que o cliente faz a colocação do pedido até o momento em que ele o recebe dentro das condições de qualidade solicitadas, ou seja, de acordo com o Nível de Serviço que contratou. O Tempo do Ciclo do Pedido é um dos indicadores mais importantes de qualidade da logística, pois mede a eficiência de todo o processo logístico. Por meio dele, o cliente calcula o momento em que deve fazer novo pedido a fim de repor seu estoque.

19.5.2.1.2. Os Centros de Distribuição existem como armazéns para receber as cargas dos fornecedores e depois distribuí-las aos clientes, de acordo com o nível de serviço solicitado pelos consumidores. O funcionamento do CD depende de sua estrutura, ou seja, do seu layout de armazenagem, dos seus itens de estoque, corredores, das suas portas de acesso, do seu pátio, de suas prateleiras e estruturas e do seu espaço vertical e horizontal.

20. VARIÁVEIS BÁSICAS DA LOGÍSTICA

21. SUPPLY CHAIN MANAGEMENT