Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
EAN por Mind Map: EAN

1. Concepções de educação

1.1. Tradicional

1.1.1. Inspirado pelo modelo francês-napoleônico - Império

1.1.2. Influência fortemente o ensino superior

1.1.3. O aluno é considerado receptor passivo de informações preestabelecidas pela instituição educacional

1.1.4. A avaliação da aprendizagem é baseada na capacidade de reprodução das informações dadas

1.1.5. A relação professor-aluno é marcada por forte hierarquização e autoritarismo

1.1.6. Não há incentivo ao pensamento crítico e criativo, nem à autonomia do aluno

1.2. Comportamentalista

1.2.1. O conhecimento é externo ao indivíduo e

1.2.2. O conhecimento é descoberto como resultado direto da experiência do indivíduo

1.2.3. A transmissão dos conteúdos leva ao desenvolvimento de habilidades e competências

1.2.4. Professor - Planeja e faz estratégias do processo ensino-aprendizagem

1.2.5. Professor - Reforça os aspectos positivos do aluno e evita castigos e punições

1.3. Humanista

1.3.1. Privilegia os aspectos da personalidade do sujeito que aprende

1.3.2. Corresponde ao “ensino centrado no aluno”

1.3.3. O conhecimento existe no âmbito da percepção individual e não se reconhece objetividade nos fatos

1.3.4. A aprendizagem se constrói por meio da re-significação das experiências pessoais

1.3.5. O aluno é o autor do seu processo de aprendizagem

1.3.6. o professor atua como um facilitador da aprendizagem e das relações interpessoais

1.4. Cognitivista

1.4.1. Investiga os caminhos percorridos pela inteligência no processo de construção do conhecimento

1.4.2. O conhecimento é fruto das ações e interações do sujeito com seu ambiente

1.4.3. o professor é um mediador entre o aluno e o conhecimento

1.4.4. Cabe ao professor problematizar os sistemas de ensino, criando condições favoráveis ​​à aprendizagem

1.5. Sociocultural

1.5.1. Coloca no centro do processo ensino-aprendizagem os contextos político, econômico, social e cultural onde ocorre a ação educativa

1.5.2. A aprendizagem mobiliza os processos de desenvolvimento

1.5.3. A educação deve ser sempre problematizadora

1.5.4. A relação professor-aluno é igualitária e democrática

2. Histórico

2.1. Anos 40 - Educação alimentar para o trabalhador brasileiro (modelo desenvolvimentista).

2.2. Anos 40 - Visitadoras domésticas de alimentação e nutrição

2.3. Anos 50 - Início do PNAE Educação alimentar para produtos importados/acordos econômicos “merenda escolar”

2.4. Década 70/80 - Década das fórmulas infantis

2.5. 1976 - Programa de Alimentação do Trabalhador

2.6. 1978 - 1ª Conferência Internacional de Atenção Primária à Saúde

2.7. 1981 - Programa Nacional de Aleitamento Materno / Criação de grupo técnico e comitê na área de atuação da criança

2.8. 1986 - 1ª Conferência Internacional de Promoção da Saúde / Carta Otawa: Campos

2.9. 1986 - 8ª Conferência Nacional de Saúde / 1ª Conferência Nacional de Alimentação e Nutrição

2.10. 1989 - Pesquisa PNSN

2.11. 1990 - Criação do Sistema Único de Saúde Lei 8080 Lei Orgânica da Saúde

2.12. 1993 - Campanha contra a fome - Betinho

2.13. 1996 - Lei das Diretrizes e Bases da Educação

2.14. 1998 - Estudos Populacionais (VIGITEL, INCA, POF) “Qualidade" da dieta

2.15. 1999 - PNAN / Criação da ANVISA

2.16. 2000 - Guia alimentar para a população brasileira menos de 2 anos

2.17. 2003 - Programa Bolsa Família/ Retomada do CONSEA

2.18. 2004 - Coordenação geral de EAN / MDS

2.19. 2005 - RES 380/2005 Conselho Federal de Nutricionistas

2.20. 2006 - PNAB / LOSAN / Valorização de alimento guia alimentar pop. brasileira

2.21. 2007 - PSE

2.22. 2008 - Núcleo de apoio a saúde da família

2.23. 2010 - Inclusão do DHAA na legislação Direito do cidadão Dever do Estado

2.24. 2011 - Brasília, 19-21 / 10/2011 Encontro EAN: Discutindo a diretriz

3. Princípios

3.1. Sustentabilidade social, ambiental e econômica

3.2. Abordagem do sistema alimentar, na sua integralidade

3.3. Valorização da cultura alimentar local e respeito à diversidade de opiniões e perspectivas

3.4. A comida e o alimento como referências; Valorização da culinária enquanto prática emancipatória

3.5. A educação enquanto processo permanente e gerador de autonomia e participação ativa e informada dos sujeitos

3.6. A diversidade nos cenários de prática

3.7. Intersetorialidade

3.8. Planejamento, avaliação e monitoramento das ações

4. Conceito

4.1. Ação estratégica para o alcance da Segurança Alimentar e Nutricional e da garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA)

4.2. Campo de conhecimento e de prática contínua e permanente, transdisciplinar, intersetorial, e multiprofissional que visa promover a prática autônoma e voluntária de hábitos alimentares saudáveis.

4.3. A prática da EAN deve fazer uso de abordagens e recursos educacionais, problematizadores e ativos que favoreçam o diálogo junto a indivíduos e grupos populacionais, considerando todas as fases do curso da vida, etapas do sistema alimentar e as interações e significados que compõem o comportamento alimentar.