Arquitetura da Informação (AI)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Arquitetura da Informação (AI) por Mind Map: Arquitetura   da Informação (AI)

1. Apresentação de informação recuperada

2. Sistema de Organização

2.1. Agrupa e categoriza o conteúdo informacional;

3. Ambientes digitais

3.1. Possibilidades de navegação

3.2. Adequação à condições específicas de usuários

4. Formato dos arquivos

5. Ciência da Informação

5.1. Modelos

5.2. Teorias

5.2.1. corresponde à disciplina que investiga as propriedades, comportamento, fluxo e meios de processamento da informação para que se obtenha o máximo de acessibilidade e usabilidade. (BORKO,1968)

5.3. Métodos

6. Usabilidade

6.1. Contribuição da Arquitetura da Informação (NIELSEN, 1993, p. 26)

6.1.1. Eficiência de uso

6.1.1.1. Assim que se saiba como utilizar o sistema, deve haver condições para alcançar a maior produtividade possível;

6.1.2. Facilidade de memorização

6.1.2.1. Deve haver simplicidade na retenção de como utilizar o sistema, para que após certo tempo, não se necessite aprender tudo novamente;

6.1.3. Satisfação subjetiva

6.1.3.1. O sistema deve ser agradável de usar.

6.2. Fundamentos e Avaliação

6.2.1. Interação Humano-Computador (IHC) Ergonomia Ciências Cognitivas + AI + Comportamento Informacional

6.2.1.1. Personalização

6.2.1.1.1. Identificar necessidades informacionais

6.2.1.1.2. Identificar o o serviço de personalização a ser implantado

6.2.1.2. Apresentação das informações recuperadas

6.2.2. Eficiência, Eficácia e Satisfação

6.2.3. Industria de Software Web Sites Telefone Móvel

6.3. Ambientes Digitais

6.3.1. Ampliação de ambientes, a recuperação e o acesso às informações.

6.3.1.1. Personalização

6.3.1.2. Acessiblidade

6.3.1.3. Usabilidade

6.3.1.3.1. Inteligibilidade

6.3.1.3.2. Operacionalidade

6.3.2. Rapidez no desempenho da tarefa

6.3.3. Baixa taxa de erro

6.3.4. Facilidade de aprendizagem

6.3.5. Interface adequada

7. Interação Usuário e Produto

7.1. Função Prática

7.2. Função Estética

7.3. Função Simbólica

7.4. Usabilidade + Ciência da Informação

8. Contexto + Conteúdo + Uso

8.1. Atributos localizados por gênero Comportamentos e praticas Ícones, Símbolos, ilustrações e artefatos Convenções e formatos Valores e dimensões intangíveis Preferência de conteúdo

8.2. Web

9. Processos Cognitivos IHC

9.1. Processos Cognitivos IHC

9.1.1. Atenção

9.1.2. Linguagem

9.1.3. Público-alvo

9.1.4. Percepção

9.1.5. Memória

9.1.5.1. Longo prazo Curto prazo De trabalho

9.1.6. Resolução de Problemas

9.1.7. Criatividade

9.1.7.1. Classificação dos problemas de Usabilidade

9.1.7.1.1. As consequências na

9.1.7.1.2. Interação entre

9.1.7.1.3. Usuário e sistema

9.1.7.1.4. O tipo de usuário

9.1.7.1.5. O tipo de tarefa

10. Princípios da Usabilidade

10.1. Prevenção de erros Consistência Feedback Controle Eficácia e Eficiência Fácil Aprendizado Priorização da funcionalidade e da informação Uso equitativo Affordance Ajuda Atalhos Baixo esforço físico Restrições Reversão de ações Satisfação subjetiva Segurança

11. Elementos de Cultura incorporados em interfaces

12. Acessiblidade

12.1. Acessibilidade É a condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, equipamentos, edificações, transportes e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. Art. 8o, inciso I, do Decreto no 5.296/2004

12.1.1. A Arquitetura da Informação para Web subdividida em:

12.1.1.1. Sistema de Navegação

12.1.1.1.1. Determina a maneira de navegar, de mover-se pelo espaço informacional e hipertextual;

12.1.1.2. Sistema de Rotulação

12.1.1.2.1. Determina as formas de representação e apresentação da informação, definindo cada um dos elementos informativos;

12.1.1.3. Sistemas de Busca

12.1.1.3.1. Determina as perguntas que os usuários podem fazer e as respostas que podem obter, podendo ser utilizado também para navegar no website

12.1.2. Existem atualmente organizações que estabelecem padrões para que a informação seja estruturada da melhor forma possível. Podemos citar W3C, E-MAG (Brasil) entre outros.

13. Arquitetura da Informação em Ambientes Digitais

13.1. Busca

13.1.1. Possibilidades de estratégias de busca

13.1.2. Formatos específicos de arquivo

13.2. Processos (CAMARGO, 2004)

13.2.1. https://drive.google.com/open?id=139EnOtRoZTkyeXxzaZUkbz6AHnJA5oMJ

13.3. Organização

13.3.1. Dados

13.3.1.1. Movimentação de dados

13.3.2. Informação

13.3.2.1. Disposição de informações no site

13.3.3. Conteúdos

13.3.3.1. Metodologia de organização e documentação dos conteúdos da página

14. Lei de acesso à Informação

14.1. A realidade do acesso à informação no mundo vem sendo modificada desde a publicação da Declaração de Atlanta, correspondente ao mais amplo documento produzido de como deve ser o acesso às informações públicas, referindo-se a uma compilação de melhores regras e conceitos de transparência.

14.1.1. No Brasil, foi sancionada no dia 18 de novembro de 2011, a Lei nº 12.527, que regulamenta o acesso a informações, destacando em seu artigo 3º, que os procedimentos previstos na referida lei destinam-se a assegurar o direito fundamento de acesso à informação.

14.1.1.1. Lei de acesso à Informação | Agenda Pública