Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
BRASIL por Mind Map: BRASIL

1. FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL (FMI)

1.1. O Brasil esteve presente desde o início das negociações, sendo um dos fundadores do que depois se tornaria as Instituições de Bretton Woods, compostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). Apesar do Brasil ainda ser visto como uma “pequena potência”, a primeira metade do século XX foi marcada por uma participação brasileira ativa nas discussões de cunho mundial. Apesar da grande negociação no início do governo Lula, desde 2005, o Brasil entrou em uma nova fase de seu relacionamento com o FMI: não mais submete-se à antiga condição de dependência, tornando-se participante ocasional de programas de ajustes fiscais para países necessitados e potencial financiador da instituição. Em 2009, pela primeira vez na história, o Brasil emprestou dinheiro ao Fundo: US$ 10 bilhões para ajudar países emergentes em meio à crise internacional. Em 2012, novo empréstimo de US$ 10 bilhões, agora para a zona do euro – com uma exigência: participação mais efetiva dos países em desenvolvimento nas decisões do Fundo.

1.1.1. O Brasil esteve presente desde o início das negociações, sendo um dos fundadores do que depois se tornaria as Instituições de Bretton Woods, compostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). Apesar do Brasil ainda ser visto como uma “pequena potência”, a primeira metade do século XX foi marcada por uma participação brasileira ativa nas discussões de cunho mundial. Apesar da grande negociação no início do governo Lula, desde 2005, o Brasil entrou em uma nova fase de seu relacionamento com o FMI: não mais submete-se à antiga condição de dependência, tornando-se participante ocasional de programas de ajustes fiscais para países necessitados e potencial financiador da instituição. Em 2009, pela primeira vez na história, o Brasil emprestou dinheiro ao Fundo: US$ 10 bilhões para ajudar países emergentes em meio à crise internacional. Em 2012, novo empréstimo de US$ 10 bilhões, agora para a zona do euro – com uma exigência: participação mais efetiva dos países em desenvolvimento nas decisões do Fundo.

2. BANCO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (BID)

2.1. As propostas de criação de um banco internacional americano datam de, pelo menos, 1889. Em 1954, a Conferência Econômica Interamericana realizada no Hotel Quitandinha, em Petrópolis, Brasil, elaborou as propostas que constituiriam a base do futuro convênio constitutivo do BID. A iniciativa recebeu novo impulso em 1958, quando o Presidente Juscelino Kubitschek escreveu ao Presidente Dwight D. Eisenhower sugerindo um esforço hemisférico para elevar o padrão de vida na América Latina. Essa iniciativa, que posteriormente ficou conhecida como Operação Pan-Americana, lançou a idéia de um banco que proporcionaria financiamento à região para desenvolvimento econômico, social e institucional, bem como para sua integração. Com esses objetivos o BID foi criado em 1959.

2.1.1. O Brasil é um dos membros fundadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e teve um papel crucial na sua criação. O BID é hoje o maior e mais antigo dos bancos multilaterais regionais de desenvolvimento e a principal fonte internacional de financiamento para o desenvolvimento desse gigante sul-americano. O Brasil está emparelhado com a Argentina na posição de maior acionista do BID entre os países em desenvolviment cada um tem 10,75% do capital e poder de voto. Em seus 47 anos de operações, o BID aprovou 324 empréstimos num total de US$28 bilhões para o Brasil, fazendo desse país o maior mutuário da instituição. Os principais setores que se beneficiaram desses empréstimos foram: indústria, turismo, ciência e tecnologia, transporte e comunicações, saúde e saneamento, investimento social e microempresa, energia, reforma de políticas e modernização do setor público.

3. BANCO MUNDIAL

3.1. Originalmente chamado Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento, o atualmente mais conhecido como Banco Mundial teve suas origens também nas Conferências de Breton Woods no ano 1944. A principal atividade do Banco Mundial é fornecer empréstimos para os países em desenvolvimento em diversos programas de capital.

4. BNDS

4.1. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é uma empresa pública federal, com sede e foro em Brasília, Distrito Federal, e escritório no Rio de Janeiro, cujo principal objetivo é o financiamento de longo prazo e investimento em todos os segmentos da economia brasileira.

4.1.1. Um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo, o BNDES, é uma entidade que compõe a administração pública indireta e atualmente vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em busca de apoiar empreendedores de todos os portes, inclusive, pessoas físicas, na realização de seus planos de modernização, expansão e concretização de novos negócios, tendo em vista o potencial de geração de empregos, renda e inclusão social no Brasil. O que melhora a competitividade da economia brasileira e eleva a qualidade de vida da população.

5. NDB

5.1. O Acordo que criou o NDB foi assinado na Cúpula de Fortaleza, em 15 de julho de 2014, e entrou em vigor no dia 3 de julho de 2015. A sede do Banco é em Xangai, na China, e o primeiro escritório regional, em Johanesburgo, na África do Sul, se encontra em fase final de instalação. O NDB visa a prestar apoio financeiro a projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável, públicos ou privados, nos países do BRICS e em outras economias emergentes e países em desenvolvimento. O capital subscrito inicial do banco é de US$ 50 bilhões, havendo autorização para chegar a US$ 100 bilhões.

5.1.1. Para o Brasil, os ganhos econômicos de sua participação no NDB advêm do financiamento de obras de infraestrutura no país e da participação de empresas brasileiras em processos de licitação de obras nos países membros financiadas com recursos do Banco. Atualmente, um dos principais temas na agenda do NDB diz respeito à política de admissão de novos membros a partir de 2017. O acordo constitutivo do NDB estabelece diretrizes gerais para tal processo: qualquer país membro das Nações Unidas poderá tornar-se membro do Banco; os países fundadores manterão conjuntamente poder de voto de pelo menos 55%; nenhum outro país poderá individualmente deter poder de voto acima de 7% do poder de voto total; e países desenvolvidos somente poderão aceder ao Banco na condição de membros não tomadores de empréstimos, como é prática em bancos de desenvolvimento, e sua participação conjunta não poderá exceder 20 % do poder de voto total.