Jean Paul Sartre

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Jean Paul Sartre por Mind Map: Jean Paul Sartre

1. MINDMEISTER: Bruna de Sousa

2. Angústia: é benéfica, motiva a mudança individual. É nesse momento que a religião se apodera do indivíduo, agindo como uma força externa que promove coerção sobre o homem, tirando sua liberdade.

3. Autonomia: o indivíduo guia suas próprias ações e na a sociedade.

4. Os homens devem arcar com as consequências de suas escolhas.

5. Conforme experimentamos novas vivências, redefinimos os próprios pensamentos.

6. O homem é condenado a ser livre, cada um sendo determinado pelo ambiente e pelas circunstâncias, mas possui liberdade de mudar sua vida a partir do momento que queira.

7. Essência: conjunto de características de um ser. O homem existe, se descobre no mundo e depois se define. E impossível determinar a essência de um indivíduo.

7.1. O homem de início não é nada, só depois será alguma coisa, sendo aquilo que fizer de si mesmo.

7.2. O ser existe, surge no mundo e depois ele se torna, desenvolve sua essência/seu modo de existir.

8. A filosofia de Sartre priorizava a existência material e concreta.

9. Nasceu em 1905, na França. Estudou filosofia, conhecendo mais tarde sua colega de estudos e de vida, Simone de Beauvoir. Em 1933, se mudou para a Alemanha para estudar filosofia com Husserl, também fazendo amizade com Heidegger. Em 1939, foi convocado pelo exército francês para a 2° G.M., sendo capturado pelos alemães e mantido como prisioneiro por nove meses, escrevendo “O ser e o nada” nesse tempo. Após, focou o mundo social e político da época, se tornando um ativista político até o final de sua vida. Socialista, conheceu Fidel Castro e Che Guevara, além de apoiar a União Soviética na Guerra Fria.

10. Dualismo psico-físico: nós somos compostos de um corpo (matéria) e de uma consciência imaterial, de forma que não há um sem o outro.

10.1. Ser-em-si: tem identidade definida (material -> corpo). Não muda espontaneamente.

10.2. Ser-para-si: tem consciência de si e vive para si, mas não tem identidade.

11. O inferno são os outros: o homem costuma colocar a culpa nos outros pelos seus fracassos, mas nós somos responsáveis, pois somos livres. Essa liberdade e responsabilidade são a fonte de toda a angústia.

12. Estamos condenados a ser livres.

13. O ser e o nada: não existe nada nos impelindo a agir de determinada forma, pois somos livres.

14. Ao buscar a completude, o homem está condenado ao fracasso.

15. Se não há essência, também não há natureza humana e o ser humano sempre terá que construir sua essência, pois e inacabado e está em constante vir a ser, nunca pronto e definido. O processo de construção só cessa com a morte.

16. O ser humano não possui uma essência que o defina de imediato, mas ele é definido de acordo com o modo como vive. O ser é contingente.